Convergência Digital - Home

Cloud computing deve gerar mais de 85 mil empregos no Brasil em 2012

Convergência Digital
Convergência Digital - 08/03/2012
A computação em nuvem deve gerar mais de 85 mil novos empregos no Brasil em 2012 Os números são parte dos resultados de uma pesquisa encomendada pela Microsoft à empresa de análises de mercado IDC. A expectativa é a que o mercado cloud gere empregos de maneira crescente ano a ano: 85.176 neste ano, 142.081 (em 2013), 242.101 (2014) e 414,178 (2015), índices superiores aos da Rússia e do Reino Unido.

Segundo o levantamento, mundialmente, cloud computing deve estimular a criação de 14 milhões de novas vagas no mercado de trabalho até 2015.

No mesmo período, estima a IDC, as receitas de inovação em cloud computing podem chegar a US$ 1,1 trilhão. Isso, combinado com a eficiência da nuvem, poderá direcionar um reinvestimento organizacional significativo, além do crescimento das ofertas de emprego.

O maior percentual de novos postos de trabalho, de acordo com o estudo, não ocorrerá no Brasil, mas em outros mercados emergentes, tais como China e na Índia, que juntos devem produzir cerca de 6,8 milhões de postos de trabalho na área de computação na nuvem entre 2011 e 2015. Isto pode ser parcialmente atribuído ao tamanho de suas forças de trabalho, e em parte ao fato de que muitas empresas chinesas e indianas não estão vinculadas a grandes investimentos em sistemas legados.

Aproximadamente 1,2 milhão de novos empregos nesta área serão criados nos EUA e no Canadá. Um dos primeiros a adotar a computação em nuvem, os EUA, respondiam, em 2011, por 62% dos gastos mundiais em serviços de nuvem pública em TI.

O estudo revela ainda que o número de empregos gerados pela Computação em Nuvem será de certo modo proporcional ao tamanho de cada indústria. Em alguns setores, como serviços profissionais e varejo, a alta porcentagem de empresas de pequeno e médio portes irá liderar a adoção. Outras áreas, como Serviços Financeiros e Segurança, irão desacelerar a migração para a nuvem pública, mas podem aumentar a adoção de serviços de TI em nuvem privada. Em geral, espera-se que três indústrias gerem o maior número de empregos relacionados à nuvem: Telecomunicações e Mídia (2,4 milhões), Bancário (1,4 milhão), e Manufatura (1,3 milhão).

Segundo Roberto Prado, diretor de Competitividade Nacional da Microsoft Brasil, uma das tendências é que as empresas estão usando software de colaboração baseado na nuvem (como o Office 365) e não apenas para seus colaboradores internos, mas para compartilhar informações com parceiros e fornecedores (cadeia de valor).

“Nossos clientes têm usado a nuvem como uma oportunidade para reexaminar seus modelos de negócio, melhorar a experiência de seus usuários e parceiros de negócios, além de economizar”, diz o executivo. “Além disso, a nuvem tem ajudado as empresas a serem mais inovadoras, liberando os gerentes de TI para trabalhar em projetos de missão crítica”, afirma Prado.

Para o executivo, a Computação na Nuvem representa uma verdadeira transformação tecnológica que irá reduzir custos, estimular a inovação, e ainda gerará novos postos de trabalho em todo o mundo.

“Uma percepção equivocada comum é a de que cloud computing é um eliminador de empregos, quando na realidade é um dos maiores geradores de empregos. E esse crescimento ocorrerá em todos os continentes e em organizações de todos os portes. Isto porque os mercados emergentes, as pequenas cidades e empresas têm o mesmo acesso aos benefícios da nuvem que as grandes empresas e nações desenvolvidas”, afirma John F. Gantz, chefe de pesquisas e vice-presidente sênior do IDC.

A pesquisa também mostra que os governos podem influenciar o número de empregos criados pela Computação em Nuvem em cada país. A íntegra do estudo está disponível no site: http://www.microsoft.com/presspass/download/features/2012/IDC_Cloud_jobs_White_Paper.pdf

Destaques
Destaques

Nuvem pública é usada no Brasil para back-up de dados e fluxos locais

A terceira edição da pesquisa Global Data Protection Index, encomendada pela Dell Technologies, mostra ainda que mais de 70% das empresas de médio e grande porte registraram incidentes com dados no Brasil, com um prejuízo médio de R$ 1,5 milhão.

Edge computing vai avançar 226% nos próximos cinco anos

Levantamento global da Vertiv mostra que o edge comuputing ganha papel estratégico no ecossistema de data centers pelo incremento do processamento de dados perto do ponto de uso.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site