Convergência Digital - Home

Nuvem pública desafia TI dos bancos no Brasil

Convergência Digital
Fabio Barros - 26/04/2012

“Virtualização é passado. O desafio para os próximos anos é o cloud computing”. Dessa forma Luiz Antonio Rodrigues, diretor de tecnologia da Febraban resumiu o modo como as instituições financeiras estão encarando a computação em nuvem: é uma oportunidade, mas por enquanto um desafio.

Sobre a virtualização, o executivo lembrou que ela já está presentam em 80% a 90% dos bancos, e sobre ela não há mais o que discutir. Já em relação à nuvem, os bancos têm se concentrado principalmente em torno de questões como gerenciamento, controle e risco. “Temos visto projetos de nuvens privadas, mas o grande desafio serão as nuvens públicas e as questões regulatórias”, disse.

As mudanças pelas quais os bancos terão que passar envolvem não apenas questões regulatórias, mas também profissionais. Para Rodrigues, este novo ambiente que começa a se formar agora vai exigir também uma mudança no perfil dos CIOs. “Nos últimos anos estes executivos tinham que estar muito próximos do negócio, agora terão que aumentar seu papel no gerenciamento de terceiros”, diz.

Mais que isso, as mudanças no nível de exigência dos clientes, cada vez maior, vai demandar que este profissional entenda cada vez mais as necessidades dos clientes na ponta. Para Rodrigues, os consumidores de serviços bancários mudaram muito nos últimos 20 anos e, na mesma medida, seu envolvimento com a tecnologia, com a popularização cada vez maior de equipamentos como tablets e smartphones. “O foco agora está na conveniência e comodidade do cliente”, afirma Rodrigues.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis

Destaques
Destaques

Dataprev e Serpro vão prestar serviço pela nuvem pública

Objetivo é atender de forma unificada demandas distintas dos órgãos públicos. Empresas vão integrar orquestradores e planejam contratar serviços da Amazon, Google e Azure.

Mercado de computação em nuvem foi de R$ 2,25 bilhões no Brasil

Estudo da ABES mostra que o segmento registrou uma expansão de 47,4% em 2016, tendo como base os dois principais serviços - Software como Serviço (SaaS) e PaaS (plataforma como Serviço). O segmento de análise de dados faturou US$ 809 milhões



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Empresas de TI ou organizações dependentes dela?

Por Paulo de Godoy*

Considerada parte do ‘guarda-chuva’ da Inteligência Artificial, a Machine Learning vem crescendo e ganhando força à medida que o volume de dados explode.

Criando uma arquitetura analítica para o futuro

Por Stephen Rigo*

O custo de não ter a arquitetura analítica adequada é alto, já que esse fator pode gerar problemas de incompatibilidade, governança, segurança, falta de acordos de nível de serviço, escalabilidade e problemas de extensibilidade.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site