INTERNET

Confrontos do Marco Civil: guarda de dados

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/11/2012 ... Convergência Digital

Se a neutralidade de rede é o principal ponto de conflito no Marco Civil da Internet, existem outras questões que alimentam a divisão e também são sensíveis na rede mundial. Tratam-se, principalmente, de duas questões: a privacidade dos usuários e a liberdade de expressão. São pontos previstos no projeto do Marco Civil nos artigos 12, 13 e 15.

Os dois primeiros versam sobre o que o projeto chama de guarda de registros de acesso. E é importante ressaltar que eles não se confundem com os registros de conexão – que são as informações sobre horários que determinados endereços IP usaram a rede, dados considerados importantes em investigações criminais.

Os registros de acesso seriam aquelas informações mais completas sobre os usuários, que podem incluir nome, endereço, e-mail, etc. Seu uso varia, mas em geral se tratam de dados que devem ser fornecidos a determinados aplicativos, como abrir uma conta no Facebook, por exemplo.

Há, portanto, uma distinção importante. Os registros de conexão, por vezes alcunhados de logs, são coletados automaticamente sempre que um computador, tablet, etc, se conecta à Internet, independentemente da vontade do internauta. Os dados pessoais dos “registros de acesso” são fornecidos voluntariamente.

Com o intuito de preservação de provas de eventuais crimes com o uso da Internet, a legislação prevê que os logs de conexão sejam arquivados por um ano. A tarefa, por óbvio, cabe àqueles que fazem as conexões, visto que detém as redes que permitem a qualquer um “entrar” na Internet.

Pelo Marco Civil, a guarda dos “registros de acesso” é proibida aos provedores de conexão – eles só devem guardar os logs – e facultativa aos provedores de conteúdo/aplicações, desde que seguidos alguns princípios também previstos no projeto de lei:

1) inviolabilidade da intimidade e da vida privada;
2) inviolabilidade e sigilo das comunicações, salvo por ordem judicial;
3) informações claras e completas sobre o regime de proteção aos dados fornecidos;
4) não fornecimento a terceiros desses dados, salvo mediante consentimento;
5) informações claras e completas sobre a coleta, uso, tratamento e proteção de seus dados pessoais, que somente poderão ser utilizados para as finalidades que fundamentaram sua coleta;
6) exclusão definitiva dos dados pessoais que tiver fornecido a determinada aplicação de Internet, a seu requerimento, ao término da relação entre as partes.

O caso, aqui, é que os provedores de conexões, as teles, também querem guardar os dados dos internautas. Para tal, argumentam que o Marco Civil traz desequilíbrio ao privilegiar os provedores de conteúdo, que podem fazê-lo, em detrimento das operadoras, que não podem.

Naturalmente, fica de fora da discussão o fato de que os provedores de conexão, caso atendido o pleito, teriam acesso livre a todos os dados de navegação dos usuários – enquanto os provedores de conteúdo estão restrito a seus próprio aplicativos. Não é por menos que o relator do projeto, Alessandro Molon (PT-RJ) trate do tema como o fim da privacidade na Internet.

O interesse em guardar e usar os dados dos usuários é, como admitem as próprias teles, a exploração comercial de mais uma faceta da Internet. O alvo é analisar os perfis dos internautas com base nos interesses demonstrados por aquilo que procuram na rede.

Frise-se que se trata de manter um filão que já existe. Vale lembrar que, em 2010, desembarcou no Brasil a britânica Phorm, especializada no rastreamento dos internautas e na construção de perfis com base na navegação. Ao chegar, a Phorm, que já enfrentava problemas legais na Europa – foi processada pela UE – anunciou seus primeiros clientes: a Oi e a Telefônica (nesse caso, via Terra). O CADE também avaliou a parceria e deu o aval para as duas concessionárias, em meio às críticas e ponderações do mercado.


ICANN dá vitória à Amazon na briga de domínio com os governos do Brasil e do Peru

Três anos depois de perder a primeira batalha, a provedora conseguiu uma revisão do processo na ICANN e recuperou o dominio .Amazon.

Justiça de São Paulo pune cliente e advogado por 'má-fé' no WhatsApp

Juíza da 13ª Vara do Trabalho de São |Paulo impôs uma multa de R$ 4 mil por réus descreverem vínculo de emprego e jornada de trabalho “muito superiores à realidade”.

Minas Gerais e Rio Grande do Sul são os estados que mais crescem na banda larga fixa

Segundo a Anatel, em maio, o serviço somava 27,46 milhões de assinantes. Em 12 meses, houve a adição de 1,4 milhão de acessos à base nacional.

ANCINE adia cobrança de imposto para publicidade na Internet

Agência Nacional do Cinema decidiu prorrogar por 90 dias a entrada em vigor da IN 134, que determinava a obrigação de registro e recolhimento de CONDECINE na Web. Medida entraria em vigor esta semana.

PROTESTE relança velocímetro que mede a velocidade da Internet fixa

De acordo com a Associação, 40% das pessoas entrevistadas em pesquisa disseram receber menos velocidade do que a contratada.

Revista Abranet 21 . junho/agosto 2017
Veja a Revista Abranet nº 21 Convenção Abranet 2017 reuniu provedores de Internet na Bahia para debater não apenas o mercado, mas também a atual situação do Brasil.
Veja também: Oportunidades no Wi-Fi; A revolução do blockchain; WannaCry para a Internet e muito mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G