INTERNET

Austrália sustenta veto à Huawei em plano de banda larga

Da redação ... 29/03/2012 ... Convergência Digital
A primeira-ministra da Austrália, Julia Gillard, aprovou a decisão de proibir a fabricante chinesa Huawei de concorrer a grandes contratos do governo, mesmo depois de Pequim ter se mostrado preocupada com o tratamento às empresas do país.

O governo proibiu a fabricante de equipamentos para telecomunicação de participar das concorrências para a criação da rede australiana de banda larga de alta velocidade (NBN, em inglês), um projeto de 38 bilhões de dólares, devido a preocupações de segurança não especificadas.

Gillard disse a jornalistas que manterá a decisão, que segundo ela não contraria as regras do comércio internacional; a premiê mencionou as regras que a própria China impõe para investimento no setor de telecomunicações."Tomamos decisões em defesa do interesse nacional. Tomamos decisões que é nosso direito tomar", disse Gillard.

"Qualquer acusação de que elas representam violação das normas comerciais simplesmente não procede", afirmou. "Sei que a China mesma tem posições estabelecidas quanto ao seu setor de telecomunicações e ao ingresso de estrangeiros, além de adotar uma abordagem especial quanto a permitir investimento estrangeiro nessa área", disse.

A Huawei negou que seja um risco de segurança tecnológica e afirmou que ainda tem esperança de conquistar contratos relacionados à NBN.Nesta quarta-feira, 28/03, o Ministério do Exterior chinês pediu ao governo australiano que concedesse acesso justo de mercado às companhias da China.

"Esperamos que as autoridades australianas ofereçam às companhias chinesas um ambiente de mercado justo e livre de discriminação, em vez de obstruírem as operações normais de empresas chinesas na Austrália em nome de uma suposta segurança", disse o porta-voz do ministério, Hong Lei.

O secretário do Tesouro australiano, Wayne Swan, declarou a repórteres que o problema com a Huawei não prejudicaria as relações com o maior parceiro comercial do país. A Huawei, por sua vez, informou que suas operações australianas continuavam a operar normalmente, depois da decisão de excluí-la do projeto NBN. "Não temos indicação de que outros projetos tenham sido analisados", disse o porta-voz da companhia no país, Luke Coleman, à Reuters.

*Fonte: Agência Reuters


Banda larga fixa: ISPs adicionam o dobro de novos acessos do que as teles

Foram 122 mil novos acessos de banda larga por parte dos provedores Internet. Já as teles, somadas, adicionaram 60 mil acessos no mês de junho.

Austrália proíbe servidor público de ‘curtir’ ou comentar contra o governo nas redes sociais

País criou um guia de conduta nas redes sociais com regras rigorosas. Uma delas exige que os funcionários públicos removam comentários desagradáveis, mesmo que de terceiros, ainda que naveguem fora de horário de trabalho. 

Banco Central adia regulamentação dos marketplaces

Autoridade Monetária atendeu pleito do setor varejista da Internet e deu mais tempo para a adequação às novas regras. De acordo com a FECOMÉRCIO/SP, pelo menos, 25 mil empresas seriam afetadas com a medida.

STJ diz que Facebook não é obrigado a fazer controle prévio das postagens

Para a ministra do Tribunal, Nancy Andrighi, exigir dos provedores de conteúdo o monitoramento das informações que veiculam “traria enorme retrocesso ao mundo virtual, a ponto de inviabilizar serviços que hoje estão amplamente difundidos no cotidiano de milhares de pessoas”.

ICANN dá vitória à Amazon na briga de domínio com os governos do Brasil e do Peru

Três anos depois de perder a primeira batalha, a provedora conseguiu uma revisão do processo na ICANN e recuperou o dominio .Amazon.

Revista Abranet 21 . junho/agosto 2017
Veja a Revista Abranet nº 21 Convenção Abranet 2017 reuniu provedores de Internet na Bahia para debater não apenas o mercado, mas também a atual situação do Brasil.
Veja também: Oportunidades no Wi-Fi; A revolução do blockchain; WannaCry para a Internet e muito mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G