Home - Convergência Digital

GSMA acusa órgãos dos EUA de espalhar 'desinformação' sobre 5G em ondas milimétricas

Convergência Digital - 30/07/2019

O uso das ondas milimétricas- nas faixas acima de 26GHz - acirra o impasse entre a indústria de telecomunicações e a indústria satelital. Em comunicado ao mercado, a GSMA, associação das operadoras, sustenta que 'há desinformação e ações excessivamente protecionistas contra o 5G por parte do segmento'. A GSMA sai em defesa do 5G ao afirmar que o uso da mmWave permitirá um crescimento econômico global de US $ 565 bilhões até 2034, mas adverte que se houver restrição de frequência esse montante não será alcançado. Na América Latina, o efeito projetado pela GSMA é de US$ 20,8 bilhões.

A questão é que a NASA e a Associação Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA, são contrárias ao uso do 5G nas ondas milimétricas. As organizações afirmam que a tecnologia interferiria na coleta de dados relacionados à previsão climática e meteorológica. "Não podemos deixar que a desinformação e as atitudes excessivamente protecionistas da indústria espacial inviabilizem a revolução 5G. A proteção excessiva limitará o espectro necessário para o 5G e terá enormes consequências para a sociedade. Isso poderia colocar em suspenso a economia e a inovação que acompanham redes ultrarrápidas por uma geração", sustentou o chefe de espectro da GSMA, Brett Tarnutzer.

No leilão previsto pela Anatel para o 5G, agendado para março de 2020, a frequência de 26 GHz, conhecida como milimétrica (mmWave), não estará à venda. O Brasil elegeu 26 GHz e os EUA, 28 GHz. Segundo a agência reguladora, há questões para serem estudadas ainda para o uso da faixa e estudos estão sendo feitos para o melhor uso do espectro.

*Com  tradução do Mobile Event

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

17/06/2020
Qualcomm leva 5G para smartphones de baixo custo

17/06/2020
5G é agenda prioritária para novo ministro das Comunicações

Destaques
Destaques

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

De acordo com a KPMG, será preciso ainda cuidar da avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site