TELECOM

Teles vão ao STF contra lei que obriga atendimento em 15 minutos

Convergência Digital* ... 12/02/2019 ... Convergência Digital

As operadoras de telecomunicações reclamam no Supremo Tribunal Federal contra a Lei 16.725/2018 do Estado de São Paulo, que dispõe sobre o tempo máximo de espera para atendimento nas lojas de operadoras de telefonia fixa e celular.

A norma estabelece o prazo máximo de 15 minutos em dias normais e de 25 minutos em véspera de feriados e datas comemorativas para atendimento aos usuários. E prevê multa no valor de 250 Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (atualmente cerca de R$ 6,6 mil) em caso de descumprimento.

A exemplo de várias outros casos no Supremo, a Ação Direta de Inconstitucionalidade 6066 sustenta que a lei paulista invadiu a competência privativa da União para legislar sobre serviços de telecomunicações e portanto deve perder sua eficácia.

Como lembram as operadoras no processo, o STF já assentou o entendimento de que não há competência concorrente dos estados para legislarem sobre telecomunicações, mesmo no que diz respeito às relações com os usuários destes serviços.

Além de argumentarem que uma legislação estadual sobre o assunto poderia criar tratamentos diferenciados para os consumidores no país, as empresas apontam, ainda, que o Regulamento Geral de Direitos do Consumidor adotado pela Anatel prevê um prazo de 30 minutos para o atendimento presencial.

* Com informações do STF


Internet Móvel 3G 4G
Huawei usa robôs em centro de distribuição no Brasil com uso do 5G industrial

Centro de Distribuição de Sorocaba-SP foi 100% digitalizado e ganhou maior capacidade de transferência de dados e a menor latência da nova geração tecnológica. Fabricante diz que houve um ganho de eficiência de 30%. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G