Convergência Digital - Home

Construção civil ganha aplicativo nacional na nuvem

Convergência Digital
Fabio Barros - 04/04/2012

A Teclógica, empresa catarinense especializada em prestação de serviços de TI, está ampliando seus horizontes de atuação. A companhia anunciou esta semana, em São Paulo, o lançamento de seu primeiro aplicativo próprio, o Mobuss, solução de mobilidade corporativa específica para o mercado de construção civil, por enquanto.

De acordo com Luiz Carlos Mesquita, diretor comercial da Teclógica, o produto nasceu da especialização da companhia. “Temos uma fábrica de software e uma área de suporte que hoje atendem mais de 20 mil usuários na América Latina e muito do nosso trabalho envolve sistemas satélites aos ERPs e, destes, quase todos envolvem mobilidade”, explica.

Com a crescente convergência de equipamentos e o aumento da confiabilidade da tecnologia 3G, a empresa achou que era momento de ter um produto próprio. “O Mobuss é fruto de R$ 1,2 milhão de investimentos em desenvolvimento. Nosso primeiro desafio foi criar uma plataforma que desse ao usuário a mesma experiência, online ou off-line”, lembra Adriana Bombassaro Alexandre, diretora de produtos da Teclógica.

O foco na área de construção civil foi definido depois um trabalho conjunto realizado com a Fundação Dom Cabral, e que identificou o segmento como um dos mais carentes em termos de uso de TI, principalmente nos canteiros de obra. O resultado é um produto com foco no gerenciamento de equipes de campo e que hoje pode ser comprado nos módulos Apontamento de Produção, Controle de Materiais, Qualidade e Segurança.

Adriana explica que o produto nasce com integração nativa com os principais sistemas de gestão utilizados no setor, como o Proteus, da Totvs. “Nosso foco são construtoras de médio e grande porte”, diz. De acordo com o plano de negócios da empresa, os grandes clientes serão atendidos diretamente pela Teclógica e os pequenos e médios, por meio de parceiros.

Para adequar-se aos dois públicos, o Mobuss será comercializado nos modelos on-premise e SaaS (Software como serviço), hospedado em nuvens de parceiros. “O modelo SaaS vai permitir que ele seja usado por pequenas e médias construtoras e também pelo período em que durar a obra, independente do tamanho da construtora”, explica Mesquita.

A expectativa da Teclógica é que, este ano, o Mobuss represente R$ 4 milhões em vendas, o que significaria uma contribuição de 30% para o crescimento da companhia. “Nosso objetivo é fechar o ano com 47 projetos, a maioria deles no Sudeste e Nordeste, que é onde está a maior parte das construtoras”, diz Adriana.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis

Destaques
Destaques

O fim da era dos serviços tradicionais nos data centers

Mercado está em franca expansão e atrai investimentos de fundos de private equity na América Latina, mas provedores têm de reestruturar as suas ofertas para atender a demanda das empresas. Hosting dedicado ainda foi o produto mais demandado em 2016.

Grupo Energisa usa análise de dados para combater os 'gatos' na energia

Projeto é para gerir as chamadas perdas não técnicas e ajuda a dentificar o perfil dos fraudadores do sistema.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Hiperconvergência: vilã ou heroína da TI?

Por Paulo de Godoy*

Antes de optarem por uma solução hiperconvergente, os CIOs precisam saber quão grande será o impacto dessa adoção nos negócios da empresa, considerando os seus reais benefícios e o investimento de tempo e dinheiro no novo conceito.

O uso inteligente do Big Data a favor da indústria

Por Marlos Bosso*

Os impactos da revolução 4.0 são inevitáveis. Identrificar o que está por vir é o desafio dos executivos.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site