OPINIÃO

Rio de Janeiro: estagnação na área de TIC

Por Benito Paret*
21/02/2013 ... Convergência Digital

Os polos de desenvolvimento tecnológico de capitais, como Recife, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte e São Paulo, geram milhares empregos e propiciam desenvolvimento de qualidade nestas cidades. Aqui no Rio de Janeiro, apesar das promessas e compromissos assumidos pelo prefeito/candidato Eduardo Paes na campanha, o PL 491/2009 não entrou nas prioridades do governo, e não ocorreu a votação prometida para final do período legislativo de 2012. Os novos vereadores iniciaram seus mandatos e boa parte desconhece a importância do setor de software, cujas 10 mil empresas geram em torno de 50 mil empregos em nossa cidade, o que muito nos preocupa. Afinal, desde 2007, com o projeto de lei 1.250 (substituído pelo atual prefeito em 2009, pelo PL 491), o Rio espera a votação da redução da alíquota do ISS das empresas de informática de 5% para 2% pela Câmara. A aprovação do PL 491 criará condições para que o Rio, sede de grandes eventos, alcance o mesmo nível de competitividade das outras cidades em TI e cumpra seu destino de destaque nacional e internacional, o que depende de nosso Prefeito e dos novos Vereadores. É fato que pelo menos 3,4 mil empresas de TI que poderiam estar no Rio de Janeiro procuraram municípios vizinhos, nos quais a alíquota do ISS é inferior ou igual a 2%. Além de tributação mais alta, o Rio não oferece qualquer estimulo para que novas empresas se instalem aqui ou retornem à cidade. Ninguém questiona que o prefeito e os vereadores precisam assumir o compromisso de cuidar de questões essenciais a toda cidade e a geração de empregos é uma delas. O cidadão do Rio merece que desenvolvimento econômico, crescimento da renda familiar e emprego de qualidade sejam considerados prioritários para os próximos quatro anos.

*Benito Paret é presidente do Sindicato das Empresas de Informática do Rio de Janeiro


Carreira
Preciso demitir. E agora?

Mandar um profissional embora é uma das tarefas mais difíceis de um líder. A não ser que o colaborador tenha praticado algum ato que justifique seu desligamento imediato, é muito difícil identificar o momento ideal para tomar essa decisão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G