TELECOM

TIM acusa Nextel e Oi de atuarem de forma irracional no mercado

Ana Paula Lobo ... 31/07/2019 ... Convergência Digital

O presidente da TIM Brasil, Pietro Labriola, acusou a Nextel, adquirida pela Claro, e a Oi de estarem com uma postura muito agressiva e 'irracional' no mercado nacional de telefonia móvel. "A Oi está com uma proposta de R$ 99,90 por 50Giga. É compreensível pela situação, mas fica claro que não será sustentável no longo prazo", atestou. Sobre a Nextel, Labriola afirmou que a empresa - ainda à espera da aprovação final da aquisição pela Claro - está muito agressiva na aquisição de clientes o que prejudica, na visão de Labriola, a boa competição de mercado. As declarações foram feitas durante a teleconferência de resultados do segundo trimestre, realizada nesta quarta-feira, 31/07.

Ao falar sobre a consolidação de mercado no Brasil, afirmou que 'o segundo semestre poderá trazer surpresas muito interessantes', sem adiantar mais detalhes. O presidente da TIM Brasil usou a teleconferência para projetar os próximos seis meses. Comemorou o fato de a companhia ter deixado de ser a campeã do segundo chip para se tornar o único chip de milhões de pessoas, o que comprova o sucesso da estratégia de fomentar a migração do pré-pago para o plano controle, do plano controle para o pós-pago e do pós-pago para planos de valores mais altos.

Para Labriola, há uma expectativa otimista de recuperação da economia, por conta das reformas. "Não veremos resultado no guidance ainda, mas teremos mais espaço para o cliente recompor seus serviços", destacou. A TIM Brasil, pontuou ainda, está fazendo a migração para o pós-pago, que hoje é 40% da base, respondendo por 60% da receita. "O pré-pago vai diminuir, mas ele nunca vai acabar no Brasil. Temos que, agora, fazer novas ofertas para atrair esse tipo de cliente", reportou.

Sobre o recém-fechado acordo de compartilhamento com a Vivo para o 2G e 4G em700 MHz, a TIM adotou cautela. Disse que, neste momento, as empresas estão desenhando o modelo – a ser apresentado nos próximos 90 dias. “Só tenho a dizer que estamos no caminho correto. O compartilhamento é o melhor meio para reduzir investimentos duplicados”, reforçou o presidente da TIM Brasil.

Resultados financeiros

No segundo trimestre de 2019, a TIM Brasil  fechou com lucro líquido de R$ 423 milhões, valor 26% maior que o registrado no mesmo período do ano passado. O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) totalizou R$ 1,6 bilhão, registrando um crescimento anual de 6,2%.

A margem Ebitda passou para 37,9% com aumento de 1,4 ponto percentual da registrada no segundo trimestre de 2018. A receita líquida da TIM chegou, no segundo trimestre deste ano, a R$ 4,2 bilhões, crescimento de 2,4% comparado com o segundo trimestre de 2018. Por mais um trimestre, houve contribuição positiva de todos os segmentos: serviço móvel, serviço fixo e produtos.

A receita líquida de serviços cresceu também 2,4% ao ano no segundo trimestre, mesmo com o contexto macroeconômico ainda desafiador e da competição intensa. A TIM destacou o crescimento de 11,8% da base de cliente pós-pago, que já representa 38,8% do total. Também ressaltou o avanço de 19,7% da base de clientes TIM Live, totalizando 507 mil conexões.

A receita média mensal por cliente (ARPU) também avançou tanto no serviço móvel (5,8%) como no TIM Live (7,8%), atingindo os valores de R$ 23,2 e R$ 78, respectivamente. A companhia ressaltou que os resultados são “normalizados” ao incluir os ajustes para efeitos não-recorrentes, sendo o mais relevante o ganho advindo da decisão judicial referente à exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins, com créditos de R$ 3,4 bilhões.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

PGR:Lei de Santa Catarina que proíbe cobrança de valor adicionado é inconstitucional

“Lei estadual que proíbe a oferta e a cobrança de serviços de valor adicionado pelas prestadoras de serviços de telecomunicações é inconstitucional por usurpação da competência material e legislativa da União”, sustenta o procurador-geral da Repúublica interino, Alcides Martins.

TJ-RJ mantém condenação da Oi em R$ 200 milhões por contrato na área de games

Por não enxergar nulidade no laudo pericial que atestou as perdas e danos sofridas pelo rompimento do contrato de prestação de serviços de jogos eletrônicos, a 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, negou o agravo da operadora.

Força-tarefa da Anatel interrompe 25 emissoras clandestinas em São Paulo

Operação estava interferindo no controle de tráfego aéreo do aeroporto de Guarulhos. Também foram desmantelados 20 pontos onde a energia elétrica que alimentava os equipamentos de transmissão era furtada, com apreensão de cerca de uma tonelada de cabos de energia, em conjunto com a distribuidora local.

Prazo para questionar serviço não contratado de telefonia é dez anos

Superior Tribunal de Justiça entendeu que se aplica o artigo 205 do Código Civil. Seguindo o voto do relator, ministro Og Fernandes, a Corte aplicou ao caso o entendimento que resultou na Súmula 412 para as tarifas de água e esgoto.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G