TELECOM

Fixo/móvel: Anatel indefere pedido de reajuste da Oi

Ana Paula Lobo* ... 31/03/2012 ... Convergência Digital

O embate entre a Oi e a Anatel pelo reajuste tarifário nas chamadas fixo/móvel está longe de terminar. Nesta sexta-feira, 30/03, a agência, em cumprimento a liminar obtida pela tele no Tribunal Regional Federal da 2ª Região, julgou e indeferiu o pedido da concessionária de reajuste de 2,4%, alegando que não houve cumprimento das regras estabelecidas no contrato de concessão.

Em teleconferência realizada para a imprensa para a divulgação dos resultados financeiros, o presidente da Oi, Francisco Valim, deixou claro que não tem a intenção de recuar e está disposto a manter o embate judicial. Segundo Valim, não há litígio com a Anatel, mas 'sim a defesa de um direito da concessionária'. A decisão, agora, do embate entre as partes está nas mãos do Superior Tribunal de Justiça.

Leia abaixo a íntegra do comunicado da Anatel, divulgado no final da noite desta sexta-feira, 30/03.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informa que, mediante deliberação realizada nesta sexta-feira, 30/03, deu cumprimento à decisão judicial proferida pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região, no sentido de apreciar o pedido de reajuste das tarifas das chamadas fixo-móvel formulado pela Telemar Norte Leste S/A, conforme as regras aplicáveis anteriormente à publicação da Resolução nº 576/2011.

Em sua decisão, a Anatel indeferiu o pedido de reajuste tarifário da Telemar, tendo em vista que os cálculos apresentados por essa concessionária não levaram em consideração o fator de amortecimento previsto na cláusula 12.1 do contrato de concessão. Tal cláusula era a regra aplicada por analogia aos reajustes das chamadas fixo-móvel antes da vigência da Resolução nº 576/2011, e seu descumprimento acarreta o indeferimento do pedido de reajuste.

Ainda em cumprimento à referida decisão judicial, a Anatel suspendeu parcialmente o Ato nº 486/2012 do Conselho Diretor e o Ato nº 1.055/2012 do Superintendente de Serviços Privados, de forma a restabelecer as tarifas das chamadas fixo-móvel anteriormente fixadas pela Agência, exclusivamente em relação à Telemar Norte Leste S/A, e restaurando os valores de interconexão (VU-M) anteriormente pactuados por essa concessionária (a Telemar) e homologados pela Anatel. Na prática, os consumidores da Telemar (cuja área de concessão abrange RJ, ES, MG, BA, SE, AL, PE, PB, RN, CE, PI, MA, PA, AP, AM e RR) não mais usufruirão da redução tarifária promovida pela Anatel por meio do Ato nº 486/2012, enquanto perdurarem os efeitos decisão judicial proferida pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

A Anatel, por meio da Advocacia-Geral da União (AGU), recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) com o objetivo de manter a redução tarifária empreendida pelo Ato nº 486/2012. A Agência aguarda novo posicionamento do Poder Judiciário.

*Com informações da Assessoria da Anatel


Internet Móvel 3G 4G
No Brasil, Wi-fi responde por mais da metade do acesso a Internet por smartphones

Novo relatório da britânica OpenSignal mostra que o 4G continua acelerando, com velocidades de download em alta, mas persiste o uso de conexões fixas mesmo por dispositivos móveis. Mas o Wi-fi mantém a sua relevância na comunicação móvel.

Cabo Monet, que une Google, Algar Telecom e Angola Cables, começa a operar no 2º semestre

O cabo submarino já foi todo instalado no mar e, agora, o trabalho se concentra nas estações terrenas. Já o cabo de fibra óptica SACS deverá entrar em operação em 2018.

Skylane Optics defende a homologação dos transceptores ópticos pela Anatel

Empresa de origem belga quer fazer do país uma plataforma de exportação, mas reclama que não há certificação e fiscalização nas redes atuais. "Muito da instabilidade de rede vem de produtos ruins importados sem nenhum controle", pontua Rudinei Santos Carapinheiro.

Anatel: Projeto de lei não faz doação nem envolve R$ 100 bilhões

Segundo agência, o valor residual dos bens reversíveis, que serão parte das contrapartidas de investimento em banda larga conforme previsto no PLC 79/16, “é algo em torno de R$ 18 bilhões”.

Oi e Telefônica: “R$ 100 bilhões é um valor fantasioso”

Presidentes das duas maiores operadoras do país, e o próprio governo, sustentam que o acerto de contas para trocar concessão de telefonia por autorização envolve cifras muito menores. "Esse número pegou e detestaria que o projeto fosse aprovado com essa mancha", afirma o presidente da Telefônica, Eduardo Navarro.

Senado só vota o Marco de Telecom com decisão final do STF

Presidente da casa, Eunício de Oliveira, garantiu ainda que após essa decisão, dará ao PL 79/2016, um tratamento regimental 'aberto e claro'. Liminar mandou devolver o projeto ao Senado, mas não há data para o julgamento do mérito no Supremo Tribunal Federal.

Para PGR, Acel e Abrafix não podem propor ação direta de inconstitucionalidade

Em julgamento da lei do Mato Grosso do Sul sobre serviço de acesso a internet, Ministério Público Federal revisa posicionamento e sustenta que as entidades não são representativas de classe pois “não abrangem, cada uma, toda a categoria de prestadoras”.


Veja a revista do 60º Painel Telebrasil 2016
Revista do 60º Painel Telebrasil 2016
O Brasil enfrenta uma de suas mais graves crises, e as telecomunicações em banda larga são essenciais para a retomada do desenvolvimento sustentável, com inclusão social, na moderna sociedade da informação e do conhecimento. Este foi o mote dos debates durante o 60º Painel Telebrasil, realizado nos dias 22 e 23 de novembro, em Brasília.

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G