INTERNET

Governança na Internet: muito além do ‘multilateralismo’ x ‘multissetorialismo’

Luís Osvaldo Grossmann ... 10/02/2014 ... Convergência Digital

Sendo a internacionalização da ICANN uma das principais demandas de governos e sociedade civil, é de se perguntar porque a própria entidade veio ao Brasil insuflar a ideia de uma reunião internacional para discutir ‘o futuro da Internet’, além de seu próprio presidente, Fadi Chehadé, defender essa mesma internacionalização.

Chehadé foi a Brasília duas semanas depois do discurso da presidenta Dilma Rousseff na ONU, onde além de criticar a espionagem americana ela defendeu a “governança democrática, multilateral e aberta” da Internet, citando parte dos princípios que por aqui são mais conhecidos como o ‘decálogo’ do Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Dessa reunião nasceu o Encontro Multissetorial Global sobre o Futuro da Governança da Internet, que São Paulo vai sediar em 23 e 24 de abril próximos. O evento tem, nominalmente, dois objetivos: a elaboração de princípios de governança da Internet e a proposta de um roteiro para a evolução futura do ecossistema de governança da rede.

Mas passado o oba-oba inicial com o protagonismo verde-amarelo nesse tema de interesse mundial, o presidente da ICANN foi mais esclarecedor sobre o que espera do ‘Encontro Multissetorial Global’ ao ser perguntado sobre o evento durante um seminário realizado no MIT [o Instituto Tecnológico de Massachusets], há um mês.

“Sabíamos que ela [Dilma] poderia ser uma boa liderança para os países intermediários, aqueles que não sabiam o que fazer sobre a atualização dos ITRs durante a conferência internacional de telecomunicações realizada em Dubai em 2012. Ela concordou e se afastou daquela posição na ONU, dizendo que aceitava discutir o ‘meio-termo’ que propusemos. Estamos mirando não em um sistema que vai substituir o atual, mas uma pensada e significativa evolução.”

A mencionada conferência foi promovida pela UIT e tinha como objetivo a revisão das resoluções que são a base dos tratados internacionais de telecomunicações, os tais ITRs. Ela foi marcada pelo embate entre os países que querem fortalecer o papel dos governos nacionais na ‘governança’ da Internet e aqueles que sustentam o modelo identificado com o ‘multissetorialismo’.

E aqui cabe um parênteses. A discussão sobre a rede tem muito mais nuances do que um confronto entre o ‘multilateralismo’, identificado com o sistema de decisões no modelo ONU, onde cada país tem seu voto, e o ‘multissetorialismo’, que defende a participação de outros interessados, notadamente o setor privado e a sociedade civil em igualdade de condições com os Estados-nação.

Apesar da fumaça, o embate em Dubai foi mais relacionado com a governança da Internet ser assumida pela União Internacional das Telecomunicações. E a resistência a isso tem menos a ver com ‘multilateralismo’ versus ‘multissetorialismo’ do que o temor de a ‘regulação’ da Internet ser assumida por um ente onde prevalece o interesse das grandes operadoras de telecom.

Assim, o ‘meio-termo’ de Chehadé seria uma solução de consenso na qual governos nacionais teriam vez e voz no ambiente multissetorial de governança da Internet. Para alguns, como o professor americano Milton Mueller, intenso estudioso do tema da ‘governança da Internet’, a reunião no Brasil é uma “oportunidade sem precedentes de reforma”. Para outros, não.

“Fadi foi despachado com pressa pelo status-quo ‘multissetorialista’ que se apavorou quando ela [Dilma] usou a palavra ‘multilateral’. Não há ar fresco nenhum, mas a proxy de uma luta para defender os interesses de grupos e governos específicos”, dispara o argentino radicado nos EUA, responsável pela primeira conexão à rede mundial na Argentina, Jorge Amodio.

Ao sustentar que o plano não é substituir o sistema atual, mas uma ‘evolução’, Chehadé parece dar mais razão a Amodio do que a Mueller. Esse pessimismo é, porém, contrabalançado dentro do fórum que discute os preparativos para o encontro em São Paulo e que pode ser sintetizado no entendimento de que, mesmo que tenha nascido com viés de manter o status-quo, não é garantido prever qual será o resultado dos dois dias de debate global.


Empresa americana, dona do Bolsomito 2k18, comunica à Justiça o fim da venda do game

O game tinha o então candidato à presidência, Jair Bolsonaro. O personagem ganhava pontos ao espancar e matar mulheres, negros, parlamentares e integrantes de movimentos sociais e da comunidade LGBT.

Dados Pessoais: Google recebe punição máxima de 50 milhões de euros na França

A Regulação de Proteção Geral de Dados (GDPR), em vigor desde maio do ano passado na União Europeia, vira pesadelo para as companhias de Internet.

Anatel impõe ofertas obrigatórias de conexão em apenas seis PTTs

Pontos de troca de tráfego escolhidos são os de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Curitiba e Brasília. A decisão afeta Oi, Telefônica, Claro, TIM e Algar.

Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G