SEGURANÇA

Olimpíadas 2012: Redes sociais obrigam revisão de plano estratégico

Da redação ... 16/03/2012 ... Convergência Digital

Depois do importante papel que desempenharam em eventos recentes como a chamada Primavera Árabe, o movimento "Ocupe Wall Street" e os distúrbios em Londres em 2011, as redes sociais passaram a ser vistas como uma nova fonte de preocupação para a segurança das Olimpíadas de 2012.

A necessidade de o planejamento do evento levar em conta a velocidade da disseminação e troca de informações na internet foi ressaltada por diversos especialistas na 2ª Conferência Internacional em Segurança no Esporte, encerrada nessa quinta-feira , 15/03, em Doha, no Catar.

Depois das Olimpíadas de Pequim, onde a polêmica foi gerada não pelo excesso, mas sim pela falta de liberdade na internet, os Jogos de Londres são os primeiros a conviver com a nova força das redes sociais e das tecnologias digitais, diz o consultor de segurança do Comitê Olímpico Internacional (COI), Peter Ryan.

"De lá para cá, vimos um desenvolvimento enorme em tecnologias digitais e mídias sociais, e as forças de segurança precisam dominar essas novidades, saber administrá-las, usá-las e monitorá-las", diz Ryan. Brian Burridge, vice-presidente de Marketing Estratégico do grupo Finmeccanica, que desenvolve produtos de defesa e segurança, lembra que a indústria de segurança vem avançando "enormemente" no monitoramento de conteúdo pela internet nos últimos dois anos.

"Hoje, há sistemas que permitem obter uma amostra de tudo, e-mails, Facebook, Twitter, o que seja", acrescentou. "Estar a par ou de preferência à frente do lugar de onde o problema está vindo é um aspecto vital para a segurança". Presidente da Interpol, Khoo Boon Hui aponta as redes sociais como aliadas no combate ao crime. Como exemplo, ele cita o quebra-quebra ocorrido em Vancouver, no Canadá, após a derrota dos Canucks em uma final de hóquei sobre o gelo.

"A polícia estabeleceu um site interativo para identificar as pessoas envolvidas nos motins e recebeu milhares de informações. A colaboração com o público teve papel enorme na investigação. Uma lição que aprendemos recentemente foi o uso das redes sociais."

Fonte: Agência Brasil


Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

Guerra cibernética passa a ter mesmo status de armas atômicas nos EUA

Comando Cibernético foi elevado em decisão anunciada por Donald Trump e com o propósito de "enfatizar o desenvolvimento de armas cibernéticas para impedir ataques, punir intrusos e enfrentar adversários".

STF autoriza extradição de hacker que teria fraudado US$ 4,85 milhões nos EUA

Tribunal deferiu pedido do governo dos Estados Unidos para extraditar Michael Knighten, que seria integrante de um grupo de criminosos cibernéticos autodenominado Techie Group.

GhostCtrl: o malware que transforma o celular em espião

Segunda versão do GhostCtrl pode bloquear a tela do dispositivo, redefinir sua senha e também rotear o aparelho infectado.

Em dois anos, ransomware levou R$ 80 milhões

Estudo apresentado nesta terça,25/7, em duas universidades dos Estados Unidos, além da Google, investigou 34 famílias de vírus desde o início de 2016. 



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G