GOVERNO

Anatel abre sindicância sobre o sistema de distribuição de processos

Luiz Queiroz e Luis Osvaldo Grossmann ... 08/03/2012 ... Convergência Digital

A Anatel abriu uma sindicância para investigar o sistema de distribuição de processos aos conselheiros. Em especial, tem na mira um mecanismo que permite o bloqueio de integrantes do colegiado no momento do sorteio, deixando um ou mais deles de fora de determinado caso.

“Se tiver alguma denúncia de que um processo foi bloqueado indevidamente, tem que fazer sindicância e apurar. Estou fazendo sindicância em um”, explicou o presidente da Anatel, João Rezende.

O caso em questão busca avaliar por que determinado conselheiro foi “bloqueado” para receber o processo relativo a uma licitação preparada pela agência sobre satélites. Mas é possível que não se trate de um episódio isolado.

Clique na imagem para vê-la maior
[Clique na imagem para ampliá-la]
Ao menos é o que sugere uma troca de e-mails (clique na imagem ao lado para ampliar) entre funcionários da área de informática da Anatel, ocorrida no fim do ano passado, que expõe a rotina existente no Sistema de Deliberação do Conselho Diretor.

“O SCDC possui uma antiga funcionalidade de bloqueio de conselheiro, que é utilizada quando eles não querem que determinado processo vá para um dos conselheiros”, diz um dos e-mails, datado de 30 de novembro de 2011.

A explicação, dada por uma funcionária terceirizada da área de informática à então Gerente de Estruturação da Informação, busca explicar o constrangimento percebido no primeiro sorteio público dos processos, dois dias antes.

Naquele 28 de novembro, o presidente da Anatel, João Rezende, esperava realizar a primeira sessão pública da sua gestão, para mostrar a distribuição de processos e a designação de relatores. Não deu certo, como relatou a funcionária.

“No último sorteio realizado antes do sorteio público, o usuário bloqueou o gabinete ER para que um processo não fosse sorteado para esse gabinete e esqueceu de desbloqueá-lo. Com isso, no dia do sorteio público, o gabinete ER ficou fora do sorteio. ”

Com a identificação de que a conselheira Emília Ribeiro (ER, no e-mail) ficou “fora”, a distribuição pública precisou ser novamente realizada no dia seguinte, 29/11.

Para ajudar nesse e em futuros casos, a área de informática explica que criou uma rotina no sistema para que, diariamente, seja feita uma “limpeza” que apague qualquer traço de bloqueios.

“Não acredito em má-fé. É um problema do sistema. Não se pode extrapolar isso para um problema sistêmico da Anatel. Agora, vamos aperfeiçoar o sistema para cobrir o máximo de situações possíveis”, afirma João Rezende.

Ele explica que a ferramenta de bloqueio é necessária dentro da metodologia da agência. Por exemplo, o conselheiro que relata um processo administrativo fica impedido de cuidar do pedido de reconsideração do mesmo caso.

“Sempre vai haver algumas condições onde você vai ter que bloquear. Esse caso da conselheira Emília foi o Regimento Interno, que ela teve que sair porque ela é a proponente”, explica Rezende. A falha, no caso, é que ela não foi “desbloqueada” para o sorteio seguinte.

Como nem todos os casos de impedimento estão previstos no Regimento Interno, uma das intenções é ampliar as possibilidades no novo regulamento, em discussão. “Vamos trabalhar na melhoria do sistema e temos que fazer algumas alterações no regimento”, diz o presidente da agência.

Com um levantamento que indica uma distribuição homogênea pela quantidade de processos distribuídos a cada conselheiro, Rezende descarta manipulações. “Tenho certeza que não há manipulação no sorteio. Confio plenamente. Seria um escândalo fenomenal”, completa.

Pelo sim, pelo não, o relator da proposta de reestruturação da Anatel, Marcelo Bechara, defende o fortalecimento do setor de informática no novo organograma da Anatel. “Até por isso acho que devemos ter uma superintendência de TI”, adianta.


Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.


Presidente do Serpro diz que sinergia com Dataprev dá ganho de valor ao Estado

Para Glória Guimarães, as duas empresas são convergentes, fazem serviços diferentes para entes distintos e, principalmente, não há competição entre elas. A executiva revela ainda que Serpro e Dataprev já alinham modelos de negócios.

TCU: faltam estratégia e coordenação na compra pública de TI

O secretário de fiscalização de tecnologia da informação do Tribunal de Contas da União, Márcio Braz, sustenta que a fragmentação das aquisições é um erro e é hora de o Estado trabalhar com ganhos de escala.


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

Para Abinee, revisão da Lei de Telecom vai gerar mais emprego

Em documento oficial, a entidade, que representa o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação, sustenta que a alteração do marco regulatório é importante para incentivar investimentos nas redes de banda larga.

Empresas de TI e Telecom rejeitam reforma do PIS/Cofins

Estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação estima que, caso aprovada, a reforma implicaria na eliminação de cerca de dois milhões de postos de trabalho. TI prevê o desaparecimento de um em cada cinco postos de trabalho. Em telecom, um prejuízo de R$ 2 bilhões/ano.

MCTIC tem 60 dias para apresentar mudanças à Lei do Bem

Dados de dezembro, mostram que menos de 1% das empresas tributadas no país que poderiam se beneficiar com a legislação, que concede incentivos fiscais para quem quer investir em pesquisa e desenvolvimento.

Congresso tem frente parlamentar contra a pirataria

Frente Parlamentar Mista em Defesa da Propriedade Intelectual e do Combate à Pirataria sustenta que o país perde R$ 120 bilhões anualmente por conta da pirataria.


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

Fim da gestão do Governo dos EUA abre nova era para a Internet

Desde 1º de outubro, as funções técnicas da internet – nomes, números e protocolos – não envolvem mais um contrato da ICANN com o governo americano. “O Brasil influenciou nessa transição”, diz o secretário-executivo do CGI.br, Hartmut Glaser. 


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G