Home - Convergência Digital

Testes de 5G indicam que será preciso mitigar 6 milhões de parabólicas

Convergência Digital - Carreira
Por Luis Osvaldo Grossmann* - 21/05/2019

A Anatel elegeu a faixa de 3,5 GHz como a banda pioneira para o 5G no Brasil. Mas isso exige soluções para um dilema histórico no país – o risco de interferência com as estimadas 23 milhões de antenas parabólicas que garantem recepção de TV em um terço dos lares brasileiros. Os testes, iniciados há um ano, permitem um certo otimismo para as prestadoras móveis, mas confirmam que o uso efetivo vai exigir muito trabalho.

“O caminho é bom desde que tenhamos a devida filtragem. Usando filtros melhores é perfeitamente possível, tendo antenas com mais de 1,5 metro de diâmetro, mitigar mais de 90% da interferência”, avalia o consultor de tecnologia de rede da Claro, Carlos Camardella. “Mas ainda haverá uma quantidade razoável de antenas com interferência. Será preciso exigir antenas melhores, que tenham certificação e selo da Anatel para serem vendidas no país”, reconhece.

Vale lembrar que, por diferentes objetivos, a Anatel tenta há 15 anos, sem sucesso, destinar a faixa de 3,5 GHz para as telecomunicações. E o que os testes feitos no laboratório da Claro, na Ilha do Fundão, no Rio de Janeiro, evidenciam, é que o legado das parabólicas instaladas privilegiou preço sobre o uso efetivo de filtros. Sem uso em um naco próximo do espectro, tudo bem. Mas o efetivo uso da faixa de 3,5 GHz para o 5G depende de soluções políticas e técnicas.

“No cenário atual, de 23 milhões de antenas parabólicas residenciais, 30% delas em centros urbanos, na pior das hipóteses teremos que mitigar até 6 milhões de antenas, trocar LNBFs [conversores de baixo ruído] que não possuem devidos filtros. Culpa do legado, de equipamentos sem filtros, um problema histórico, já que para ficar mais barato a indústria fez o mais simples”, indica Camardella.

Os testes demonstraram que a interferência existe, mas ela pode ser atenuada, ainda que com algum trabalho. “O que foi testado foram novas amostras de LNBFs com filtragem, mas na minha visão precisa evoluir muito. Hoje não tem como usar distância menor de 600 metros para não interferir na Banda C estendida. Se tiver 5G emitindo em 2,9 GHz já interferiria em um sistema que deveria começar em 3,6 GHz”, completa.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

21/02/2020
Anatel convoca fabricantes, teles e fornecedores para evento sobre 5G

19/02/2020
CCT do Senado cria subcomissão para acompanhar leilão do 5G

19/02/2020
Defesa Cibernética: 5G do Brasil deve resistir a riscos de qualquer empresa ou nação

19/02/2020
Itamaraty: Norma para fatiar fornecedores no 5G é dispensável

19/02/2020
Vivo: Controle de segurança sobre a Huawei é igual a de qualquer fornecedor

19/02/2020
Anatel: Quem escolhe fornecedor 5G são as teles vencedoras do leilão

18/02/2020
Senado chama GSI, Anatel e Huawei para debater disputa entre EUA e China pelo 5G

18/02/2020
Brasil terá 6,2 bilhões de downloads de aplicações móveis até 2023

17/02/2020
Claro, Ericsson e Qualcomm fazem teste de compartilhamento dinâmico de espectro 5G na AL

17/02/2020
Consulta sobre edital do 5G começa a receber sugestões

Destaques
Destaques

Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

MCTIC estuda a publicação de um novo Decreto, ou em forma de Portaria, com normas para cibersegurança específicas para o setor de telecomunicações. A estratégia Nacional de Segurança Cibernética, recém-lançada pelo Governo, tratou - de forma genérica- o tema 5G.

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site