TELECOM

Oi quer licença da Anatel para investir em redes que União terá que indenizar

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/03/2019 ... Convergência Digital

Maior concessionária de telefonia fixa do país, a Oi inaugurou na Anatel o debate sobre indenizações a serem cobradas da União com o fim das concessões de telefonia. O veículo é um pedido para que a agência reguladora autorize investimentos no STFC que não serão amortizados até 2025 – e portanto, serão cobrados pela própria operadora na forma de indenização.

Ao todo, são R$ 1,28 bilhão em 70 projetos, que envolvem cabos, de fibra mas também metálicos, switches, baterias licenças de software e uma série de outros elementos de rede. E segundo as contas apresentadas pela Oi, “o valor da parcela dos investimentos que não se amortizará até o ano de 2025, quando se encerra a concessão, é de R$ 408 milhões”.

É o segundo pleito semelhante feito pela Oi – o anterior, feito depois dos investimentos realizados, foi negado pela agência. Em realidade, como o pedido foi apresentado no fim de 2017 para aportes em 2018, o próprio conselho diretor acredita que eles já se efetivaram. Mas o pedido formal foi apresentado antes.

Na prática, esse pedido de anuência é o primeiro passo para apresentar a fatura em 2025, quando União e concessionárias do STFC farão um acerto de contas. Listar investimentos em bens reversíveis que não serão amortizados é apontar um valor de crédito para a empresa, ainda que sujeito a uma aprovação específica sobre isso lá na frente.

Daí a recepção amarga do tema pelo Conselho Diretor da Anatel. “Esse processo mostra a dificuldade do regime de concessão para telecomunicações. É esdrúxulo analisar esse tipo de processo, mais ainda com a possibilidade de reversão de bens e eventual indenização a ser feita pela União”, disparou o relator do caso, Emmanoel Campelo.

A proposta adota uma certa cautela ao apontar que “as projeções da concessionária são baseadas em documentos internos”, não confirmados pela agência. E que será preciso demonstrar ao fim da concessão que tratam-se de bens imprescindíveis ao STFC. “A concessionaria deterá apenas uma expectativa de direito, ou seja, a possibilidade de pedir indenização”, pontuou o relator.

O “esdrúxulo”, no caso, na visão do que parece ser a maioria do conselho diretor da Anatel, é a autorização de uma potencial indenização por equipamentos que serão de utilidade discutível no curto prazo. O entendimento é de que telefonia fixa é um serviço sem futuro e que não haverá interessados em uma nova concessão.

Um entendimento definitivo foi adiado. O conselheiro Vicente Aquino Neto pediu vista, lembrando que esse é apenas o começo dessa discussão. “É importante firmarmos uma convicção para os pedidos que certamente começarão a chegar, pois à medida que se aproxima o final da concessão, vai surgindo nas concessionarias uma preocupação com os investimentos que podem vir a ser perdidos.”


Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

Governo autoriza aumento de capital da Telebras de R$ 1,17 bilhão

Montante é reflexo dos aportes autorizados em 2015, 2016, 2017 e 2018, quando a estatal estava ainda em acerto financeiro do satélite geoestacionário de defesa e comunicações. 

Comissão aprova prazo de seis meses para instalação de bloqueador de celular em presídios

Relator do projeto retirou o dispositivo que condicionava as novas outorgas de telecomunicação à instalação, ao custeio e à manutenção dos bloqueadores pelas prestadoras.

Com Smart, Algar Telecom fica com 1.100 Km de rede própria em Pernambuco

Compra da Smart Telecomunicações foi concluída e empresa tem previsão de investir R4 78 milhões na região Nordeste nos próximos cinco anos.

Entidades rebatem Anatel e lançam carta contra o PLC 79/16, o projeto que muda telecom

Em contraponto à agência reguladora, entidades de defesa de consumidores e de direito à comunicação criticam o PLC 79/16, alegam que a proposta favorece a concentração e reduz o poder da União de exigir investimentos em banda larga. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G