Convergência Digital - Home

LibreOffice: O Google Docs do open source

Convergência Digital
Da redação - 30/03/2012

Lançada pela The Document Foundation (TDF) em fevereiro, a versão 3.5 do LibreOffice, para Windows, Linux e Mac OS X, traz novidades aos usuários de editores de texto, planilhas eletrônicas, ferramentas de apresentação e bancos de dados.

A principal delas é a possibilidade de execução via web. Ainda que numa fase inicial e exigindo uma série de etapas complexas de compilação, o LibreOffice Online poderá ser utilizado como uma aplicação em nuvem, tal como o Google Docs, mas com a vantagem de ser livre e customizável.

Quem destaca essa inovação é Gustavo Pacheco, analista de sistemas e membro da The Document Foundation, a organização internacional que suporta o desenvolvimento do LibreOffice. Ele também pontua outros avanços, como: no editor de textos, a nova exibição de cabeçalhos e rodapés e o contador de palavras flutuante (com atualização em tempo real); no editor de planilhas, a possibilidade de inclusão de mil planilhas em um único arquivo e o número ilimitado de regras de formatação condicional; e, no editor de fórmulas, novos símbolos relativos à teoria dos jogos.

O LibreOffice oferece ainda ao usuário um serviço completo de exportação para PDFs, a grande oferta de extensões, além do dicionário e do corretor ortográfico próprios. A solução, diz Pacheco, só conseguiu chegar ao seu atual nível de desenvolvimento porque está baseado no modelo open source.

"Hoje, o LibreOffice constitui-se como a principal solução de edição de documentos no formato OpenDocument. Não apenas se consideramos o uso tradicional da aplicação, instalada sobre um sistema operacional local, mas, também, se avaliarmos o enorme potencial da API do LibreOffice, que permite adicionar, a qualquer desenvolvimento, o poder das funções das aplicações e a flexibilidade de um padrão aberto de armazenamento de dados", completa Pacheco. No Brasil, o Serpro é um dos usuários da ferramenta, em função da politica de adoção do software livre do governo.

Fonte: Agência de notícias do Serpro

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Vivo já têm seis data centers virtualizados no Brasil

"Todo núcleo de voz já está virtualizado, como o de dados também", informa o diretor de planejamento e de redes da Vivo, Átila Branco.

Google mantém Brasil fora da estratégia de data center na América Latina

Companhia está investindo US$ 140 milhões para triplicar o tamanho do data center no Chile, com a geração de 1200 empregos diretos e indiretos. No Brasil, o regime especial para datacenters não sai do papel, como todas as ações de políticas públicas para TICs.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Dos ambientes offline à estratégia MultiCloud

Por Fabio Gordon*

É preciso reconhecer a necessidade de mudança, entender que o seu data center de 20 anos não vai mais suportar os negócios digitais. É imprescindível fazer um diagnóstico do seu ambiente de TI e começar a mudar. E rápido, porque é provável que os seus competidores já estejam fazendo isso.

Nuvem é o agora e o futuro da competitividade

Por Artur Hansen*

Em cloud, todo investimento é hermético, organizado de acordo com as justas necessidades de cada empresa.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site