Convergência Digital - Home

Aplicativo lidera motivação para uso da nuvem

Convergência Digital
Fabio Barros - 10/04/2012

A HP divulgou nesta terça-feira, 10/04, uma pesquisa global que revela a necessidade de as organizações implementarem uma estratégia híbrida de delivery para acelerar a inovação, aumentar a agilidade e melhorar o seu gerenciamento financeiro durante a migração para a computação em nuvem. Isso porque a convergência da computação em nuvem e a conectividade estão mudando a maneira como a tecnologia é fornecida e como as informações são consumidas dentro do ambiente empresarial.

De acordo com a pesquisa, mais de 80% dos executivos de negócios e tecnologia acreditam que cloud computing será pelo menos tão impactante para o cenário da tecnologia como foram a virtualização ou a internet. A pesquisa também mostra que, apesar da perspectiva de crescimento na adoção de serviços de nuvem pública e privada até 2020, a tecnologia tradicional continuará fazendo parte das empresas.

Os principais destaques obtidos por esta pesquisa são:

- Atualmente, apenas 24% dos modelos de delivery corporativos são baseados em nuvem. Até 2020, a expectativa dos principais executivos de negócios e tecnologia é que os modelos de fornecimento de nuvem pública e privada praticamente dupliquem;

- Os principais impulsionadores da adoção de cloud computing são o rápido desenvolvimento de aplicativos (50%), maior agilidade para responder a mudanças no mercado (32%) e custos menores de operações (18%);

- Os executivos de negócios e de TI reconhecem que os projetos de cloud serão essenciais para a promoção de resultados bem-sucedidos e inovação. Um em cada dois CEOs e diretores financeiros estão no momento elaborando estratégias de nuvem para suas empresas;

- As organizações estão priorizando investimentos em nuvem, sendo que a expectativa é que 43% das empresas invistam de US$ 500 mil a US$ 1 milhão por ano em cloud computing de hoje até 2020, e quase 10% planejam gastar mais de US$1 milhão por ano;

Os participantes da pesquisa listaram as três principais barreiras para a adoção em massa de serviços de nuvem: preocupação com segurança (35%), preocupação com a transformação de seu ambiente de TI (33%) e preocupação com conformidade e governança (17%).

De acordo com as empresas e executivos ouvidos, com a aceleração na adoção de serviços de nuvem, também cresce a necessidade por estratégias ‘holísticas’ de conformidade e governança a serem aplicadas em toda a empresa para controlar e gerenciar ambientes de TI. Quase 50% dos entrevistados admitiram que suas empresas estão usando soluções de nuvem que não são autorizadas pelo departamento de TI, enquanto 18% não tinham uma perspectiva clara sobre as soluções de computação em nuvem que “rodam” sem autorização da área de TI.

A expectativa é que esse problema continue aumentando e isto pode ser observado pela resposta de 69% dos principais executivos de negócios e de 54% dos executivos de tecnologia, que estimam que o uso de soluções de cloud não homologadas pela TI chegue à casa dos 50% até 2020. As empresas precisam de soluções seguras que facilitem a transformação para a computação em nuvem, com risco ou interrupção mínima nos serviços e que ofereçam governança sem ficarem presas em apenas um fornecedor. O caminho para a adoção em massa de computação em nuvem requer um ambiente híbrido em sua oferta, que consista da TI tradicional, bem como ofertas de cloud pública, privada e gerenciada.

Para Antonio Couto, estrategista de cloud da HP Brasil, a pesquisa comprovou a visão da companhia de que o futuro do cloud computing são os ambientes híbridos. “Isso vai ocorrer porque as empresas construirão suas nuvens privadas, sem prescindir das nuvens públicas, e porque elas não abrirão mão dos investimentos feitos até hoje em seus legados. O mercado vai fazer com que todas estas estruturas tornem-se componentes de uma solução, que serão utilizados de acordo com as necessidades”, explica.

Sobre a baixa adesão aos projetos de cloud, o executivo avalia que ela é normal e é parte do processo de maturação do mercado. De acordo com Couto, 2011 foi o ano do interesse em cloud e 2012 será o ano da consolidação dos provedores de serviços. “O boom de implementações começa no final deste ano, avançando ao longo de 2013”, diz o executivo, prevendo que os ambientes tradicionais de TI darão lugar às nuvens privadas.

A pesquisa foi conduzida pela Coleman Parkes Research a pedido da HP e consistiu de 550 entrevistas com executivos de negócios e executivos de tecnologia dentro de grandes empresas (mais de 1.000 funcionários) e empresas de médio porte (500 a 1.000 funcionários). As entrevistas foram feitas por telefone em fevereiro de 2012. As regiões incluídas nesta pesquisa foram: América do Norte (Estados Unidos e Canadá), Europa e Oriente Médio (Reino Unido, França, Alemanha, Dinamarca, Rússia, República Tcheca e Emirados Árabes Unidos), Ásia/Pacífico (Índia, China, Japão, Austrália e Coreia) e América Latina (Brasil e México).

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.
3ª Semana da Inovação 2017
Huawei se prepara para ser fornecedor de nuvem pública do governo

Empresa planeja se tornar um dos principais fornecedores de computação em nuvem do governo brasileiro, a partir do fortalecimento de uma estrutura local.


Destaques
Destaques

STJ condena compartilhamento de dados de clientes entre os bancos

Foi mantida a condenação do HSBC. Tribunal considerou abusiva cláusula que não permite ao correntista optar se quer ou não abrir mão de seus dados.

Confaz tributa software em nuvem e streaming como Netflix

Decisão foi tomada em reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária. Regra entra em vigor a partir de março de 2018.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?

Empresas de TI ou organizações dependentes dela?

Por Paulo de Godoy*

Considerada parte do ‘guarda-chuva’ da Inteligência Artificial, a Machine Learning vem crescendo e ganhando força à medida que o volume de dados explode.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site