Home - Convergência Digital

Por aplicativos, MS e Nokia investem US$ 23,9 milhões

Convergência Digital - Carreira
Da redação - 26/03/2012

Aplicativos, muitos aplicativos. Este é o principal desafio enfrentado pela Microsoft e pela Nokia neste momento, quando ambas tentam reconquistar o mercado perdido para o iPhone, da Apple, e para o Android, do Google, no aquecido mercado de celulares inteligentes. E até agora as coisas não parecem boas para os novos desafiantes e sua arma de contra-ataque, a plataforma Windows Phone.

Os "apps", ou aplicativos, são pequenos programas que fazem coisas divertidas ou úteis em celulares. O grande número e variedade de aplicativos nas lojas da Apple e do Google é um fator importante que ajudou as duas companhias a se tornarem protagonistas dominantes no lucrativo mercado de celulares inteligentes.

Na segunda-feira, Microsoft e Nokia anunciaram que investirão um total de 18 milhões de euros (23,9 milhões de dólares) em um novo programa para o desenvolvimento de aplicativos, o AppCampus, que será conduzido pela Universidade Aalto, de Helsinque, nos próximos três anos. A decisão demonstra a seriedade com que as duas empresas encaram o problema.

Os aplicativos mais populares entre os usuários, tais como os do Facebook, Twitter, Foursquare e Evernote, estão disponíveis na plataforma Windows Phone, mas os produtores de muitos aplicativos menores ou especializados não trabalham com ela. O número de aplicativos disponíveis no Windows Phone Marketplace supera os 65 mil, deixando para trás outra concorrente, a Research in Motion e sua BlackBerry Store.

Mas ainda continua muito abaixo dos 500 mil aplicativos disponíveis na App Store da Apple ou no mercado Google Play, de acordo com a Distimo, que pesquisa sobre aplicativos. O pior é que apenas 37% dos criadores de aplicativos estão dispostos a produzir programas para o Windows Phone, de acordo com o mais recentemente levantamento IDC/Appcelerator. O número caiu ligeiramente ante a pesquisa anterior.

Para os demais sistemas, 89% dos entrevistados se declaram interessados em desenvolver aplicativos para o iPhone e 79 por cento deles em desenvolver aplicativos para o Android. "O interesse de desenvolvedores de aplicativos móveis pela plataforma Windows tem sido fraca nos últimos dois anos, sem sinal de melhora", disse Pierre Ferragu, analista da Sanford C. Bernstein.

A Microsoft lançou seu mais recente sistema operacional Windows Phone 7.5, o Mango, no ano passado e obteve boas críticas. E a Nokia, que luta para retomar espaço no mercado de smartphones de rivais como Apple e Samsung, apresentou em 2011 sua linha de aparelhos Lumia que rodam o Mango. Mas a falta de aplicativos e baixa qualidade de alguns deles têm prejudicado o apelo do Lumia.

Finn Christian Lindholm, sócio da agência de design digital Fjord, de Helsinque, acredita que os mais recentes aparelhos com Windows Phone são interessantes o suficiente para desafiar o iPhone. O ponto mais importante para as duas empresas agora é reverter o ciclo vicioso de baixas vendas de telefones com Windows, algo que afasta desenvolvedores de aplicativos, o que, por sua vez, afasta consumidores, disse Lindholm.

Fonte: Agência Reuters

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/01/2018
Transformação digital: Busca por apps de relacionamento com as teles cresce 50% no Brasil

16/01/2018
Governo federal vai licitar nova contratação de app de táxi

15/01/2018
App já responde por 51% das transações realizadas no Banco do Brasil

11/01/2018
Apps de transporte: expansão está no interior e nos serviços de nicho

10/01/2018
São Paulo: Estão valendo novas regras para apps de transportes

09/01/2018
Carteira de trabalho digital tem mais de 110 mil downloads

08/01/2018
Uber chinesa desembarca no Brasil ao comprar o controle do app de táxi 99

20/12/2017
Europa classifica Uber como serviço de transporte e não de aplicativo

08/12/2017
Movile, dona do iFood, recebe novo aporte de US$ 82 milhões

08/12/2017
App que bateu Uber na China vai atuar fora do país

Destaques
Destaques

Teles projetam 100 milhões de 4G até o fim de 2017

Em outubro, a conta é de que já existiam 95 milhões de acessos em 4G, contra 92 milhões de 3G. Expectativa é de que o LTE represente 80% dos acessos em 2018.

Migração total do 2G exige smartphones mais baratos

Para o Sinditelebrasil, preço dos aparelhos é barreira para os 36 milhões de usuários que ainda têm acessos GSM. Acessos 4G superaram os 3G em outubro.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Que ninguém fique sem o sinal de TV digital

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o presidente da Anatel e do GIRED, revela que a liberação do 700 Mhz atrai a atenção de outros países; aumenta a geração de empregos e acelera a inclusão digital com a massificação do 4G.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site