INOVAÇÃO

Brasil fica longe da Inovação e acumula mais de 225 mil pedidos de patentes

Ana Paula Lobo* ... 19/02/2019 ... Convergência Digital

A situação do Brasil com relação à Inovação não é nada animadora. Essa é a principal advertência do estudo Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento: desafios para o Brasil, produzido pela Associação Brasileira da Propriedade Intelectual (ABPI) e entregue à Secretaria de produtividade do Ministério da Economia. O levantamento mostra que o Brasil se mantém na lanterna no ranking global de inovação e aparece como o 69º no Índice Global de Inovação, produzido pela Universidade de Cornell, Insead e Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI).

Mesmo dentre os 18  países latinoamericanos, o Brasil aparece na 7ª posição, muitas posições atrás do Chile (46º no Global), líder regional, Costa Rica, México, Panamá, Colômbia e Uruguai. Mais grave ainda,o País vem caindo no ranking: em 2011 ocupava a 47º posição e caiu para a 69º em  2016 e 2017.  Também  preocupa que, sendo a 8ª economia do mundo, nenhuma empresa brasileira apareça na edição de 2018 no rankingdas 50 Empresas mais inovadoras, desenvolvido pelo The Boston Consulting Group (BCG).

Tambem revela que  o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) tinha, no fim de 2017, 225.115 pedidos de patente pendentes. O prazo médio para análise, no Brasil, é de 10,2 anos, enquanto no Japão é de 1,3 ano, e nos EUA e União Europeia, de 2,2 anos. O estudo é taxativo: as políticas públicas têm sido insuficientes para promover mudanças e transformar a inovação em força motriz  da  economia brasileira.

Os dispêndios públicos são claramente insuficientes e têm oscilado, comprometendo a eficácia das políticas que são adotadas; e igualmente, os dispêndios privados tampouco cresceram como se esperava e seria necessário para catapultar o país ao grupo de nações inovadoras. O resultado  é  que em 2015, o gasto total de inovação foi de 1,28% do PIB, o percentual máximo alcançado pela série, e que corresponde a aproximadamente 50% da  alocação em países que ocupam a liderança.

De acordo ainda com o relatório, a elevada proteção à indústria, formou um empresariado habilidoso para enfrentar crises e sobreviver no ambiente de incerteza e instabilidade monetária e institucional que marcou a trajetória do país, mas avesso ao risco  inerente à inovação.N ão sofrendo as pressões mais fortes da concorrência, foi possível acomodar-se na posição pragmática de não correr os riscos da inovação, e quando necessário optar pela modernização via aquisição de máquinas e equipamentos, treinamento de pessoal e consultorias técnicas. Clique aqui e veja a íntegra do estudo da ABPI.

Fonte: portal Conjur


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Fintechs incubadas pelo BC já encontram negócios no sistema financeiro

Projetos selecionados pelo Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas já estão em uso em instituições como Bradesco e há negociações com outras instituições.

FICO leva IA e machine learning para além da indústria financeira

Verticais como varejo, manufatura e telecomunicações já são usuárias da solução,revela o vice-presidente e diretor-geral da FICO para América Latina e Caribe, Alexandre Graff.

Seguradora HDI trabalha legado para pavimentar transformação digital

Seguradora instituiu um plano de jornada, com quatro anos de duração, para se adaptar à uma nova era digital, afirma a CIO da HDI, Denise Ciavatta.

Brasil fica longe da Inovação e acumula mais de 225 mil pedidos de patentes

Estudo produzido pela Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI) adverte que o País só despenca no ranking global de inovação e, neste momento, ocupa a última posição. Governo e empresas privadas investem pouco e não assumem os riscos inerentes à Inovação.

Ministério da Economia quer privatizar o financiamento à inovação

Além das empresas estatais de TICs como Serpro, Dataprev, Telebras e Ceitec, lista da secretaria de desestatizações , comandada por Salim Mattar, inclui a Finep, agência de fomento do MCTIC, e o próprio BNDES.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G