GOVERNO

Dataprev estuda suspensão de 42 demissões

Luís Osvaldo Grossmann ... 16/04/2012 ... Convergência Digital

A direção da Dataprev aceitou discutir com a Fenadados - Federação Nacional dos Trabalhadores em Processamento de Dados, Empresas de Informática e similares- os critérios genéricos que levaram à demissão de 42 funcionários da empresa desde 23 de março, mas não concorda em rever a decisão e, ao menos por enquanto, tampouco em suspender os efeitos das dispensas. Uma primeira reunião esta prevista para esta terça-feira, 17/4.

A empresa não aceita, porém, a alegação de que praticou demissão coletiva, nem tampouco discutirá os motivos dos afastamentos caso a caso. “São questões pontuais e, além disso, os cargos estão sendo repostos. É uma questão de gestão”, afirmou o presidente da Dataprev, Rodrigo Assumpção.

Para a Fenadados, no entanto, o número de demissões em um curto período de tempo – e que afetaram especialmente aposentados, 30 das 42 dispensas – bem como a justificativa de que se tratam de decisões organizacionais caracterizam a demissão coletiva, que, por acordo coletivo, precisariam ter sido negociadas.

“Estão sendo demitidos funcionários com salários mais altos para que sejam contratados outros com salários mais baixos, precarizando as condições de trabalho”, reclamou o presidente da Fenadados, Carlos Alberto Pereira, mais conhecido como Gandola.

A Dataprev prometeu apresentar documentação sobre o plano de gestão para 2012, bem como algumas das circunstâncias que levaram às demissões, dados sobre programas de requalificação, quantidade de aposentados e o histórico de dispensas desde 2005.

Além da Federação, a Frente Nacional dos Trabalhadores em Informática (FNI) também esteve na audiência desta segunda-feira, 16/4, no Ministério Público do Trabalho. “Por tudo o que ouvi, tendo a acreditar que a Fenadados está com a razão”, disse a procuradora Dinamar Hoffmann.

Ainda assim, não houve sucesso no principal pleito: a suspensão dos efeitos das demissões enquanto o tema for negociado entre a direção da estatal e os representantes dos trabalhadores, mas ainda não houve esse compromisso. Assumpção ficou de responder ao pedido nesta terça, 17.


Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.



Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

Serpro/ITI iniciam atualização dos certificados SSL dos sites do Governo

Instituto Nacional de Tecnologia da Informação informa que serão emitidos certificados digitais na cadeia v2 pela ACSerpro para encerrar as menasgens 'esta conexão não é confiável' nos sites do governo federal. Entidade, no entanto, não divulgou um cronograma de atualização.

MCTIC precisa de R$ 2 bi para fechar ano e fala em 'pressão saudável' por recursos

"Temos que trabalhar, lutar e pressionar, porque não é um recurso que surge do nada. É um recurso muito disputado", advertiu o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab.

Abinee:"Com a nova TLP, o futuro da indústria é bastante nebuloso no Brasil"

Associação da Indústria Elétrica Eletrônica sustenta que a nova Taxa de Longo Prazo (TLP), no lugar da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), aprovada na MP 777, vai afetar 69% das empresas do setor que utilizam financiamentos do BNDES como fornecedoras de máquinas, equipamentos, sistemas e componentes.

Assespro e Brasscom defendem sistema distrital misto para a Reforma Política

Em comunicado conjunto, as entidades do setor de TI se mostram contra o financiamento político por parte do Estado e querem as cláusulas de barreira apenas em 2022. "É preciso darmos uma opinião setorial porque é uma reforma estruturante", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

Fim da gestão do Governo dos EUA abre nova era para a Internet

Desde 1º de outubro, as funções técnicas da internet – nomes, números e protocolos – não envolvem mais um contrato da ICANN com o governo americano. “O Brasil influenciou nessa transição”, diz o secretário-executivo do CGI.br, Hartmut Glaser. 


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G