Home - Convergência Digital

Corporações, em busca do melhor sinal, endossam as femtocells

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 14/01/2013
Depois de passar por dificuldades na primeira metade do ano passado, o mercado de femtocélulas - as femtocells - se recuperou – pesquisa da ABI Research indica que 2012 encerrou com embarques um pouco acima dos 2 milhões de unidades. O patamar foi alcançado porque os embarques mais que dobrar no segundo semestre.

De acordo com o levantamento, o uso empresarial das femtocélulas responde por um terço do total dos embarques. Embora o restante ainda seja destinado ao mercado consumidor das pequenas células, a pesquisa sustenta que dois terços das receitas com pontos de acesso desses equipamentos ficam com as corporações.

Airvana, Alcatel-Lucent e NEC/Ubiquisys mantiveram-se como os principais vendedores de femtocélulas – essas companhias foram responsáveis por 78% dos embarques registrados no ano de 2012.

“O apetite pelas femtocéulas persiste, como demonstra a recuperação do segundo semestre e que pode ser atribuída especialmente à recuperação dos níveis dos estoques, mas também a renovações de contratos com novas versões dos pontos de acesso. O movimento é evidente no continuado aumento dos contratos, que chegaram a 130 no mundo”, diz o diretor de redes móveis da ABI, Aditya Kaul.

Ele acredita, no entanto, que ainda há resistência no mercado. “O desinteresse em usar as femtocélulas como instrumento competitivo, como diferenciador de qualidade da rede, mais do que uma ferramenta de redução do churn, continua a prejudicar o mercado”, avalia.

“Ainda assim, é encorajador vermos a demanda se recuperando, com novos mercados na América Latina e na Rússia. Fatores competitivos em certos mercados promovem um efeito dominó, com um operador apostando [nas femtocélulas] e os outros seguindo. É o suficiente para manter o avanço, com novos modelos de negócios, como femtocélulas como serviço. Em geral, o mercado parece estar virando uma esquina.”

O mercado das femtocells promete esquentar no Brasil, a partir da aprovação das normas de uso desses equipamentos pela Anatel. As femtocélulas vem sendo defendidas pelas operadoras como forma de desafogar o tráfego de dados das redes móveis – visto que usam redes fixas associadas às células.

A proposta de regulamento prevê razoável liberdade para o uso dessas pequenas células e, em especial, atende o pleito das empresas de que elas não sejam consideradas como ERBs, de forma que seu uso não exigirá o pagamento das taxas do Fistel. Eles serão considerados equipamentos de radiação restrita e há também uma posição nacional: as antenas não poderão ser vendidas no varejo. As teles serão responsáveis pelo seu uso.Ideia é impedir interferências e problemas de uso indevido de espectro.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

21/02/2017
Novos chips para celular prometem conexões acima de 1Gbps

13/12/2016
Receita com dados já empata com a de voz

19/08/2016
Banda larga móvel fecha junho com 195,3 milhões de acessos

18/08/2016
BH, Rio e São Paulo estão longe de melhores práticas em Telecomunicações

28/07/2016
Banda larga móvel dispõe de apenas 35,4% de espectro no Brasil

27/06/2016
TIM suspende franquia na banda larga móvel no Infinity pré-pago, mas muda zero rating

01/06/2016
Jovens trocam a 'telona' pela telinha e explode consumo de vídeo móvel

25/04/2016
App do NIC.br compara 3G, 4G e WiFi por operadora

22/03/2016
Na Câmara, projeto resgata ‘silêncio positivo’ para instalação de antenas

01/02/2016
Na guerra pelo chip único, Claro aumenta franquia de dados no plano controle

Destaques
Destaques

Tráfego de dados móveis vai crescer cinco vezes no Brasil até 2021

Relatório Cisco Visual Networking revela que, nos próximos cinco anos,  a população global terá mais telefones celulares (5,5 bilhões) do que contas bancárias (5,4 bilhões), água canalizada (5,3 bilhões) e telefones fixos (2,9 bilhões). Redes 5G chegam antes com IoT.

5G pode gerar 22 milhões de empregos no mundo até 2035

Pesquisa mostra que o 5G terá um impacto no crescimento do PIB global em até US$ 3 trilhões de 2020 a 2035.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

VoLTE: Você sabe o que isso vai significar?

Por Luiz Cesar de Oliveira,

Serviços de voz sobre uma rede 4G devem se tornar disponíveis aos consumidores a partir de 2017.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site