GESTÃO

Consumerização pressiona gestores de Tecnologia

Fabio Barros ... 10/04/2012 ... Convergência Digital

2011 marcou o início da era da mobilidade, conhecida no mundo corporativo como a era da computação em nuvem. Esta foi uma das constatações apresentadas pela IDC nesta terça-feira, 10, durante o IDC LA Cloud Solutions Road Show, realizado em São Paulo.

De acordo com Luciano Crippa, gerente de pesquisas da IDC Brasil, esta nova era será marcada por quatro grandes tendências: serviços em nuvem, big data, negócios sociais e banda larga móvel. No final das contas, todas elas convergem para uma fato comum: a personalização da tecnologia, o que significa usuários envoltos em seus próprios ambientes de TI, também chamada de consumerização.

Um exemplo? Segundo Crippa, a era PC produziu um total de 75 mil aplicativos para computadores. Na recém iniciada era da mobilidade, já há um total de 1,3 milhão de aplicativos disponíveis para usuários, que deverão comprar 660 milhões de smartphones ao longo deste ano (15 milhões deles no Brasil).

Na prática, isso representa um desafio para as áreas de TI, que cada dia mais precisam dar suporte a este novo universo de aparelhos comprados sem sua permissão ou indicação. E a pesquisa da IDC mostra que negar este suporte não é alternativa. A demanda parte dos executivos CXO (42%), alta gerência (43%) e gerentes (26%).

Não por acaso o número de acessos a sistemas corporativos, partindo de equipamentos adquiridos pelos funcionários, cresceu de 30,7% em 2010, para 40,7% em 2011. “Na América Latina, 43% das empresas autorizam o acesso a e-mails por smartphones pessoais, e 19% fazem o mesmo com tablets”, ressalta Crippa. “O usuário foi promovido a CIO e conta com um microambiente com equipamentos, plataformas, aplicativos etc.”, completa.

Além de ampliar o inferno astral das áreas de TI, a tendência cria um novo conceito: as nuvens pessoais, usadas por estes usuários para acessar seu próprio conteúdo onde ele estiver. Obviamente há uma série de benefícios embutidos aí, que vão desde a possibilidade de atrair e reter talentos até o aumento de produtividade e inovação dentro das empresas.

Mas que eles sejam tangíveis, há alguns desafios que precisam ser superados pelas áreas de TI, como:

- Segurança – precisa mudar seu foco da proteção de equipamentos para a proteção da informação. Essa é a principal preocupação de 83% dos CIOs, seguida pela propagação de vírus (56%).

- Conformidade – há que se definir papeis e responsabilidades. Está claro que as empresas são as responsáveis pela segurança e privacidade dos dados, mas o resto?

- Custo – para metade dos CIOs ouvidos pela IDC, conviver e suportar essa variedade de equipamentos vai aumentar os custos da área moderadamente (31%) ou drasticamente (19%).

- Cultura - como ensinar as pessoas a usar seus aparelhos? O que acontece se alguns tiverem permissão para usar e outros não? Quem é o responsável pela manutenção em caso de quebra?

Para Crippa, o mercado corporativo deve buscar respostas para estas questões o quanto antes. “O mercado está mudando muito rápido e as empresas não podem ser inflexíveis. Ao contrário, devem investir em tecnologias e serviços que deem mais segurança para os equipamentos que o CIO não controla”, afirma.


Carreira
Brasil vai sediar Maratona mundial de programação

Competidores, de 25 países, terão 54 horas para desenvolver soluções que melhorem o acesso à Justiça. Expectativa é que a disputa conte com a participação de mais de 10 mil programadores.

Justiça diz que smartphone e notebook não podem ser retidos pela Receita na volta de viagem ao exterior

O entendimento é da 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região ao declarar nula uma apreensão e determinar que o fisco libere o equipamento para a sua proprietária.

Rio de Janeiro proíbe ligação de telemarketing fora do horário comercial

Nova lei também proíbe ligações feitas de números privativos e exige que os operadoras de telemarketing identifiquem a empresa logo no início da chamada. Medida entra em vigor daqui a 120 dias.

Serpro adota seguro para cobrir má gestão

Desde o dia 8/12, o Serpro passou a adotar o "Seguro de Responsabilidade Civil", para eventual indenização que dirigentes da estatal sejam obrigados a pagar, em virtude de erros administrativos e má gestão. O valor de cobertura do seguro será de R$ 30 milhões (1% do patrimônio da empresa). Funcionário abaixo do cargo de superintendente não goza do benefício.

Governo tem versão 2018 do ePING

Padrões de interoperabilidade são obrigatórios para todos os órgãos federais integrantes do Sistema de Administração de Recursos de Tecnologia da Informação.

Nas PMEs, 93% não estão prontas para implantar o eSocial

Pesquisa mostra que a maioria das médias e pequenas empresas ainda não assimilou as consequências de não se adaptarem ao novo regime fiscal, em vigor a partir de janeiro de 2018. Empresas consideram caro o custo de implementação do regime.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G