TELECOM

Telefônica/Vivo integra operações de TI em data center de R$ 400 milhões

Fernanda Ângelo ... 12/04/2012 ... Convergência Digital

Depois de 18 meses de trabalho para integração de equipes e transformação da empresa, a Telefônica lançou nesta quinta-feira, 12/04, a Vivo como marca nacional também de seus serviços de telefonia fixa, internet e TV por assinatura. O anúncio acontece no momento em que o Brasil, país no qual a Telefônica atua há mais de 13 anos, se transforma no maior mercado da empresa em todo o mundo: as operações brasileiras bateram a marca de 90 milhões de acessos.

“É a maior quantidade de clientes entre os 25 países nos quais a companhia atua”, afirma Antonio Carlos Valente, presidente da Telefônica/Vivo. Também está no Brasil, o maior contingente de empregados diretos entre as localidades nas quais mantém operações: são mais de 106 mil profissionais.

O executivo diz que entre 1998 e 2011, a Telefônica investiu no Brasil R$ 102,9 bilhões em aquisição de ativos (participações em empresas e licenças) e R$ 62,9 bilhões (Capex) em ampliação em modernização das redes destas empresas e inovação em produtos e serviços. E acrescenta que a previsão de investimentos da empresa no País para o período de 2011 a 2014 é de outros R$ 24,3 bilhões.A adoção da marca comercial Vivo segue a estratégia global do grupo, que utiliza outras marcas para seus produtos e serviços nos 25 países onde atua: MoviStar (América Latina e Espanha) e O2 (Europa, exceto Espanha). “Estamos trazendo a estratégia para o mercado local. Com a diferença que utilizaremos uma marca brasileira”, observa Valente.

“O reposicionamento da marca ocorre em um momento em que a nossa rede de voz e internet móvel 3G está presente em mais de 2,7 mil cidades brasileiras”, contabiliza Paulo Cesar Teixeira, diretor geral da Telefônica|Vivo. “Além disso, em 25 Estados (incluindo o Distrito Federal), nossa rede está equipada com a tecnologia HSPA+. É o 3G Plus, com velocidade de navegação, por meio de modems e smartphones, três vezes maior do que a oferecida pela tecnologia convencional”, completa o executivo. Um dos pontos relevantes da integação foi a construção de novo data center, que entrará em operação ainda este mês. Nele estarão integradas pela primeira vez as infraestruturas de TI das operações fixa e móvel, com investimentos da ordem de R$ 400 milhões.

A rede móvel da Vivo já é utilizada em 140 cidades de oito Estados brasileiros (Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia, Paraná, Santa Catarina, Espírito Santo e Goiás) para oferecer telefonia fixa (Vivo Fixo) e internet (no Vivo Box, que também inclui serviço de voz). “Entre os clientes que estão adquirindo estes novos serviços, 60% preferem a solução integrada. Nos próximos meses, vamos ampliar essa cobertura nacional com outros serviços Vivo e também anunciar ao mercado mais ofertas sinérgicas”, acrescenta Teixeira.

As mudanças passam a valer ainda este mês. A partir do dia 15 de abril, todos os serviços da Telefônica trarão a marca Vivo em seu nome. O Speedy, por exemplo, passa a ser comercializado como Vivo Speedy. O nome Telefônica desaparece de faturas e material de comunicação, as 131 lojas físicas ganham novo visual e os serviços de call center passam a atuar de maneira unificada, sob a bandeira Vivo. Apesar das novidades todas, Valente garante que a mudança será transparente para os clientes. “Na prática, nada mudará para ele”, afirma.

Iniciado há dezoito meses, o processo de mudança da marca está exigindo a participação de toda a empresa. No total, 117 mil pessoas (empregados e prestadores de serviços) passaram por treinamento relacionado à mudança. Entre eles, 37 mil atendentes dos call centers, 44 mil da força de vendas e 32 mil técnicos que cuidam da rede externa no Estado de São Paulo. Os uniformes dos técnicos e os 15 mil carros por eles utilizados também ganharam novo visual com a marca Vivo.

Uma campanha nacional de reposicionamento da marca Vivo como sinônimo de serviços completos em telecomunicações estreia neste domingo (15/04). Uma primeira fase dessa campanha, restrita a São Paulo, já comunicou aos clientes a adoção das marcas Vivo Fixo, Vivo Speedy e Vivo TV para os principais serviços oferecidos anteriormente com a marca Telefônica no Estado.

A Central de Atendimento vai operar agora de forma convergente para usuários que possuem serviços móveis e fixos, independentemente do número de acesso utilizado pelo cliente: 103 15 (fixa) e *8486/1058 (móvel). As faturas dos serviços fixos e móveis continuam separadas, ambas trazendo a identificação Vivo. As novas faturas já estão sendo recebidas pelos clientes.


Oi teve geração de caixa negativo de R$ 454 milhões em novembro

Operadora fechou o décimo primeiro mês de 2017 com R$ 6,87 bilhões em caixa.

Operadoras móveis receberam 1,6 milhão de pedidos de bloqueio de acesso do celular

Ao todo, informa o SindiTelebrasil, 9,3 milhões de celulares estão registrados no Cadastro de Estações Móveis Impedidas (CEMI), por roubo, furto e extravio. Os dados são referentes a 2017.

Segue a sangria nas linhas de telefonia fixa no Brasil

Em novembro, foram contabilizadas 135.964 mil linhas a menos e o país fechou o décimo primeiro mês de 2017, com quase 41 milhões de linhas ativas. Oi, Claro, TIM e pequenos prestadores de STFC puxaram a queda de linhas em serviço.

Teles reduzem número de reclamações. Cobrança ainda é o calcanhar de aquiles

Dados da Anatel mostram que houve uma queda de 15,2% no número de reclamações dos consumidores nos serviços de telecom. A telefonia fixa foi a que teve o melhor índice de recuperação de imagem junto ao usuário.

Plano da Oi prevê investimentos abaixo do necessário, diz Anatel

Para agência, os R$ 4 bilhões previstos de dinheiro novo na operadora não são suficientes para que a Oi alcance o nível anual de aportes dos concorrentes. “Se não acompanhar, vai continuar perdendo mercado”, diz Juarez Quadros. 

Claro repete que há muitas operadoras no Brasil e resiste à entrada dos chineses na Oi

"O mercado já está instável com quatro operadoras. Os chineses têm uma mistura com o governo. Com quem iríamos brigar?", criticou o presidente José Félix. Não é a primeira vez que a Claro diz que o mercado nacional comporta apenas três players.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G