SEGURANÇA

TSE altera sistema da urna, mas nega quebra do sigilo do voto

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/03/2012 ... Convergência Digital

O Tribunal Superior Eleitoral minimizou o sucesso da equipe que conseguiu identificar os votos depositados na urna eletrônica durante os testes desta semana. Segundo o TSE, apesar do sucesso de professores e alunos da UnB, não é possível associar os votos aos respectivos eleitores.

“É uma contribuição importante, mas não há quebra do sigilo. O que se fez foi simplesmente ordenar os votos, o que não permite uma relação direta com os eleitores, a não ser que se ficasse o dia inteiro cuidando a fila de votação”, afirma o secretario de TI do TSE, Giuseppe Janino.

Ainda assim, o Tribunal está – hoje mesmo – incorporando o resultado do teste à urna. “O resultado vai nos permitir fazer a correção, ou a melhoria, do algoritmo e já estamos fazendo, hoje mesmo, a alteração no sistema”, emenda Janino, ao enfatizar que a correção estará incorporada antes das eleições deste ano.

No teste, a equipe liderada pelo professor Diego Freitas Aranha, da Faculdade de Ciências da Computação da UnB, quebrou o sistema de embaralhamento do Registro Digital do Voto (RDV), identificando quem recebeu os votos de uma eleição simulada.

O secretário de TI explica que o RDV foi criado para permitir que os partidos possam fazer a recontagem dos votos das urnas. Assim, à medida que cada voto é depositado, é gravado em uma planilha Excel. Mas essa lista é construída aleatoriamente justamente para evitar a identificação dos eleitores.

“Eles observaram o código-fonte e conseguiram decifrar o que estava cifrado e reordenar os votos. É uma colaboração muito importante e, com quebra ou não, saímos vencedores. O teste é uma iniciativa inédita no mundo, nenhum país faz isso”, diz o secretario de TI do TSE.

De acordo com o Tribunal, o feito da UnB não permite a identificação dos eleitores, pois não seria possível combinar a ordem dos votados com a relação dos votantes – uma vez que a listagem é alfabética e não na sequência dos votos digitados. “Essa lista já chega impressa às seções eleitorais”, completa Janino.


Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

Mais de 100 mil brasileiros acessaram novo golpe via WhatsApp

Em 48 horas, uma campanha falsa prometendo um vale-presente de R$ 500,00 nas Lojas Pernambucanas é a nova frente dos cibercriminosos para roubar dados pessoais.

Exigir resgate de dados em bitcoins configura extorsão

No Brasil, as bitcoins não são consideradas moedas virtuais pelo Banco Central e pena pelo crime- considerado de extorsão - varia entre quatro a 10 ans de prisão. Brasil não é signatário da Convenção de Budapeste e precisa de acordos individuais para combater os cibercriminosos.

Internet e mobilidade viram pesadelo no combate à fraude nos bancos

Pesquisa mostra que 60% das instituições financeiras no mundo assumem que apesar dos investimentos, haverá um aumento do prejuízo causado pelas fraudes nos próximos três anos.

WSJ: Turistas também terão que fornecer senhas, contatos e redes sociais aos EUA

Segundo o Wall Street Journal, política de "verificação extrema" deve ser mesmo estendida para quem vai aos Estados Unidos a passeio e até com origem em países considerados "aliados" como França e Alemanha.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G