OPINIÃO

Decisão do STF foi em defesa da Amazônia

Artur Virgílio Neto
27/02/2012 ... Convergência Digital

O Secretário de Planejamento de São Paulo, Andrea Calabi, mistifica grosseiramente ao criticar a Adin impetrada pelo governo do Amazonas junto ao STF, questionando, a meu ver estribado em excelente direito, a guerra fiscal movida contra a Zona Franca de Manaus. São Paulo, concedeu inventivos fiscais às empresas produtoras de tablets, ao arrepio da legalidade.

Diz Calabi que o Amazonas pretende o monopólio da fabricação de tablets, quando, na verdade, meu estado foi é banido da perspectiva de entrar nesse negócio dinâmico, de futuro e lucrativo, a partir de infeliz Medida Provisória editada pela Presidente Dilma Rousseff. Do jeito que está, quem fica com o monopólio é precisamente São Paulo e o Secretário Calabi sabe disso muito bem.

Como o conheço bem e sei que se trata de homem esclarecido e tecnicamente competente, concluo então que teve um ataque de cinismo para defender, contra a Constituição, que a fabricação de tablets se dê longe do Polo Industrial de Manaus, que deveria ser o endereço correto para a empreitada.

Entendo que o dever de Calabi é lutar pelo estado onde vive e que o tem como Secretário de Planejamento. Mas não aceito a desfaçatez e a hipocrisia. Não tolero que tripudie sobre o Amazonas, que vive momento tenso, face ao visível esquema de esvaziamento da Zona Franca de Manaus posto em prática pelo governo federal e adubado pela guerra fiscal que diversos estados vem movendo.

Calabi é inteligente, mas, paradoxalmente, comete a burrice de não pensar globalmente. Esvaziar o Amazonas economicamente significa deixar a maior parte da floresta amazônica sob grave risco de desmatamento. Afinal, o caminho que meus conterrâneos teriam pela frente seria avançar sobre a floresta. Muito dificilmente haveria quem lograsse impedir a exploração dos recursos naturais e da cobertura florestal de maneira predatória.

Quem protege a floresta, meu ilustre Calabi, é precisamente essa Zona Franca que figuras elitizadas e sobre ela desinformadas (como você) desprezam como se não tivesse havido lucidez no Presidente Castelo Branco e no Ministro Roberto Campos ao criá-la.

* Artur Virgílio Neto - Diplomata e ex-senador pelo PSDB/AM.


Carreira
Sobram empregos, mas jovens querem mais para atuar na cibersegurança

Estudo mostra que, até 2022, haverá 1,8 milhão de posições de trabalho em aberto no segmento, um incremento de 20% em relação a 2015.Mas os chamados Millennials não aparecem dispostos a atuar no gerenciamento. Eles querem mais.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G