GOVERNO » Política Industrial

Setor de TI distribui cartilha contra reoneração da folha no Congresso Nacional

Convergência Digital* ... 04/05/2017 ... Convergência Digital

O setor de Tecnologia da Informação (TI), representado pela Fenainfo, TI Rio, Seinflo, Sepij, Seprorgs, Seprosc, Seprosp, Sindesei, Sinepd, SindTI, TI PE, Brasscom, Abes Software, Acate, Assespro, Abep TIC e Sindpd preparou uma cartilha, direcionada aos parlamentares, pedindo à manutenção da alíquota de 4,5% sobre a Receita para o setor de TI e apontando os principais motivos para a permanência do setor no regime de recolhimento da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta – CPRB (Medida Provisória 774/2017). Dentre os dados apontados está à informação que, dos 596 mil empregos do setor, 83 mil serão extintos.

O documento aponta que, caso a reoneração seja aprovada, o setor sofrerá um baque significativo de 2017 até 2019.Além do desemprego, o setor, que tem uma remuneração 2,3 vezes maior que a nacional, terá zero crescimento na remuneração dos trabalhadores de TI, 5,2% ao ano de queda no crescimento médio do setor de TI, 2% ao ano de queda no crescimento da arrecadação de impostos do setor e servirá de estimulo à informalidade nas relações de trabalho.

O setor de TI aponta ainda, que os benefícios obtidos devido a desoneração do setor, de 2010 a 2016, possibilitou a criação de 95 mil empregos. Além disso, houve um crescimento de 14,3% ao ano de aumento na remuneração dos trabalhadores de TI, 12% ao ano de crescimento médio do setor de TI, 8,3% ao ano de crescimento da arrecadação do setor (acima da inflação) e 21 mil postos de trabalho serão criados até 2019 com a manutenção da política de Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta.

O principal argumento dos setores de TI, para que seu pedido seja atendido é a importância do setor para o desenvolvimento da infraestrutura do país e para o crescimento de todas as atividades econômicas. A manutenção da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta preserva o potencial de crescimento do setor em 7,2% ao ano, já a Contribuição sobre a Folha de Pagamento penalizaria a inovação gerada no País e tributaria a mão de obra.

As empresas acreditam que R$ 1,2 bilhão deixará de ser arrecadado com essa medida e impactará cerca de 1,8 milhão de pessoas. Caso a manutenção da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta acontecer, o setor conseguirá gerar 21 mil novos postos de trabalho até 2019. De acordo com os representantes do setor de TI, o CPRB não gerou renúncia fiscal, e sim ganhos para o Brasil, com aumento de emprego, da renda do trabalhador e arrecadação. O setor defende ainda que a tributação sobre a receita bruta possibilita reduzir a informalidade, maior competitividade para o país e isonomia entre software e serviços no Brasil e no exterior. Acesse aqui a íntegra da cartilha.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

PGFN concede poderes ao BNDES vender o Serpro

A fim de privatizar a maior empresa de TI do país, a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional delegou competência ao banco de fomento para alienar a participação da União na estatal. 

Governo publica orçamento sem vetos, com menos recursos para MCTIC

Como aprovado em dezembro, Orçamento estipula R$ 11,81 bilhões para a pasta, 22% a menos do que a Lei Orçamentária original de 2019, depois contingenciada para R$ 13 bilhões. 

Governo diz que não vai vender dados de Serpro e Dataprev, mas pode terceirizar custódia

“Vários países não têm empresas de governo mas custodiam dados. Pode fazer isso internamente ou subcontratar”, diz o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel. 

Microcity recebe certificação CertiGov

Selo de compliance garante a integridade, a conformidade da empresa e a qualifica a vender ao governo reduzindo riscos nas transações.

Dataprev encerra atuação em 20 Estados e quer demissão de 15% dos empregados

Estatal oficializa o Programa de Adequação de Quadro(PAQ) onde coloca como meta a saída de 493 empregados. Também anuncia a centralização das atividades em sete regiões, onde existem data centers e unidades de desenvolvimento.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G