NEGÓCIOS

Google diz não lembrar de ter que pagar pelo uso da Java

Da redação ... 24/04/2012 ... Convergência Digital

O ex-presidente-executivo do Google, Eric Schmidt, testemunhou em corte nesta terça-feira, 24/04, alegando que não lembra se funcionários de sua empresa haviam informado a ele em 2005 que a companhia teria de pagar por uma permissão da Sun Microsystems para utilizar a linguagem de programação Java.

A Oracle processou o Google em agosto de 2010, dizendo que o sistema operacional Android, do Google, infringia seus direitos autorais e patentes relativos à linguagem de programação Java. O Google respondeu dizendo que não viola as patentes da Oracle e que ela não pode licenciar certas partes do Java, uma linguagem "open source", isto é, de código aberto.

Schmidt, que foi presidente-executivo do Google por dez anos antes de assumir o cargo de presidente do conselho no ano passado, foi a última testemunha da Oracle. O Google convocou-o então novamente como sua primeira testemunha de defesa. Antes de se juntar ao Google, Schmidt foi vice-presidente de tecnologia da Sun Microsystems, que desenvolveu o Java. A Oracle adquiriu a Sun por 7,4 bilhões de dólares em 2010.

Sob questionamentos pelo advogado da Oracle, David Boies, a Schmidt foi mostrada uma apresentação de 2005 aos executivos do alto escalão do Google, em que dizia que o Google "precisa" adquirir a permissão da Sun. Entretanto, Schmidt disse que não se lembrava se o incidente se deu dessa maneira. Schmidt também reconheceu dizer que o Google derivava receita suficiente de anúncios no Android para financiar o sistema operacional e "muito" mais.

"A meta era conseguir o máximo possível de usuários numa nova plataforma que pudesse explorar a internet", disse Schmidt a respeito do Android. O julgamento, que deve durar pelo menos oito semanas, foi dividido em três fases: responsabilidade por copyright, alegações de infração de patentes, e danos.

Em uma etapa anterior do caso, as estimativas de possíveis danos contra o Google foram de até 6,1 bilhões de dólares. Mas o Google conseguiu limitar parte das alegações de infração de patentes da Oracle e reduziu possíveis indenizações. A Oracle busca cerca de 1 bilhão de dólares em danos contra direitos autorais.

O júri tomará sua decisão baseando-se apenas em responsabilidade por copyright antes de ouvir evidências relativas à violação de patentes. O juiz distrital William Alsup pode também decidir sobre algumas das questões sobre direitos autoriais.

Fonte: Agência Reuters


Cloud Computing
Mambu, uma fintech da nuvem, chega ao Brasil

Empresa atua no modelo de SaaS para empréstimos e créditos digitais, por meio de uma parceria global com a AWS. Aqui, busca parceiros estratégicos, revela o diretor Edgardo Torres  Caballero .

Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.



Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

Queda nas vendas reduz preço de tablets no Brasil

Segundo levantamento da IDC, vendas caíram 3% no terceiro trimestre, o que levou a uma redução igualmente de 3% nos valores cobrados há um ano. 

Unisys se reconstrói e centraliza ações em segurança cibernética

Com 93 anos de atuação no país, empresa se prepara para chegar aos 100 anos se autodenominando agora como uma provedora de soluções tecnológicas e não mais como uma empresa de mainframe, sustenta o CFO da empresa, Maurício Caetano.

Bitcoin: 'ouro digital' ou 'lavagem de dinheiro'?

Não há unanimidade com relação à moeda digital. O prêmio Nobel da economia, Joseph Stiglitz, quer a proibição da bitcoin e a liga à evasão fiscal. Mas o mercado se posiciona para a sua adoção. A Bolsa de Chicago terá uma plataforma para negociar mercado futuro de criptomoedas. E a Venezuela se tornou o primeiro país a ter uma bitcoin oficial.

Banco Central e CVM disparam contra moedas virtuais

Em nota, autoridade monetária diz que essas moedas “estão sujeitas a riscos imponderáveis e perda de todo o capital”. Autoridade Monetária adverte que o negócio não é regulado ou autorizado no Brasil.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G