TELECOM

Teles pressionam pela criação da “taxa Google”

Luís Osvaldo Grossmann* ... 29/02/2012 ... Convergência Digital

“Pessoas do mesmo ofício raramente se encontram, mesmo que em alegria ou diversão, mas se tiver lugar, a conversa acaba em conspiração contra o público, ou em qualquer artifício para fazer subir os preços”, afirmava Adam Smith.

E no setor de Telecom isso não seria diferente. Reunidos em Barcelona para mais uma edição do Mobile World Congress, a principal reunião das operadoras de telecomunicações, os executivos da área voltaram a defender que os grandes provedores de conteúdo na Internet participem do financiamento das redes. É a abertura da temporada anual pela criação do que poderia ser chamado de “taxa Google”.

“Quando alguém assiste YouTube em um celular e termina com uma conta enorme, ele xinga as operadoras de telecom. Mas o YouTube consome uma grande quantidade dos recursos de nossas redes. Alguém tem que pagar por isso”, resumiu o presidente da Airtel, da Índia, Sunil Bharti Mittal.

Quem pagaria? Para Mittal, um recurso seria o pagamento de uma espécie de tarifa de interconexão, semelhante ao que existe nas chamdas entre clientes de diferentes operadoras. “Se vamos construir as rodovias, deve existir uma taxa pelo uso delas”, completou o executivo.

O tema é recorrente por conta da sempre crescente demanda dos consumidores por maiores volumes de dados e velocidades nas conexões. O objetivo assumido é garantir “uma fatia maior daquilo que agora vai para companhias como Apple e Google”.

A premissa é discutível – não seria o uso dos serviços dessas empresas o que levaria consumidores a pagarem por uma assinatura de conexão? – e a conta final deve mesmo sobrar para os clientes. Tanto que outra linha defendida é a cobrança proporcional ao uso das redes.

“Nós mimamos os clientes. Damos as coisas muito facilmente”, disse o presidente da operadora russa VimpelCom, Jo Lunder, ao defender que os usuários de equipamentos móveis paguem mais. O presidente da Telefónica, Santiago Fernandez Valbuena, fez coro ao sustentar que as empresas são muito generosas.

“O desafio é fazer os consumidores entenderem que se querem alta qualidade, altas velocidades, devem pagar mais. Temos que focar em quanto volume está sendo usado, educar [os clientes] para que eles não usem demais. Veremos planos de tarifas relacionados a velocidades e volumes”, afirmou Lunder.

E se o Google é o grande alvo, Eric Schmidt, presidente da empresa, também foi um astro no palco do Mobile World Congress. Na sua apresentação - como keynote - o executivo garantiu que todas as tentativas para controlar a rede com regulações, em alusão aos textos como a lei SOPA, "vão fracassar" porque "a internet e a tecnologia vão encontrar seus caminhos".

Sobre a explosão de dados, Schmidt também foi taxativo. "Se hoje já há um grande consumo, imagina quando os 5 bilhões de pessoas que estão fora da rede entrarem". E numa estocada nas teles, o presidente do Google, apesar de prometer smartphones com custo abaixo de US$ 100, ressaltou que "os celulares inteligentes são parte da solução, mas não resolvem todo problema. Ainda faltam infraestruturas para tornar a conexão mais viável", referindo-se claramente aos chamados países emergentes, entre eles, o Brasil.

*Com informações da Cnet


Teles e fabricantes trocam farpas por bloqueio de celulares

A 20 dias do prazo proposto pela Anatel, guerra de notas sinaliza que o assunto ainda não foi pacificado entre os principais atores. Dados das operadoras dão conta que, mensalmente, 1 milhão de novos celulares irregulares entram no mercado.

Grupo sueco vai comprar Nextel por US$ 200 milhões

Se correr como o planejado, após duas etapas de aportes na operadora, grupo AINMT, que atua na Suécia, Noruega e Dinamarca com a marca Ice, ficará com 60% da empresa brasileira. NII Holdings ficará com os outros 40%.

Correios vendem 14 mil chips e avançam para o Rio de Janeiro

Depois do início das operações em São Paulo, em março, e em Brasília, em abril, estatal lança o Correios Celular na capital carioca. Meta da empresa é vender 500 mil chips até dezembro e se tornar a maior MVNO do país.

Procon-SP notifica teles por desrespeito ao bloqueio de telemarketing

Telefônica, Tim, Claro, Oi, Sky e Nextel estão entre as 35 empresas que terão que prestar esclarecimentos sobre o descumprimento da lei estadual 13.226/08, que criou um ‘não perturbe’ para call centers.

Oi não poderá usar sobras de P&D em compromissos na compra da BrT

Maioria dos conselheiros da Anatel entendeu que não há como a empresa carregar para anos seguintes os valores superiores aos aportes prometidos.

Parecer do TCU não afeta os TACs em andamento na Anatel

Para o presidente da agência, Juarez Quadros, o Tribunal de Contas da União se manifestou especificamente sobre os termos de ajustamento de conduta com a Oi e a Telefônica. Quadros amenizou a situação. "As áreas técnicas seguem trabalhando".


Veja a revista do 60º Painel Telebrasil 2016
Revista do 60º Painel Telebrasil 2016
O Brasil enfrenta uma de suas mais graves crises, e as telecomunicações em banda larga são essenciais para a retomada do desenvolvimento sustentável, com inclusão social, na moderna sociedade da informação e do conhecimento. Este foi o mote dos debates durante o 60º Painel Telebrasil, realizado nos dias 22 e 23 de novembro, em Brasília.

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G