INTERNET

Banda larga: Escolha da Price despreza tecnologia nacional, diz CGI

Luís Osvaldo Grossmann ... 23/03/2012 ... Convergência Digital

A escolha da parceria inglesa entre a consultoria PriceWaterhouseCoopers e a SamKnows é reveladora da dificuldade brasileira em apostar na competência nacional – e, indiretamente, escoa recursos que poderiam ser investidos na infraestrutura da Internet no país.

Ao menos é como avalia o conselheiro, por notório saber, do Comitê Gestor da Internet, Demi Getshko, também presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, que disputou com os britânicos a seleção promovida pela Anatel e feita pelas operadoras.

Getshko lembrou que a SamKnows, a parceira tecnológica da consultoria eleita como Aferidora da Qualidade da banda larga, nasceu graças a incentivos da agência reguladora de telecomunicações da Inglaterra, o Ofcom, para avaliação das conexões à Internet.

“É evidente que não precisamos de uma solução nacional em todas as áreas. Mas, infelizmente, não fizemos o que a Inglaterra fez em 2007, quando o Ofcom fomentou a empresa”, destacou o “pai” da Internet brasileira durante audiência, na quinta-feira, 22/3, no Senado Federal.

Além da competência na área, Demi Gesthko lembrou que o NIC.br – como, de resto, toda a estrutura de governança da Internet no Brasil – é público, não tem fins lucrativos e todos os recursos (oriundos da venda de endereços .br) são aplicados na rede, como a construção de Pontos de Troca de Tráfego.

“Tudo o que pudermos reverter para a Internet brasileira é positivo, mas perdeu-se a oportunidade”, disse. Pelo serviço de medição da qualidade da banda larga no país nos próximos cinco anos, a parceria Price/SamKnows receberá R$ 99 milhões.

O próprio ministro das Comunicações, Paulo Bernardo – que é membro titular do CGI – já desqualificou os argumentos do NIC.br como choro de perdedor. Pode ser. Mas vale lembrar que tanto os critérios de medição de qualidade, depois incorporados pela Anatel, bem como os primeiros testes em parceria com o Inmetro, foram criados pelo NIC.br.

Testes que continuarão sendo feitos independentemente de oficialmente aceitos pela Anatel – é com base nos resultados da Entidade Aferidora que poderão ser aplicadas sanções às empresas. “Nós vamos continuar medindo o que acharmos importante”, completou Demi Getshko.


Banda larga fixa: ISPs adicionam o dobro de novos acessos do que as teles

Foram 122 mil novos acessos de banda larga por parte dos provedores Internet. Já as teles, somadas, adicionaram 60 mil acessos no mês de junho.

Austrália proíbe servidor público de ‘curtir’ ou comentar contra o governo nas redes sociais

País criou um guia de conduta nas redes sociais com regras rigorosas. Uma delas exige que os funcionários públicos removam comentários desagradáveis, mesmo que de terceiros, ainda que naveguem fora de horário de trabalho. 

Banco Central adia regulamentação dos marketplaces

Autoridade Monetária atendeu pleito do setor varejista da Internet e deu mais tempo para a adequação às novas regras. De acordo com a FECOMÉRCIO/SP, pelo menos, 25 mil empresas seriam afetadas com a medida.

STJ diz que Facebook não é obrigado a fazer controle prévio das postagens

Para a ministra do Tribunal, Nancy Andrighi, exigir dos provedores de conteúdo o monitoramento das informações que veiculam “traria enorme retrocesso ao mundo virtual, a ponto de inviabilizar serviços que hoje estão amplamente difundidos no cotidiano de milhares de pessoas”.

ICANN dá vitória à Amazon na briga de domínio com os governos do Brasil e do Peru

Três anos depois de perder a primeira batalha, a provedora conseguiu uma revisão do processo na ICANN e recuperou o dominio .Amazon.

Revista Abranet 21 . junho/agosto 2017
Veja a Revista Abranet nº 21 Convenção Abranet 2017 reuniu provedores de Internet na Bahia para debater não apenas o mercado, mas também a atual situação do Brasil.
Veja também: Oportunidades no Wi-Fi; A revolução do blockchain; WannaCry para a Internet e muito mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G