Home - Convergência Digital

Telefônica vincula 15% do salário variável dos executivos a indicador de confiança dos clientes

Convergência Digital - Carreira
Da redação - 24/05/2019

 A Telefônica, controladora da Vivo no Brasil, vinculou, pela primeira vez, a remuneração variável dos executivos à sua principal meta de satisfação dos clientes. Válida já a partir deste ano, a meta atribui 15% do valor do bônus ao índice de satisfação dos clientes (NPS).

Também fazem parte dos novos desafios dos executivos indicadores de sustentabilidade relacionados à reputação, avanço nas iniciativas para a redução de emissões dos gases causadores do efeito estufa e ao cumprimento das metas de diversidade de gênero, que representarão 5% da meta, totalizando 20% da remuneração atraleda a esses indicadores. Atualmente, 1.650 gestores e especialistas no Brasil são elegíveis ao programa de bônus Executivo Global da Telefônica.

O principal desafio vem da manutenção e evolução do índice de satisfação Net Promoter Score (NPS) que mede a probabilidade dos consumidores recomendarem os serviços da empresa. O indicador é composto pela diferença entre promotores e detratores da marca. Em busca do melhor resultado, no último ano, a empresa lançou o programa DNA Vivo, com características que trabalham os atributos de uma marca confiável, fácil, encantadora, eficiente e reforçam cultura de excelência no atendimento.

Também lançou a Aura, inteligência artificial para o relacionamento com os clientes e passou a oferecer um atendimento cada vez mais customizado e digital. E a partir deste ano, a empresa passará a medir a satisfação dos clientes em mais de 100 processos de atendimento de maneira digital. Isso ajuda a identificar a percepção dos clientes, mapear e atuar em possíveis falhas em processos de atendimento como venda ou instalação.

“Nossas iniciativas comprovam que queremos seguir crescendo de forma sustentável e inclusiva, mehorando cada dia mais a experiência do cliente com a Vivo e gerando impacto positivo no meio ambiente e na sociedade como um todo. Atrelar o bônus com as metas de sustentabilidade traz ainda maior comprometimento dos nossos colaboradores com a excelência na relação com todos os stakeholders”, revela o CEO da Vivo, Christian Gebara. No último ano, a empresa cumpriu 93,7% dos indicadores estabelecidos em seu Plano de Negócios Responsável, conforme consta no Relatório de Sustentabilidade 2018 .


Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/09/2019
Telefônica diz à CVM que desconhece planos para comprar Oi

09/09/2019
Vivo quer carro conectado até para não cliente

04/09/2019
Vivo fecha contrato de SD-WAN com franquia do McDonald's

03/09/2019
Bolsonaro recebe presidente global da Telefónica

02/09/2019
Vivo investe em redes 4G privativas para o mercado B2B

20/08/2019
Vivo coloca IA Aura para atender clientes pelo WhatsApp

16/08/2019
Levantamento elege a rede da Vivo a melhor do Brasil

01/08/2019
MP do Distrito Federal vai à Justiça para suspender serviço Vivo Ads

24/07/2019
TIM e Vivo avaliam ampliar compartilhamento também para o 3G

10/07/2019
Vivo libera acesso ilimitado fora do país para plano pós-pago Vivo Família

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Dizer não é saudável para o ambiente de trabalho

A posição é defendida pelo diretor geral da Robert Half, Fernando Mantovani. Segundo ele, acumular tarefas e colocar prazos em conflito é um risco alto.

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Cursos voltados para desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética também são bastante demandados. No caso do big data, dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados).

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site