GOVERNO

Guerra do ICMS: Governo e Estados longe de um acordo

Ana Paula Lobo* ... 29/03/2012 ... Convergência Digital

A guerra do ICMS segue e não parece ter uma solução de consenso no curto prazo. Nesta quinta-feira, 29/03, o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD),apresentou ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, uma proposta alternativa ao acordo firmado entre governo e Senado sobre o ICMS para encerrar a batizada "guerra dos portos".

Ao invés da alíquota única de 4% para esta modalidade do ICMS, como o Governo quer, Colombo pediu que a alíquota atual, de 12%, fosse reduzida aos poucos, a partir de 2013, e terminasse em 6%. Solução, no entanto, foi rejeitada pelo ministro da Fazenda.

“Mantega aceitou discutir uma solução escalonada para a alíquota do ICMS, quer dizer, ela não cairia de 12% para 4% já em 2013, mas seria reduzida aos poucos. Mas ele não abriu mão de atingir 4%, algo que é muito danoso ao nosso Estado”, disse Colombo, ao deixar a reunião com Mantega, de acordo com reportagem do Valor Online.

“Nós [de Santa Catarina], diferente do Espírito Santo, temos uma indústria para defender. Importamos US$ 13 bilhões, mas exportamos também US$ 13 bilhões, e não podemos abrir mão, por exemplo, da importação de fios e tecidos, algo importante para nossa forte indústria têxtil”, afirmou Colombo. Os três Estados que sofrerão consequências caso os planos do governo Dilma Rousseff são Santa Catarina, Espírito Santo e Goiás.

O ministro da Fazenda, de acordo com o Valor Online, se mostrou favorável a atender compensações financeiras ao Estado, em troca da alíquota de 4% para o ICMS interestadual sobre importados, já a partir do ano que vem. Nas contas do governador Colombo, seu Estado perderia R$ 950 milhões em receita em 2013 caso fosse adotada a alíquota única de 4% do ICMS interestadual para importados. Para o governo, o incentivo dos estados é baseada em práticas predatórias para a economia nacional.

O incentivo dado pelos estados funciona como se a taxa de câmbio fosse mais baixa para o produto que entra pelo porto que oferece o benefício. Para exemplificar, Barbosa simulou um bem importado com alíquota de 18% (alíquota média praticada no Brasil) e crédito presumido de 75%.

Na simulação, a alíquota interestadual nominal é de 12%, mas na prática o bem paga apenas 3% (25% de 12%) no estado de entrada da importação e, no estado de destino, o bem paga 6%.
Já um bem nacional paga 12% de ICMS no estado de origem e 6% no estado de destino. Ou seja, a redução no ICMS diminui o preço do bem importado em 9%, o que funciona como uma taxa de câmbio menor: 1,80 x (1 - 9%) = 1,64.

Para o presidente da Abinee, Humberto Barbato, o Projeto de Resolução nº 72/2011, de autoria do Senador Romero Jucá, que fixa alíquotas do ICMS nas operações interestaduais para bens e mercadorias trazidas do exterior, deve ser analisado acima de interesses individuais e localizados, priorizando os interesses da nação brasileira. “Renda e empregos precisam ser gerados aqui e por isso incentivos fiscais deveriam contemplar a produção feita no País”, diz.

Ele afirma que o objetivo principal da indústria ao apoiar o projeto é eliminar a nefasta guerra dos portos, que oferta privilégios ao produto importado em detrimento do bem fabricado no País. “O fato é que o produto importado é presenteado com um benefício fiscal que não é oferecido ao produto nacional. O tratamento tributário mais favorável ao importado é não-isonômico, injusto, inconstitucional e, portanto, inaceitável”, completa Barbato.

*Com Valor Online e Agência Brasil


Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.



Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

Confederação de teles e TI quer R$ 1 bilhão para Sistema S das TICs

“Nossa prioridade para 2018 é garantir os recursos para esse sistema fazer frente às necessidades de formação e capacitação para a transformação digital”, diz o presidente do Sinditelebrasil, Eduardo Levy. 

Governo retoma piloto de IoT com chips para coleta de dados

Governo criou um comitê interministerial para integrar as políticas de RFID às do Plano Nacional de Internet das Coisas. Iniciativa, parada há três anos por falta de consenso, batizada de SINIAV, começa a sair do papel com pilotos em Pernambuco e no município de Santo André, em São Paulo.

Governo discute se IoT é valor adicionado ou Telecomunicações

"Há prós e contras e precisamos analisar bem para definirmos a melhor governança", diz o diretor do MCTIC, José Gontijo. Sobre Internet das Coisas, Gontijo é taxativo: O Brasil não pode adiar mais uma definição sobre Lei de proteção de Dados Pessoais.

Reforma tributária: Telecom fica na categoria do imposto seletivo

Em entrevista à Newsletter da Telebrasil, reproduzida pelo Connvergência Digital, o deputado Luiz Carlos Hauly, do PSDB/PR, explica que a sua proposta elimina 10 tributos.


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

Fim da gestão do Governo dos EUA abre nova era para a Internet

Desde 1º de outubro, as funções técnicas da internet – nomes, números e protocolos – não envolvem mais um contrato da ICANN com o governo americano. “O Brasil influenciou nessa transição”, diz o secretário-executivo do CGI.br, Hartmut Glaser. 


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G