Home - Convergência Digital

TIM faz testes de 5G em Florianópolis, Campina Grande e Santa Rita do Sapucaí

Convergência Digital - Carreira
Da Agência Telebrasil - 22/05/2019

Ao Participar do Painel Telebrasil 2019, nesta quarta-feira, 22/05, o presidente da TIM Brasil, Pietro Labriola, anunciou o lançamento de três testes de 5G, utilizando a faixa de 3,5 GHz e equipamentos dos três principais fornecedores – Huawei, Ericsson e Nokia. “É um primeiro teste para entender melhor o funcionamento da tecnologia. Teste em laboratório é uma coisa. Quando está fora podemos entender melhor se temos problemas de interferência, por exemplo”, afirmou Labriola, ao falar das perspectivas da nova onda tecnológica.

O primeiro teste acontece em Florianópolis-SC, em parceria com a Fundação CERTI e equipamentos da Huawei. O foco, segundo Labriola, é o uso do 5G como alternativa aos acessos em fibra óptica na última milha. “Estamos inicialmente fazendo testes sobre acessos fixos sem fio, tendo em vista que o 5G pode ajudar a substituir o FTTH, a rede fixa, pela rede móvel. A rede fixa, para o tamanho do Brasil, precisa de tecnologia complementar”, explicou o presidente da TIM Brasil.

A outra iniciativa é em parceria com a Ericsson e o Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), em Santa Rita do Sapucaí-MG. Segundo a empresa, envolve a implantação de soluções inteligentes para iluminação, segurança e rastreamento de veículos, no contexto das expectativas para a internet das coisas. “Estamos testando também alguma solução de realidade virtual e outros. E aguardamos para fechar com a Itália a possibilidade de fazer o mesmo teste feito lá com carros autônomos”, revelou Labriola.

Ainda um terceiro teste é em Campina Grande-PB, em parceria com a Nokia e o Núcleo de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Tecnologia da Informação, Comunicação e Automação (Virtus) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). O foco lá são soluções para cidades inteligentes, utilizando a plataforma NB-IoT.

Como destacou durante a apresentação no Painel, a implantação do 5G no Brasil exige soluções para problemas já enfrentados pelas prestadoras. “O primeiro assunto é resolver rapidamente o processo de licenciamento das antenas. O 5G precisa não só de antenas, mas de small cells, então esse processo precisa ser muito rápido para evitar o risco de comprar a frequência e não conseguirmos implantar. Outro problema é a cobrança do Fistel sobre IoT. Porque quando se trabalha em um mercado de máquina a máquina com Arpu mensal de R$ 2, R$ 3, a taxa sobre isso faz o negócio inviável.”

Para fazer os testes, a TIM obteve autorização da Anatel para utilizar 100 MHz na faixa de 3,5 GHz – considerada pela agência como a frequência pioneira para o 5G no país – por um prazo inicial de 60 dias, que pode ser prorrogado. A empresa espera fazer o lançamento comercial da tecnologia no Brasil em 2021.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/09/2019
Ministério da Justiça investiga TIM por possível vazamento de dados

19/09/2019
5G chegará a 75 milhões de conexões na América Latina até 2023

18/09/2019
TVs defendem migração da banda C para Ku e calculam custo em R$ 2,9 bilhões

09/09/2019
Na América Latina, 33% da população ainda não têm acesso ao celular

06/09/2019
TIM, Ericsson e Inatel inauguram laboratório 5G

06/09/2019
Brasil terá um ganho de R$ 40 bilhões por uso de faixas milimétricas no 5G

04/09/2019
Samsung anuncia produção de chip integrado 5G para celular

02/09/2019
TIM oferece eSIM para clientes do pós-pago e controle

29/08/2019
Teles temem disparada no preço do leilão 5G

28/08/2019
EUA e Austrália pressionam Brasil sobre riscos à segurança nacional com o 5G

Destaques
Destaques

América Latina tem menos de 20% de espectro disponível para novos serviços móveis

Mesmo o Brasil, que tem 609 MHz de espectro destinado aos serviços, fica bem abaixo dos 1960Mhz recomendados pela União Internacional das Telecomunicações (UIT) para 2020.

5G vai chegar a quase 60% da população em 2025

Tecnologia vai crescer muito mais rápido do que qualquer outra geração sem fio, revela estudo de megatências feito pela Huawei. O estudo também prevê que o volume anual de dados globais chegue a 180 ZB (1 ZB = 1 trilhão de GB).

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site