Convergência Digital - Home

Com Brasil em destaque, nuvem deve gerar 14 milhões de novos empregos

Convergência Digital
Convergência Digital - 06/03/2012

A adoção do serviço de computação na nuvem vai gerar, até 2014, cerca de 14 milhões de novos empregos. Boa parte dessas oportunidades estará em mercados emergentes como Brasil, Índia, China e Rússia, onde os projetos estarão menos restritos à infraestrutura de sistema legados.

A constatação é do estudo “Cloud Computing's Role in Job Creation”, realizado pela IDC, a pedido da Microsoft, divulgado nesta terça-feira, 06/03. O levantamento apura ainda que mais de 50% desses empregos serão gerados por pequenas e médias empresas, que responderão por 7,5 milhões de vagas. Já as grandes empresas, vão abrir 6,3 milhões de postos de trabalho para especialistas em cloud computing.

Nas verticais, o levantamento da IDC, contratado pela Microsoft, apura que o setor de mídia e comunicações será o que mais vai contratar profissionais para cloud, respondendo por 2,4 milhões das vagas. Em segundo lugar, ficará o setor financeiro, que deverá demandar 1,4 milhão de profissionais.

Na terceira posição aparece a indústria de manufatura, que buscará 1,3 milhão de profissionais. Além de profissionais de TI com conhecimento em infraestrutura e aplicações, o novo modelo demandará talentos para as áreas de negócios, como vendas e marketing.

De acordo com a IDC, Índia e a China sozinhas vão responder por quase metade do contingente de novos profissionais que serão contratados para funções ligadas ao mundo de cloud computing. Juntos esses dois países vão criar 6,8 milhões de empregos nessa área. Segundo a consultoria, mundialmente, 75% dos gastos com TI são com manutenção de sistemas legados e atualizações de rotina.

Os Estados Unidos e o Canadá deverão criar 1,2 milhões de novos postos de trabalho relacionados com a nuvem. Muitos desses empregos serão profissionais com conhecimento em tecnologia que serão contratados para gerenciar o serviço do dia a dia da infraestrutura de TI. Esses talentos ficarão concentrados em aplicações "missão crítica" das companhias.

De acordo ainda com a IDC, os investimentos em nuvem ainda compõem apenas uma pequena percentagem do total dos gastos em TI. Tanto que a consultoria estima que, em 2011, de 1,7 trilhão de dólares gastos em serviços de TI, apenas 28 bilhões de dólares foram negócios com cloud.<_P>

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis

Destaques
Destaques

Open Stack conquista o coração e o bolso das corporações

A possibilidade de personalizar o código-fonte para desenvolver aplicativos é o motivo mais forte apontado para a adesão ao open source pelas empresas latino-americanas.

Pública ou privada, a nuvem é incorporada à TI dos bancos

"Se algum banco não aceita é problema dele", diz José Antônio Eirado Neto, da Caixa. "Interoperabilidade ainda nos desafia", pontua Marino Aguiar, do Santander. Já Maurício Minas, do Bradesco, defende a nuvem pública, mas assume: "não faz sentido se desfazer do que foi construído no mainframe".



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O uso inteligente do Big Data a favor da indústria

Por Marlos Bosso*

Os impactos da revolução 4.0 são inevitáveis. Identrificar o que está por vir é o desafio dos executivos.

Produzimos mais dados do que a capacidade de armazená-los

Por Thiago Franco*

Será que a demanda digital romperá com os limites físicos dos datacenters em curto prazo? Nos últimos anos, muitos especialistas têm tentado responder a esta pergunta.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site