Convergência Digital - Home

Construção civil ganha aplicativo nacional na nuvem

Convergência Digital
Fabio Barros - 04/04/2012

A Teclógica, empresa catarinense especializada em prestação de serviços de TI, está ampliando seus horizontes de atuação. A companhia anunciou esta semana, em São Paulo, o lançamento de seu primeiro aplicativo próprio, o Mobuss, solução de mobilidade corporativa específica para o mercado de construção civil, por enquanto.

De acordo com Luiz Carlos Mesquita, diretor comercial da Teclógica, o produto nasceu da especialização da companhia. “Temos uma fábrica de software e uma área de suporte que hoje atendem mais de 20 mil usuários na América Latina e muito do nosso trabalho envolve sistemas satélites aos ERPs e, destes, quase todos envolvem mobilidade”, explica.

Com a crescente convergência de equipamentos e o aumento da confiabilidade da tecnologia 3G, a empresa achou que era momento de ter um produto próprio. “O Mobuss é fruto de R$ 1,2 milhão de investimentos em desenvolvimento. Nosso primeiro desafio foi criar uma plataforma que desse ao usuário a mesma experiência, online ou off-line”, lembra Adriana Bombassaro Alexandre, diretora de produtos da Teclógica.

O foco na área de construção civil foi definido depois um trabalho conjunto realizado com a Fundação Dom Cabral, e que identificou o segmento como um dos mais carentes em termos de uso de TI, principalmente nos canteiros de obra. O resultado é um produto com foco no gerenciamento de equipes de campo e que hoje pode ser comprado nos módulos Apontamento de Produção, Controle de Materiais, Qualidade e Segurança.

Adriana explica que o produto nasce com integração nativa com os principais sistemas de gestão utilizados no setor, como o Proteus, da Totvs. “Nosso foco são construtoras de médio e grande porte”, diz. De acordo com o plano de negócios da empresa, os grandes clientes serão atendidos diretamente pela Teclógica e os pequenos e médios, por meio de parceiros.

Para adequar-se aos dois públicos, o Mobuss será comercializado nos modelos on-premise e SaaS (Software como serviço), hospedado em nuvens de parceiros. “O modelo SaaS vai permitir que ele seja usado por pequenas e médias construtoras e também pelo período em que durar a obra, independente do tamanho da construtora”, explica Mesquita.

A expectativa da Teclógica é que, este ano, o Mobuss represente R$ 4 milhões em vendas, o que significaria uma contribuição de 30% para o crescimento da companhia. “Nosso objetivo é fechar o ano com 47 projetos, a maioria deles no Sudeste e Nordeste, que é onde está a maior parte das construtoras”, diz Adriana.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.
3ª Semana da Inovação 2017
Investimentos mundiais em nuvens públicas vão chegar a US$ 266 bilhões em 2021

No Brasil, o mercado de computação cresce cerca de 50% e já representa R$ 2,25 bilhões.


Destaques
Destaques

Dataprev e Serpro vão prestar serviço pela nuvem pública

Objetivo é atender de forma unificada demandas distintas dos órgãos públicos. Empresas vão integrar orquestradores e planejam contratar serviços da Amazon, Google e Azure.

Mercado de computação em nuvem foi de R$ 2,25 bilhões no Brasil

Estudo da ABES mostra que o segmento registrou uma expansão de 47,4% em 2016, tendo como base os dois principais serviços - Software como Serviço (SaaS) e PaaS (plataforma como Serviço). O segmento de análise de dados faturou US$ 809 milhões



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Empresas de TI ou organizações dependentes dela?

Por Paulo de Godoy*

Considerada parte do ‘guarda-chuva’ da Inteligência Artificial, a Machine Learning vem crescendo e ganhando força à medida que o volume de dados explode.

Criando uma arquitetura analítica para o futuro

Por Stephen Rigo*

O custo de não ter a arquitetura analítica adequada é alto, já que esse fator pode gerar problemas de incompatibilidade, governança, segurança, falta de acordos de nível de serviço, escalabilidade e problemas de extensibilidade.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site