Home - Convergência Digital

Site permite acompanhar evolução de educação inclusiva

Convergência Digital - Carreira
Da redação - 24/04/2012

Com o objetivo de difundir os compromissos públicos assumidos pelas secretarias municipais de educação com a inclusão escolar, em parceria com o Ministério da Educação (MEC), o Instituto Rodrigo Mendes acaba de lançar mais uma iniciativa: o Observatório Gestão Pública (diversa.org.br/gestao-publica), projeto que integra a plataforma web DIVERSA.

Trata-se de um espaço colaborativo e online que tem o objetivo de estimular a educação inclusiva em todo o País. Assim, Observatório Gestão Pública permite que qualquer cidadão acompanhe e monitore o cumprimento de compromissos públicos relacionados à educação inclusiva em escolas regulares, assumidos por 55 secretarias de educação – espalhadas por 17 estados – que participam desta primeira etapa do projeto.

Além de divulgar os compromissos das secretarias participantes, o Observatório Gestão Pública permite que a sociedade civil monitore sua implementação e interaja, por meio de comentários, que podem ser publicados por qualquer cidadão.

Outro importante serviço do Observatório Gestão Pública fica por conta de uma exclusiva ferramenta de ranking. Dessa forma, a partir da atualização das informações publicadas pelas próprias secretarias – como prazos, objetivos, estratégias, realizações etc. –, é possível acompanhar o progresso percentual dos compromissos assumidos por cada cidade e escola, inclusive com um sistema de busca por região.

As cinco secretarias que mais se destacarem durante o ano serão homenageadas pelo MEC, em outubro, durante o encontro do Grupo de Trabalho das Capitais e Grandes Cidades. O acompanhamento das ações é feito de maneira constante e a avaliação é baseada nos dados fornecidos pelas próprias secretarias e, posteriormente, validadas pelo MEC.

Segundo Rodrigo Hübner Mendes, diretor geral e fundador do Instituto, além de acompanhar os avanços de cada secretaria participante, qualquer interessado poderá colaborar de maneira ativa com comentários e sugestões. “Nosso objetivo é fomentar ao máximo a construção de um conhecimento coletivo sobre educação inclusiva, de maneira transparente, colaborativa e consistente”, completa.

Para Martinha Clarete Dutra dos Santos, diretora de Políticas de Educação Especial do MEC, o projeto Gestão Pública é importantíssimo, pois promove o compromisso que pauta a educação inclusiva diante dos órgãos públicos das diferentes esferas de governo, ao mesmo tempo em que proporciona a divulgação, a visibilidade e a valorização de tais experiências que estão em curso no Brasil na última década.

“Na medida em que se formula políticas públicas de inclusão social das pessoas com deficiência, o Brasil tem crescido, apresentando melhores indicadores a cada ano, no que se refere à inclusão escolar das pessoas com deficiência. Se, em 2003, o País tinha 28% de pessoas com deficiência em classe comum e ensino regular, em 2011, esse percentual chegou a 74%. E isso significa que, cada dia mais, as secretarias municipais e estaduais e o Ministério da Educação têm agido em conjunto, também em parceria com a sociedade civil interessada nessa transformação”, conta Martinha.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

Veja mais artigos
Veja mais artigos

eSocial desafia a rotina dos Recursos Humanos

Por Juliana Andrade*

Chegou a hora de as empresas tirarem proveito da robotização, especialmente, na análise de cadastros para observar se há ou não alguma informaçaõ que destoe da atualidade. O regime fiscal online exige a reparação dos dados.

Destaques
Destaques

Flexibilização no trabalho: prática bem longe da realidade no Brasil

Pesquisa mostra que 75% dos brasileiros ainda trabalham no formato tradicional: no escritório e no horário comercial. Estudo mostra ainda que 58% das empresas não fornecem recursos suficientes para viabilizar o home office.

Juízes do Trabalho: Reforma trabalhista só vale depois da sua entrada em vigor

Decisão foi tomada por mais de 700 juízes e desembargadores. Para eles, a Lei 13.467/2017 só deve valer para processos e contratos iniciados após 11 de novembro de 2017, quando a legislação entrou em vigor.

Lei Trabalhista: TST decide que demissão só pode ser homologada no sindicato

Tema é controverso, mas o ministro Alexandre Agra Belmonte decidiu em setença que "se o empregado tiver mais de um ano de serviço, o pedido de demissão somente terá validade se assistido pelo seu sindicato".

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site