Home - Convergência Digital

Para Anatel, bandas nacionais atiçam cobiça das teles móveis

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 16/04/2012
A Anatel acredita em disputas acirradas nas principais ofertas do leilão da faixa de 450 MHz/2,5 GHz, relativas aos melhores blocos de frequência para os serviços de acesso à Internet. É o que aposta a equipe que desenhou o edital.

Tratam-se, especialmente, das quatro bandas FDD – duas de 20+20 MHz (W e X) e duas de 10+10 MHz (V1 e V2) – além da banda TDD de 35 MHz (U), todas com abrangência nacional e direitos de uso por 30 anos.

Essas combinações de letras e números representam o tamanho dos nacos da faixa de 2,5 GHz ou, em último caso, a capacidade de oferta dos serviços de banda larga móvel com uso dessa frequência.

“O 4G tem uma extrema atratividade, até porque a faixa de 2,5 GHz é a última disponível para serviços móveis”, afirmou o presidente da Anatel, João Rezende, lembrando que há ainda a briga pelo uso do 700MHz, que ainda será definido pelo governo. Para Rezende, apesar dos protestos,dificilmente as operadoras deixarão de participar da disputa.

O edital foi desenhado de forma a atiçar a cobiça, primeiro, pelas duas bandas nacionais de 20+20 MHz, visto que as duas empresas que comprarem essas faixas poderão ter grandes operações de 4G em todo o país.

A distribuição do espectro permite outras duas operações nacionais em FDD – o que, para simplificar, significa banda larga e serviço móvel pessoal de voz – nas bandas de 10+10 MHz.

Mas como a agência permitirá que uma mesma operadora compre tanto a banda V1 como a V2, a expectativa é de que haja forte disputa por ambas entre aquelas empresas que não ficarem com as fatias de 20+20 MHz.

A divisão entre as diferentes tecnologias de modulação, por frequência e por tempo (daí FDD e TDD), é também uma (tênue) fronteira entre modelos de negócios.

A seguir-se essa lógica, a competição pelas quatro bandas nacionais de FDD se dará entre as principais operadoras móveis atuantes no país. Enquanto a banda U, de 35 MHz em TDD, verá disputa entre empresas com operações de MMDS.

Nesse caso, especula-se o interesse Sunrise Telecomunicações (SuperTV), que teria sido alvo de investimentos de US$ 180 milhões pelo grupo dos magnatas mundiais de tecnologia Zaki Rakib e Judy Mozes e do bilionário George Soros.

Uma potencial adversaria é a Sky, que já opera na faixa de 2,5 GHz e inclusive oferece 4G em Brasília. A Anatel acredita no interesse de a empresa substituir as licenças regionalizadas que possui nessa faixa pela banda U, nacional.

Essa expectativa se sustenta nas modificações feitas na proposta original de edital, muito próximas do que a própria Sky pediu durante a consulta pública – prazo para renúncias às licenças atuais como forma de permitir uma reorganização do modelo de negócios. A Anatel dará 18 meses para isso.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

08/12/2017
4G deve somar 200 milhões de conexões na América Latina até dezembro

06/12/2017
Com 4G, pós-pago avança, mas TIM, Claro e Oi sofrem com limpeza do pré-pago

06/12/2017
Teles projetam 100 milhões de 4G até o fim de 2017

05/12/2017
Migração total do 2G exige smartphones mais baratos

10/11/2017
Telebrasil: 4G chega a 3259 municípios e 3G a 5099 localidades

01/11/2017
Melhores 4G do mundo se estabilizam em 45 Mbps

06/10/2017
Nova proposta para 450 MHz prevê TACs para autorizar uso de satélite

06/10/2017
Rede 4G está presente em 3039 municípios do país

03/10/2017
4G cresce 47% em oito meses

19/09/2017
TIM vai fazer testes de 4G em 3,5 GHz

Destaques
Destaques

Teles projetam 100 milhões de 4G até o fim de 2017

Em outubro, a conta é de que já existiam 95 milhões de acessos em 4G, contra 92 milhões de 3G. Expectativa é de que o LTE represente 80% dos acessos em 2018.

Migração total do 2G exige smartphones mais baratos

Para o Sinditelebrasil, preço dos aparelhos é barreira para os 36 milhões de usuários que ainda têm acessos GSM. Acessos 4G superaram os 3G em outubro.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Teles Tradicionais X Especializadas: o dilema para a IoT

Por Fábio Trindade

M2M e a Internet das Coisas são elementos centrais no debate das novas tecnologias que formarão o futuro em torno da 5G e continuarão em crescimento vertiginoso.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site