Convergência Digital - Home

Para IDC, é hora dos aplicativos complexos irem para a nuvem

Convergência Digital
Fabio Barros - 10/04/2012

A IDC realizou nesta terça-feira, 10, em São Paulo, o IDC LA Cloud Solutions Road Show. Reunindo fornecedores de produtos e serviços, a consultoria avaliou as tendências para o conceito e, mais que isso, sua evolução até aqui.

Desde o ano passado, a IDC vinha defendendo que a computação em nuvem personifica a terceira era da TI – depois do mainframe e do PC – e que tem como marca a popularização de aplicativos, plataformas, diferentes dispositivos e modelos distintos de entrega de serviços. Para a consultoria, o conceito avançou muito nos últimos doze meses.
 
“Em apenas um ano o mercado avançou tremendamente em termos de maturidade de adoção. As empresas usuárias de nuvem ainda não são maioria, mas o avanço é claro”, afirma Mauro Peres, presidente da IDC Brasil. Para comprovar a tese, Ricardo Villate, vice-presidente de pesquisas e consultoria da IDC para a América Latina, apresentou um estudo que constatou:

• 80% das empresas da região já reconhecem o cloud computing como modelo de migração de aplicações.

• 12% já implementaram soluções na nuvem e, desse número, 5% estudam expansão dessa tecnologia.

• Entre as companhias que contam com soluções em cloud, 10% estão na nuvem privada, 6% na pública e 4% na híbrida.

• Entre as 3,5 mil maiores empresas da região, o modelo privado prevalece com 21%, enquanto 12% estão na pública e 11% na híbrida.

• As principais preocupações das empresas com a nuvem ainda são a segurança (56%), custo (29%) e regulamentação (18%).

“Existem novos paradigmas de adoção de tecnologia que podem transformar os processos. O mercado está mais maduro e partindo para um modelo consistente de contratação”, avalia Villate.

Outro estudo, apresentado por Anderson Figueiredo, gerente de pesquisa e consultoria da IDC Brasil, aponta que a virtualização e automatização são os caminhos mais naturais para adoção de serviços no modelo IaaS e PaaS (infraestrutura e plataforma como serviço). De março a novembro de 2011, a IDC perguntou aos executivos das empresas se elas utilizam internamente algum serviço em cloud e 20% utilizam e-mail na nuvem, seguido de editores de texto e planilhas com 7%.

A previsão da consultoria é que, em 2012 e 2013, o conceito deve evoluir para aplicativos mais complexos, como os ERPs. “Depois do período de avaliação do modelo de nuvem, este ano, as empresas começarão a migrar soluções inteligentes para ambientes de nuvem, como BI, CRM e ERP”, diz. “Dos 41 cases de sucesso de implementação de cloud inscritos para esse evento, 50% tratam de aplicações sensíveis de áreas estratégicas das empresas”, revelou.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis

Destaques
Destaques

Dataprev e Serpro vão prestar serviço pela nuvem pública

Objetivo é atender de forma unificada demandas distintas dos órgãos públicos. Empresas vão integrar orquestradores e planejam contratar serviços da Amazon, Google e Azure.

Mercado de computação em nuvem foi de R$ 2,25 bilhões no Brasil

Estudo da ABES mostra que o segmento registrou uma expansão de 47,4% em 2016, tendo como base os dois principais serviços - Software como Serviço (SaaS) e PaaS (plataforma como Serviço). O segmento de análise de dados faturou US$ 809 milhões



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Empresas de TI ou organizações dependentes dela?

Por Paulo de Godoy*

Considerada parte do ‘guarda-chuva’ da Inteligência Artificial, a Machine Learning vem crescendo e ganhando força à medida que o volume de dados explode.

Criando uma arquitetura analítica para o futuro

Por Stephen Rigo*

O custo de não ter a arquitetura analítica adequada é alto, já que esse fator pode gerar problemas de incompatibilidade, governança, segurança, falta de acordos de nível de serviço, escalabilidade e problemas de extensibilidade.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site