INTERNET

PriceWaterhouse Coopers fará medição "oficial" da qualidade da Internet

Luís Osvaldo Grossmann e Luiz Queiroz ... 28/02/2012 ... Convergência Digital

A Anatel anunciou nesta terça-feira, 28/02, que a consultoria PriceWaterhouse Coopers, com suporte técnico da britânica SamKnows, será a responsável pela medição “oficial” da qualidade da banda larga no Brasil, com base nos critérios definidos pela agência – e que entram em vigor a partir de 1º de novembro. O valor do contrato, no entanto, não foi revelado.

A empresa será contratada pelas teles para atuar como Entidade Aferidora de Qualidade. No ano passado, vale lembrar, a PWC também foi contratada pelas operadoras para apresentar um estudo sobre os parâmetros então propostos pela Anatel: e concluiu que tais critérios não tinham paralelo no planeta.

Por sinal, naquele mesmo evento, promovido pelo sindicato das operadoras, a SamKnows apresentou suas experiências em medições de qualidade das conexões na Inglaterra e nos Estados Unidos. Os executivos da empresa vieram para oferecer seus sistema como alternativa. Claramente tiveram sucesso.

Para chegar à empresa foi formado um grupo com representantes da Anatel e das teles. Foram apresentadas quatro propostas de medição: da ABR Telecom (que atualmente cuida da portabilidade numérica), ISPM, a própria PWC e o NIC.br, por sinal quem originalmente estabeleceu critérios de qualidade.

Segundo o superintendente de Serviços Privados da Anatel, Bruno Ramos, venceu a proposta que melhor atendeu critérios de transparência, isonomia, neutralidade e controle interno e externo. Agora, a entidade tem até outubro para desenvolver o sistema de medição que será utilizado.

Enquanto isso, os provedores de acesso vão disponibilizar em seus sites um software de medição de velocidade, latência, perda de pacotes, etc. O escolhido foi o Speedtest, um velho conhecido dos internautas – e, na prática, qualquer um já pode testar o desempenho da conexão (www.speedtest.net).

Como se trata de uma escolha das empresas, a Anatel não soube explicar por que trocar o SIMET, desenvolvido pelo NIC.br, que já vinha sendo utilizado pela própria. Além disso, também descartou a necessidade de acesso ao código-fonte do programa escolhido. “É um software de mercado, de prateleira, não tratamos disso [código-fonte]”, explicou o superintendente Bruno Ramos.

Além disso, ficou a dúvida sobre como se dará efetivamente a medição da qualidade. Para fazer os testes nos EUA e Inglaterra, a SamKnows utilizou equipamentos que foram instalados nas casas dos voluntários – e desqualificou as medições por software.

Acontece que naqueles países, os órgãos reguladores, FCC e Ofcom, financiaram a operação. Por aqui, vale ressaltar que o regulamento de qualidade também prevê que não haverá custos para os usuários. Mas o modelo de negócio a ser implantado vai depender da adequação daquele sistema à realidade brasileira. A CDTV, do Convergência Digital, acompanhou a coletiva da Anatel sobre o tema. Veja o posicionamento do superintendente, Bruno Ramos.


"Nem todos os robôs utilizados na Internet são ruins", adverte o TSE

Segunda reunião do Tribunal Superior Eleitoral para tratar das chamadas fake news discutiu, entre outros temas, modelagem API ea criação de um ambiente virtual para receber denúncias e sugestões.

CGI.br: Multissetorialismo se mantém como base para a Governança da Internet

O CGI.br entregou as suas recomendações ao MCTIC para o aperfeiçoamento da estrutura da governança da Internet. Iniciativa reúne consensos entre os setores acadêmico, empresarial e terceiro setor. Há sugestões de mudança na estrutura do próprio Comitê Gestor.

FCC derruba neutralidade de rede e EUA se preparam para guerra judicial

Sem surpresas, a decisão se deu em bases partidárias: a maioria Republicana matou as regras que impediam operadoras de discriminarem tráfego na internet. Mas a decisão vai ser questionada nos tribunais. 

Assespro vai ao STF obrigar juízes a usarem MLAT nos dados fora do Brasil

Com filiados como Facebook, Microsoft e Uber, entidade quer a prevalência do acordo de cooperação judiciária com os EUA para acesso a informações de usuários, mesmo brasileiros, que estejam em datacenters no exterior.  

Brasil tem 91% dos sistemas autônomos com alocação IPv6

NIC.br prevê o esgotamento dos endereços IPv4 para fevereiro de 2019. Números do Brasil estão bem acima da média mundial que é de 55%, revela Ricardo Patara, que participa da 7ª semana da Infraestrutura da Internet.

Revista Abranet 23 . dez 2017 - jan/fev 2018
Veja a Revista Abranet nº 23 Qual é a fórmula do sucesso? Boas práticas aplicadas por corporações bem-sucedidas sugerem um caminho a seguir. Entrevista com Tadao Takahashi. Discussão sobre a lei de proteção de dados avança. E mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G