Convergência Digital - Home

Simplificar é palavra de ordem para teles em cloud

Convergência Digital
Da redação - 22/03/2012

A Pyramid Research divulgou esta semana, na Europa, o estudo “Como as Telcos Europeias Atendem as Necessidades das Empresas por Computação em Nuvem”. O estudo examina as tendências que estão pressionando as operadoras em direção ao cloud computing. Uma delas: entre junho do ano passado e junho de 2012, os serviços em nuvem serão adotados por 2.500 pequenas e médias empresas europeias.

Por conta disso, a pesquisa identifica os principais direcionadores por trás da adoção de cloud computing pelas empresas e discute como elas os traduzem em requisitos específicos. Finalmente, o estudo analisa os diversos tipos de modelos de serviços que vem sendo desenvolvidos pelos provedores de nuvem, incluindo o estudo de caso de três operadoras que oferecem serviços em nuvem B2B: Orange France, KPN e Telefonica.

O mais emblemático deles é o da Orange, que desenvolveu um set abrangente de serviços em nuvem, com apelo para vários segmentos de negócios. Para atingir este objetivo, a Orange fechou parcerias com empresas como Cisco, VMware e EMC, passando a oferecer soluções de infraestrutura como serviço (IaaS), incluindo serviços de nuvem privada e de backup; e de software como serviço (SaaS), incluindo segurança e serviços de comunicações unificadas.

Em junho do ano passado, a Orange lançou o Cloud Pro, uma suíte de aplicativos online para pequenas e médias empresas. Desenhado para pequenos negócios de até 50 funcionários, o serviços oferece acesso à la carte a uma série de softwares de negócios para colaboração, administração, marketing, comunicação e CRM.

“Além de oferecer aplicativos e capacidade computacional aos seus clientes, a Orange conta com um serviço de atendimento aos clientes ampliado, que os educa sobre os benefícios da computação em nuvem. Nós acreditamos que é crítico para as operadoras educar seus clientes, tornando-se conselheiras e principal ponto de contato das pequenas empresas para todas as suas necessidades de TI e comunicação”, defende Ewa Romaniuk-Calkowska, analista da Pyramid.

O estudo conclui que a computação em nuvem dá às operadoras de telecom a oportunidade de ampliar suas ofertas de serviços para o mercado corporativo. Mais que isso, podem ajudar as empresas a aumentar a retenção de clientes, o retorno sobre o investimento e criar novas fontes de receita.

Com a demanda das empresas por um ponto único de contato para todas as suas necessidades de TIC, e a expectativa de que a integração seja simplificada, a Pyramid Research afirma que uma estratégia de cloud computing coerente está se tornando pré-requisito para que as operadoras consigam crescer no segmento corporativo.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Big data: Brasil deve elevar investimento em 25% este ano

Estimativa do Gartner foi apresentada por Bruno Russo, integrante da unidade de negócios da Localweb Corp, durante webinar promovido pela Assespro-SP. “O movimento que as empresas estão fazendo hoje é investir em cada vez menos em infraestrutura e cada vez mais em dados", destacou.

Empresário brasileiro é mais confiante em seus recursos de análises de dados

Segundo a consultoria KPMG, apenas 15% dos empresários brasileiros não confiam nos recursos de análises de dados utilizados, se comparados com os Estados Unidos e o Reino Unido, que apresentam baixa probabilidade de confiar nos recursos (42% e 43%, respectivamente).



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site