SEGURANÇA

Apesar dos riscos com dados, TI ainda é secundária no Brasil

Ana Paula Lobo ... 23/03/2012 ... Convergência Digital
O Brasil ocupa última posição em ranking realizado em 18 países na área de back up e recuperação de desastres, apesar de as ações naturais - como inundações e até mesmo tragédias, como a do Rio de Janeiro, onde edifícios desabaram - estarem mais próximos do dia-a-dia. Levantamento, produzido pela Acronis, mostra ainda que 65% dos brasileiros entrevistados admitem que sofreriam um tempo de inatividade em função de ataques cibernéticos.

"O estudo mostra que a TI é vista de forma secundária no Brasil, quando na verdade ela é a plataforma, o pilar, para os negócios. Mas nem sempre os gestores financeiros conseguem entender essa importância. Ainda enxergam TI como despesa", destaca Thiago Cardoso, country manager da Acronis no Brasil. Especializada em recuperação de desastres e proteção de dados, a empresa reforça a sua atuação no país e na América Latina. "Temos um mercado potencial para conquistarmos. Proteção de dados é inerente a uma empresa. Quem não fizer investimentos nisso, corre o risco de ir à falência", completa.

Na pesquisa, encomendada pela Acronis, e realizada pelo Instituto Ponemon, em 18 países, entre eles, o Brasil, mostra que os desastres naturais totalizaram US$ 366 bilhões em perdas financeiras. Entre as tragédias reportadas estão os terremotos e o tsunamis no Japão e as inundações na Austrália e Tailândia. O estudo foi realizado entre setembro e outubro do ano passado e não contabilizou, por exemplo, os efeitos na área de dados da queda de dois edifícios comerciais no Rio de Janeiro.

Os países que compõem o ranking foram classificados em uma escala de -5,0 a +5,0, com base nos níveis de confiança de suas capacidades de backup e recuperação. O Brasil teve o nível mais baixo, marcando -0,9 e a Alemanha a maior pontuação, com +2,1. Os gerentes de TI brasileiros entrevistados expressaram uma significativa preocupação em relação à qualidade de gerenciamento de seus sistemas de backup e recuperação de desastres, questionando se os recursos para implementar medidas abrangentes estão sendo usados pelas empresas que eles representam.

Na verdade, apenas 13% dos entrevistados no Brasil "concordaram fortemente" que suas equipes de segurança e TI estão qualificadas para executar operações de backup e recuperação em caso de alguma emergência (ataques pela internet, desastres naturais etc), enquanto 44% "discorda fortemente" que seus executivos de negócios sejam favoráveis às implementações de operações de segurança contra desastres e backups de suas organizações.

O levantamento aponta ainda questões relevantes: As empresas - 64% - colocam a culpa das falhas não na ausência de ferramentas adequadas, mas sim, no erro humano."Esse é um índice que é forte no mundo inteiro. Parece sempre que a TI depende apenas do homem. Mas há as ferramentas para serem utilizadas e não estão sendo contratadas porque sempre se pensa que investir em software de proteção é despesa", diz Thiago Cardoso. A pesquisa também mostra que, no Brasil, as paradas nos sistemas representam um custo de quase US$ 300 mil/ano.

Em visita ao Brasil, para marcar a entrada da Acronis, por meio de subsidiária direta nesse mercado de soluções de segurança da Informação, o diretor de vendas para a América Latina, Xavier Aguirre, diz que a empresa está preparada para atender 65%¨das empresas que ainda utilizam soluções separadas nos ambientes físicos e virtuais. "Queremos que o Brasil responda, de fato, por 50% da nossa receita na região", completa. Os mercados alvos são os data centers - cada vez mais envolvidos com a oferta de serviços na nuvem - e as médias e grandes empresas. A Acronis vai atuar por meio de distribuidoras, entre eles, Network 1 e EasyWorld.


Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

Corporações se unem contra ataques cibernéticos

Pelo acordo a ser assinado, grandes empresas de tecnologia prometem "proteção igualitária" a clientes contra o uso indevido de sua tecnologia. "Independente da nacionalidade, geografia ou motivação do ataque", asseguram. Entretanto, o comunicado do acordo não deixa claro quanto isso vai custar aos clientes.

NIC.br contrata plataforma para proteger centro de operações de ataques DDOs

Brasil foi o 5º país mais visado por esse tipo de ataque no ano passado. "Não se trata de ser ou não atacado. O ataque vai acontecer, o que precisa é estar preparado", diz o  Gerente de Sistemas do NIC.br, Marcelo Gardini.

Golpe de recarga grátis afeta mais de 20 mil pessoas em menos de 24 horas

Apenas no mês de abril, revela o laboratório especializado em cibercrime Dfnder Lab, foram bloqueados mais de 15 golpes diferentes envolvendo compartilhamento no WhatsApp.

Quadruplica o número de ataques DDoS originados por dispositivos IoT no Brasil

Foram mais de 220 mil reportados voluntariamente ao CERT.br no ano passado. Entidade diz ainda que parte dos ataques DDoS também foi originada por roteadores e modems de banda larga no Brasil, seja porque estavam comprometidos ou porque possuíam serviços mal configurados, permitindo amplificação de tráfego.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G