Convergência Digital - Home

Nuvem pessoal é a próxima parada

Convergência Digital
Convergência Digital - 07/03/2012

Nuvem pessoal é a próxima fronteira dos negócios para computação na nuvem. tanto que, em 2013, 90% dos dispositivos conectados deverão ter essas soluções integradas, projeta o Gartner.

Segundo a consultoria, o momento é o de atender ao desejo do assinante que quer guardar, sincronizar, transmitir e compartilhar" indepedente da plataforma ou terminal utilizado.

Essa tendência, sustenta ainda o Gartner, impõe aos fornecedores de dispositivos e provedores de serviços na nuvem uma mudança na estratégia de atuação.

Isso porque os clientes começam a usar como parte do ecossistema digital serviços como o Google Apps, Sky Drive, da Microsoft, ou o iCloud, da Apple. A proposta é: 'ter acesso ao conteúdo em qualquer lugar e hora e em múltiplos dispositivos".

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Embratel une Open Stack à rede definida por software em serviços na nuvem

Nuvem pública especializada e feita sob demanda para os clientes empresariais é a estratégia da  operadora para avançar no segmento de cloud. "Não vamos concorrer com a nuvem pública, mas o nosso serviço é desenhado para atender ao negócio", diz o diretor-exeutivo da Embratel, Mario Rachid.

Apenas 16% das PMEs brasileiras usam capacidade de processamento em nuvem

O dado faz parte da pesquisa TIC Empresas 2017, que pela primeira vez, avaliou a adoção de serviços cloud pelas pequenas e médias empresas no País. O e-mail na nuvem é o serviço mais usado, com 27%.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site