SEGURANÇA

TSE altera sistema da urna, mas nega quebra do sigilo do voto

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/03/2012 ... Convergência Digital

O Tribunal Superior Eleitoral minimizou o sucesso da equipe que conseguiu identificar os votos depositados na urna eletrônica durante os testes desta semana. Segundo o TSE, apesar do sucesso de professores e alunos da UnB, não é possível associar os votos aos respectivos eleitores.

“É uma contribuição importante, mas não há quebra do sigilo. O que se fez foi simplesmente ordenar os votos, o que não permite uma relação direta com os eleitores, a não ser que se ficasse o dia inteiro cuidando a fila de votação”, afirma o secretario de TI do TSE, Giuseppe Janino.

Ainda assim, o Tribunal está – hoje mesmo – incorporando o resultado do teste à urna. “O resultado vai nos permitir fazer a correção, ou a melhoria, do algoritmo e já estamos fazendo, hoje mesmo, a alteração no sistema”, emenda Janino, ao enfatizar que a correção estará incorporada antes das eleições deste ano.

No teste, a equipe liderada pelo professor Diego Freitas Aranha, da Faculdade de Ciências da Computação da UnB, quebrou o sistema de embaralhamento do Registro Digital do Voto (RDV), identificando quem recebeu os votos de uma eleição simulada.

O secretário de TI explica que o RDV foi criado para permitir que os partidos possam fazer a recontagem dos votos das urnas. Assim, à medida que cada voto é depositado, é gravado em uma planilha Excel. Mas essa lista é construída aleatoriamente justamente para evitar a identificação dos eleitores.

“Eles observaram o código-fonte e conseguiram decifrar o que estava cifrado e reordenar os votos. É uma colaboração muito importante e, com quebra ou não, saímos vencedores. O teste é uma iniciativa inédita no mundo, nenhum país faz isso”, diz o secretario de TI do TSE.

De acordo com o Tribunal, o feito da UnB não permite a identificação dos eleitores, pois não seria possível combinar a ordem dos votados com a relação dos votantes – uma vez que a listagem é alfabética e não na sequência dos votos digitados. “Essa lista já chega impressa às seções eleitorais”, completa Janino.


Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

Em menos de um mês, 2,5 milhões de brasileiros caem em golpes pelo WhatsApp

Levantamento do Kaspersky Lab indica que estratégia é associar golpes a marcas famosas como Walmart, Assaí, Caixa Econômica, Burger King, Kibon, Spotify, Banco do Brasil, Santander, O Boticário, Lojas Americanas e Senac. 

Mais de 1 milhão de brasileiros acessam golpe de emprego pelo WhatsApp

Mais uma vez, os cibercriminosos usam a falsa promessa de emprego fácil para atrair os internautas.

Internet das Coisas dispara o número de ataques hackers a sistemas Linux

Novos botnets, entre eles, um 'renovado' Mirai, que em 2016 causou bastante estrago, são esperados para este ano.

Nova quebra de segurança conseguiu alterar software da urna eletrônica

“Fizemos o equivalente a um ‘jailbreak’ de um telefone celular moderno, só que na urna eletrônica”, explica o professor Diego Aranha, que a exemplo de 2012 liderou equipe que demonstrou vulnerabilidades do equipamento. 



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G