Convergência Digital - Home

Nuvem impulsiona venda de software da HP

Convergência Digital
Fabio Barros - 02/05/2012

O mercado corporativo está se cada vez mais próximo da computação em nuvem, o que significa demanda cada vez maior por gestão de TI que, em última instância, tem alavancado as vendas da HP Software no Brasil. Não por acaso, a unidade é a mais lucrativa da companhia, tanto no País quanto globalmente.

Para Silvio Maemura, vice-presidente da HP Software & Solutions no Brasil, a demanda cada vez maior pelos softwares da companhia demonstra a evolução do mercado em relação a adoção da nuvem. “Nosso portfólio hoje é composto por aplicativos para gerenciamento de informação e por aplicativos de gerenciamento de serviços de TI, áreas que crescem de importância com o uso da nuvem”, lembra.

Os primeiros são oriundos da aquisição da Autonomy, e permitem a análise de dados não estruturados. Já a gestão de TI começou com a aquisição da Mercury, e permite desde a identificação de problemas até a identificação do motivo da falha e automação da solução.

Para Maemura, são áreas que, se não forem bem cobertas pelas empresas, podem impedir sua ida para a nuvem. “Uma empresa que esteja planejando usar cloud computing no futuro deve estar pronta para gerenciar a infraestrutura, mesmo que seja de terceiros, e para lidar com um altíssimo volume de dados”, diz.

O executivo lembra que projetos relacionados à nuvem representam hoje cerca de 10% das vendas da área. “Esse percentual deve crescer muito a partir do ano que vem”, diz.

Ao mesmo tempo em que ajuda os clientes a se preparar para gerenciar suas nuvens, a HP Software também vem testando suas próprias ofertas em nuvem. “Temos uma oferta, de teste de aplicativos, que estamos oferecendo no modelo de SaaS: o cliente compra o código, especifica os requisitos e nós realizamos o teste”.

De todo modo, Maemura não acredita que todo o portfólio possa ser oferecido em nuvem. “Nossos aplicativos são muito específicos e ligados a áreas estratégicas das empresas e a nuvem funciona melhor com produtos comoditizados”, diz.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis

Destaques
Destaques

Teles partem para soluções próprias de big data

A adoção da análise preditiva dos dados ainda é considerada 'excessivamente cautelosa' nas operadoras de telecomunicações da América Latina. Mercado na região de big data chegou a R$ 2 bilhões no ano passado.

O fim da era dos serviços tradicionais nos data centers

Mercado está em franca expansão e atrai investimentos de fundos de private equity na América Latina, mas provedores têm de reestruturar as suas ofertas para atender a demanda das empresas. Hosting dedicado ainda foi o produto mais demandado em 2016.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O uso inteligente do Big Data a favor da indústria

Por Marlos Bosso*

Os impactos da revolução 4.0 são inevitáveis. Identrificar o que está por vir é o desafio dos executivos.

Produzimos mais dados do que a capacidade de armazená-los

Por Thiago Franco*

Será que a demanda digital romperá com os limites físicos dos datacenters em curto prazo? Nos últimos anos, muitos especialistas têm tentado responder a esta pergunta.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site