TELECOM

Telefônica/Vivo integra operações de TI em data center de R$ 400 milhões

Fernanda Ângelo ... 12/04/2012 ... Convergência Digital

Depois de 18 meses de trabalho para integração de equipes e transformação da empresa, a Telefônica lançou nesta quinta-feira, 12/04, a Vivo como marca nacional também de seus serviços de telefonia fixa, internet e TV por assinatura. O anúncio acontece no momento em que o Brasil, país no qual a Telefônica atua há mais de 13 anos, se transforma no maior mercado da empresa em todo o mundo: as operações brasileiras bateram a marca de 90 milhões de acessos.

“É a maior quantidade de clientes entre os 25 países nos quais a companhia atua”, afirma Antonio Carlos Valente, presidente da Telefônica/Vivo. Também está no Brasil, o maior contingente de empregados diretos entre as localidades nas quais mantém operações: são mais de 106 mil profissionais.

O executivo diz que entre 1998 e 2011, a Telefônica investiu no Brasil R$ 102,9 bilhões em aquisição de ativos (participações em empresas e licenças) e R$ 62,9 bilhões (Capex) em ampliação em modernização das redes destas empresas e inovação em produtos e serviços. E acrescenta que a previsão de investimentos da empresa no País para o período de 2011 a 2014 é de outros R$ 24,3 bilhões.A adoção da marca comercial Vivo segue a estratégia global do grupo, que utiliza outras marcas para seus produtos e serviços nos 25 países onde atua: MoviStar (América Latina e Espanha) e O2 (Europa, exceto Espanha). “Estamos trazendo a estratégia para o mercado local. Com a diferença que utilizaremos uma marca brasileira”, observa Valente.

“O reposicionamento da marca ocorre em um momento em que a nossa rede de voz e internet móvel 3G está presente em mais de 2,7 mil cidades brasileiras”, contabiliza Paulo Cesar Teixeira, diretor geral da Telefônica|Vivo. “Além disso, em 25 Estados (incluindo o Distrito Federal), nossa rede está equipada com a tecnologia HSPA+. É o 3G Plus, com velocidade de navegação, por meio de modems e smartphones, três vezes maior do que a oferecida pela tecnologia convencional”, completa o executivo. Um dos pontos relevantes da integação foi a construção de novo data center, que entrará em operação ainda este mês. Nele estarão integradas pela primeira vez as infraestruturas de TI das operações fixa e móvel, com investimentos da ordem de R$ 400 milhões.

A rede móvel da Vivo já é utilizada em 140 cidades de oito Estados brasileiros (Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia, Paraná, Santa Catarina, Espírito Santo e Goiás) para oferecer telefonia fixa (Vivo Fixo) e internet (no Vivo Box, que também inclui serviço de voz). “Entre os clientes que estão adquirindo estes novos serviços, 60% preferem a solução integrada. Nos próximos meses, vamos ampliar essa cobertura nacional com outros serviços Vivo e também anunciar ao mercado mais ofertas sinérgicas”, acrescenta Teixeira.

As mudanças passam a valer ainda este mês. A partir do dia 15 de abril, todos os serviços da Telefônica trarão a marca Vivo em seu nome. O Speedy, por exemplo, passa a ser comercializado como Vivo Speedy. O nome Telefônica desaparece de faturas e material de comunicação, as 131 lojas físicas ganham novo visual e os serviços de call center passam a atuar de maneira unificada, sob a bandeira Vivo. Apesar das novidades todas, Valente garante que a mudança será transparente para os clientes. “Na prática, nada mudará para ele”, afirma.

Iniciado há dezoito meses, o processo de mudança da marca está exigindo a participação de toda a empresa. No total, 117 mil pessoas (empregados e prestadores de serviços) passaram por treinamento relacionado à mudança. Entre eles, 37 mil atendentes dos call centers, 44 mil da força de vendas e 32 mil técnicos que cuidam da rede externa no Estado de São Paulo. Os uniformes dos técnicos e os 15 mil carros por eles utilizados também ganharam novo visual com a marca Vivo.

Uma campanha nacional de reposicionamento da marca Vivo como sinônimo de serviços completos em telecomunicações estreia neste domingo (15/04). Uma primeira fase dessa campanha, restrita a São Paulo, já comunicou aos clientes a adoção das marcas Vivo Fixo, Vivo Speedy e Vivo TV para os principais serviços oferecidos anteriormente com a marca Telefônica no Estado.

A Central de Atendimento vai operar agora de forma convergente para usuários que possuem serviços móveis e fixos, independentemente do número de acesso utilizado pelo cliente: 103 15 (fixa) e *8486/1058 (móvel). As faturas dos serviços fixos e móveis continuam separadas, ambas trazendo a identificação Vivo. As novas faturas já estão sendo recebidas pelos clientes.


Internet Móvel 3G 4G
Brasil já contabiliza mais de 1 smartphone ativo por habitante

Maioria dos brasileiros - 70% - prefere o celular inteligente para acessar à Internet. Em maio, o País terá 306 milhões de dispositivos portáteis em uso, somando smartphones, notebooks e tablets.

Nextel vai pagar R$ 68 milhões pela migração para SMP

Conta diz respeito à adaptação das outorgas na faixa de 800 MHz, ainda em 2015. Valor inicialmente previsto era de R$ 411 milhões.

Teles: bloqueio após o fim da franquia não afronta o Marco Civil da Internet

Em nota oficial, o SindiTelebrasil diz que a "A PROTESTE insiste em querer fazer prevalecer a sua interpretação equivocada sobre a legislação aplicável à Internet".

Oi desembolsa R$ 51 milhões para pagar cerca de 500 credores

Operadora pagou as credores que fizeram a escolha da opção de pagamento em fevereiro. "Este é mais um passo no cumprimento da recuperação judicial", afirma o presidente da companhia, Eurico Teles.

Fox obtém vitória na Justiça do Uruguai e tenta replicar no Brasil decisão contra pirataria

Segundo um relatório da NetNames, de 222 milhões de usuários da internet na América do Sul, 110 milhões acessam conteúdos piratas.

Anatel impõe ligação gratuita à Oi em orelhões em 12 estados

Anatel já adota a medida há seis anos, quando verificou que aproximadamente metade dos orelhões do país não funcionava.

Preterida pelas teles, faixa de 450 MHz está na mira do setor elétrico

Elétricas e Anatel discutem destinação desta e outras faixas em caráter primário para as empresas de utilities. “Precisamos de 10 MHz. E pelo menos seis fornecedores no Brasil têm equipamentos em 450 MHz e outras faixas”, diz Ronaldo Santarem, da UTC AL.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G