INCLUSÃO DIGITAL

Minicom promete investir R$ 40 milhões em cidades digitais

Luís Osvaldo Grossmann ... 28/03/2012 ... Convergência Digital
O Ministério das Comunicações vai selecionar 80 municípios de até 50 mil habitantes para um projeto-piloto de cidades digitais, no qual serão investidos diretamente pelo governo federal R$ 40 milhões na construção das redes metropolitanas de fibras ópticas.

O foco central é munir as prefeituras de infraestrutura de redes para a administração – ou seja, interligar os órgãos públicos. Mas de antemão fica prevista a oferta de, no mínimo, um ponto de acesso público gratuito.

“Não queríamos simplesmente repassar os recursos. Vamos fazer um piloto, não vamos começar com muita ambição, mas de forma que estejamos seguros que vai funcionar e atingir os objetivos”, afirmou Paulo Bernardo.

Apesar do calendário próximo ao das eleições municipais – as cidades escolhidas devem ser apresentadas até o fim de julho – o ministro descarta qualquer relação. “É um número pequeno de municípios, com uma seleção equilibrada para beneficiar o maior número de estados”, disse.

A seleção das cidades que receberão as redes exigirá a apresentação de projetos, mas eles serão simplificados, pelas próprias limitações dos pequenos municípios. O ponto mais importante é o modelo de sustentabilidade do serviço – como custear a manutenção e os links.

“Estamos pensando em um modelo de serviço público para que possam fazer a manutenção da rede”, disse a secretária de Inclusão Digital do Minicom, Lygia Pupato. “Uma combinação de serviço público e também para ser vendido”, completou Bernardo.

Além disso, as cidades escolhidas deverão estar situadas onde possam ser atendidas por backbones já existentes, notadamente o da Telebras, mas também de outras operadoras.

Na prática, o governo federal vai financiar as redes de fibras, que serão doadas aos municípios. As prefeituras, então, poderão assumir diretamente o custeio ou autorizar a prestação do serviço por terceiros.

Nesse caso, a capacidade extra – depois de atendidos os pontos públicos – poderá ser comercializada, o que permitiria a continuidade dos acessos e a manutenção da rede sem custos para as cidades.

O desenho inicial prevê uma garantia mínima de capacidade, equivalente a 4Mbps em cada um, até o máximo de 30, dos pontos públicos de acesso – órgãos públicos e “hotspot”, como uma “praça digital” ou, provavelmente, um telecentro.

Engenharia

O projeto de implantação das cidades digitais consiste na licitação de uma empresa para atuar como integradora e, com os recursos disponibilizados pelo Minicom, construir redes Metro Ethernet em todos os municípios escolhidos.

Os equipamentos de rede serão tratados em conjunto, por um pregão de registro de preços. A ideia é que esses preços valham também para cidades não selecionadas, mas que possam aderir à ata e comprá-los com recursos do BNDES.

“Para isso precisamos ainda de autorização da Fazenda e do Conselho Monetário Nacional, mas não acredito que haverá problemas, devido aos pequenos montantes envolvidos”, arrisca Paulo Bernardo.

Em média, na conta do Minicom, cada rede municipal custaria R$ 500 mil. Mas já existem exemplos concretos com valores até menores – caso da gaúcha Lagoa dos Três Cantos, cujo projeto Lagoa Digital tem custo total de R$ 312 mil.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Em São Paulo, 95% dos domicílios já tem sinal digital

Dados são de pesquisa realizada pelo IBOPE na capital paulista e nos 38 municípios vizinhos. No total, a região conta com 7,2 milhões de domicílios. O índice mínimo para o desligamento era de 90%.

Anatel disponibiliza lista de municípios com backhaul

Ideia da agência reguladora é manter uma base de dados atualizadas dos provedores de acesso banda larga. Hoje, segundo os dados, 3225 municípios têm backhaul.

Queda de balão de projeto de banda larga Google assusta moradores no Piauí

Moradores relatam forte explosão na zona rural de São João da Serra, no norte do estado. Empresa, por sua vez, diz que não houve queda nem explosão, mas uma descida programada. Polícia da cidade, no entanto, diz que os moradores ficaram apavorados e tiveram a sensação de um 'avião caindo'.

Banda larga via satélite terá faixas exclusivas de espectro

Decisão da Anatel reserva de 18,1 a 18,6 GHz e 27,9 a 28,4 GHz para destinação apenas a serviços fixos por satélite. Mas o peso do Fistel, que chega a R$ 201 para cada antena receptora (Vsat) ainda é uma barreira a essa modalidade.

Telebras fará leilão da capacidade de banda larga via satélite

Dos 56 Gbps em banda Ka do satélite geoestacionário, a ser lançado em março, 45 Gbps serão vendidos à iniciativa privada para oferta de acesso a internet em áreas remotas. Estatal terá 11 Gbps para atender governo e pequenos provedores.

Amazônia Conectada busca R$ 70 milhões para seguir em frente em 2017

Boa parte dos recursos será usada na aquisição e implantação de fibra óptica para ampliar a infraestrutura, explica o subchefe do CITEX, do Exército, coronel Eduardo Wolski.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G