Home - Convergência Digital

STF adia decisão sobre terceirização com placar de 4 a 3

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 24/08/2018

O Supremo Tribunal Federal tem quatro votos a favor da terceirização irrestrita, contra três votos que sustentam a validade da Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho, que impede a terceirização das chamadas atividades-fim. A expectativa é que o julgamento seja retomado na quarta-feira, 29/8.

Os relatores, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux, votaram favoravelmente a terceirização de qualquer atividade, meio ou fim. Entendem que impedi-la viola a livre iniciativa e constitui intervenção imotivada na liberdade jurídica de contratar sem restrição. Alexandre de Moraes e José Dias Toffoli acompanharam esse entendimento.

Para o ministro Alexandre de Moraes, a Constituição Federal, ao consagrar os princípios de livre iniciativa e da livre concorrência, não veda, expressa ou implicitamente, a possibilidade de terceirização como modelo organizacional de uma empresa. “Além de não estabelecer proibição, a Constituição de 1988 adotou o sistema capitalista”, afirmou. “Não é possível impor uma única forma de organização empresarial, e cada empreendedor pode estabelecer fluxo de produção dentro de sua empresa”.

Para o ministro, a terceirização não pode ser confundida com a intermediação ilícita de mão de obra, que é caracterizada pelo abuso aos direitos trabalhistas e previdenciários do trabalhador. “Seria como comparar uma importação legal com o descaminho ou o contrabando”, comparou.

O ministro Dias Toffoli também votou favoravelmente ao uso da terceirização na atividade-fim, por entender que os custos da mão de obra interferem no desenvolvimento econômico e na geração de emprego, atingindo o próprio trabalhador. “Vivemos hoje num mundo globalizado”, afirmou. “Não é mais o mundo do início do enunciado, de 1986, que dizia respeito às leis específicas da época”, afirmou.

Edson Fachin abriu a divergência e foi seguido por Rosa Weber e Ricardo Lewandowski. Para Fachin, a Súmula 331 do TST não viola os princípios constitucionais da legalidade ou da livre iniciativa. Fachin destacou que os princípios constitucionais devem ser interpretados em conjunto, não sendo possível que um tenha primazia sobre outro. Segundo ele, a garantia da livre iniciativa, um dos fundamentos republicanos da Constituição, está acompanhada, no mesmo patamar de relevância, da necessidade de assegurar o valor social do trabalho. Assim, a Justiça do Trabalho, ao identificar a terceirização ilícita de mão de obra, apenas tutelou o que está no texto constitucional sobre direitos e garantias dos trabalhadores.

A ministra Rosa Weber acompanhou o entendimento do ministro Fachin. Ela sustentou que  “a rarefação de direitos trabalhistas nas relações terceirizadas vulnerabiliza os trabalhadores a ponto de os expor, de forma mais corriqueira, a formas de exploração extremas e ofensivas a seus direitos”.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

09/05/2019
Para STF, restrições e proibições a apps de transporte são inconstitucionais

07/05/2019
AGU defende MP que proíbe desconto sindical na folha de pagamento

03/05/2019
Decisão do STF faz PGR defender o fim de ação contra Telebras/Viasat

12/04/2019
STF confirma lei que proíbe teles cobrarem multa de desempregados

05/04/2019
Mais duas ações no STF questionam contribuição sindical por boleto

04/04/2019
Empresas recorrem ao STF contra "uber dos ônibus"

02/04/2019
TCU manda Executivo, Congresso e Judiciário adequarem terceirizados à nova CLT

26/03/2019
STF já tem uma dezena de ações contra contribuição sindical por boleto

11/03/2019
STF anula decisão do TST e reforça valor legal da terceirização

08/03/2019
Teles questionam no STF lei estadual que proíbe bloqueio ao fim da franquia

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

TI precisa de 420 mil novos profissionais até 2024

Formação de mão de obra, que já sofre para atender a demanda, vai ficar longe dos 70 mil novos empregos por ano. IoT, Big Data e segurança são áreas de maior demanda.

Salários em TICs são três vezes maiores que a média nacional

Em software e serviços, onde estão 75% das vagas das empresas de tecnologia da informação, remuneração média em 2018 foi de R$ 5 mil, contra R$ 1,8 mil do salário médio nacional.

TICs podem formar 1 milhão a cada quatro anos com recursos já existentes

Segundo o presidente da Contic, Edgar Serrano, atualização do marco legal de telecom e a criação do Sistema S das TICs são medidas de transformação digital sem impacto fiscal.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site