TELECOM

Brasil descobre o poder da mobilidade

Fábio Barros ... 02/03/2012 ... Convergência Digital

Um dos pontos mais interessantes destacados pela Pesquisa 2012 sobre a Situação da Mobilidade, divulgada nesta quinta-feira, 01/02, pela Symantec, foi a diferença entre a média de adoção de mobilidade no Brasil e a média global. Kahren Ivanechtchuk, gerente comercial da Symantec Brasil, diz que, na mesma medida, o percentual de preocupação com os riscos envolvidos também é maior no País.

“A proposta da mobilidade é a simplicidade no uso e a rapidez no acesso, isso significa o uso de cloud computing, que vem estimulando muito o crescimento da mobilidade”, diz a executiva lembrando que, no Brasil, foram ouvidas 150 empresas para o estudo.

Por exemplo, o estudo aponta que 67% das empresas nacionais já disponibilizavam aplicativos de negócios em dispositivos móveis. Agora, 75% das empresas revelaram que pretendem implantar uma loja virtual corporativa para aplicativos móveis. E isso ocorre por conta dos resultados apresentados pelo uso da mobilidade: 69% das empresas esperam ter ganhos de eficiência no uso e 74% delas disseram já ter percebido isso.

Comparativamente falando, a América do Norte está um pouco atrás na curva de adoção de mobilidade nos negócios e a América Latina está à frente em áreas como aplicativos de negócios (67% contra 53% dos norte-americanos) e planejamento de app stores (70% contra 52%).

Hoje, no Brasil, os aplicativos móveis mais utilizados são os de CRM (57%), gerenciamento de tarefas e projetos (65%), aplicativos de negócios (67%), mídias sociais (68%), aplicativos de escritório (73%), aplicativos de calendário (77%), mensagens instantâneas (79%), navegadores web (81%), contatos (82%) e e-mail (88%).

Ao mesmo tempo em amplia o uso de aparelhos e aplicativos móveis, as empresas brasileiras aumentam sua preocupação em relação ao tema. Por exemplo, 28% das empresas locais vê a mobilidade como algo desafiador, com prioridades para redução do custo e complexidade do gerenciamento, segurança e fornecimento de backup adequado.

Não por acaso, 39% dos entrevistados citaram a mobilidade como uma das três principais áreas de risco para TI. As preocupações variam do extravio de dispositivos e vazamento de dados até o acesso não autorizado aos recursos corporativos e infecção por malware.

Essa preocupação se traduz em prejuízos sofridos diversos, medidos por despesas financeiras diretas, perda de produtividade e perda de dados. Nos últimos 12 meses, o custo médio destes prejuízos, no mundo, foi de US$ 247 mil. “No Brasil, até por conta da maior taxa de adoção, este valor sobre para US$ 296 mil, contra US$ 199 mil na Ásia e US$ 385 mil na América Latina”, explica Kahren.


Segue a sangria nas linhas de telefonia fixa no Brasil

Em novembro, foram contabilizadas 135.964 mil linhas a menos e o país fechou o décimo primeiro mês de 2017, com quase 41 milhões de linhas ativas. Oi, Claro, TIM e pequenos prestadores de STFC puxaram a queda de linhas em serviço.

Plano da Oi prevê investimentos abaixo do necessário, diz Anatel

Para agência, os R$ 4 bilhões previstos de dinheiro novo na operadora não são suficientes para que a Oi alcance o nível anual de aportes dos concorrentes. “Se não acompanhar, vai continuar perdendo mercado”, diz Juarez Quadros. 

Claro repete que há muitas operadoras no Brasil e resiste à entrada dos chineses na Oi

"O mercado já está instável com quatro operadoras. Os chineses têm uma mistura com o governo. Com quem iríamos brigar?", criticou o presidente José Félix. Não é a primeira vez que a Claro diz que o mercado nacional comporta apenas três players.

Eletrosul testa suporte por satélite com Telebras e Hughes

Com 11 mil km de linhas de transmissão, a empresa é responsável por aproximadamente 10% do sistema de transmissão do País. Piloto terá duração de 60 dias.

Rede fixa três vezes maior do que a das rivais será o futuro da Oi

O diretor de Tecnologia de Redes e Sistema da Oi, Pedro Falcão, sustentou que o backbone óptico e as redes metropolitanas são a 'joia da coroa' e despertam a ambição dos concorrentes. "A Internet de Tudo exigirá muita rede fixa", frisou.

Oi unifica mainframes para acelerar serviços digitais

Tele também montou o Centro de Gerência de Serviços, em Brasília, com a missão de unificar as ações em áreas como recarga de pré-pago e faturamento.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G