INOVAÇÃO

Start Up Brasil: aceleradoras poderão ter até 25% de empresas internacionais

Ana Paula Lobo ... 28/02/2013 ... Convergência Digital

No final de março, o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, anunciará o programa de subvenção à Inovação - onde vão estar os recursos públicos para suportar o programa Start-Up Brasil. Ideia é selecionar até 100 start-ups. Expectativa é que mais de 1000 participem da seleção, sendo que as nove aceleradoras poderão escolher até 25% de empresas internacionais. "Esperamos mesmo que isso aconteça. Queremos atrair cérebros para o Brasil", sustentou Virgílio Almeida. da SEPIN.

Nesta quinta-feira, 28/02, durante o anúncio das nove aceleradoras selecionadas para o programa - Aceleratech, Microsoft, Papaya, Pipa, Wayra, 21212, Fumsoft, Outsource e Start You Up, o secretário de Informática do MCTI não quis antecipar detalhes sobre o edital de seleção das start-ups - até para não 'furar' o anúncio ministerial, mas garantiu que haverá, sim, facilidades para a vinda de empreendedores estrangeiros para o país.

"Estamos vendo uma maneira de criar um visto com menos burocracia para esse trabalho específico. O Brasil precisa atrair empreendedores do mundo. Estabelecemos uma meta de até 25%. Assim, há espaço para combinarmos talentos. O Brasil precisa ser um porto para esses empreendedores", frisou Almeida, referindo-se, especialmente, à Wayra, da Telefônica, e à Microsoft, as duas multinacionais selecionadas como aceleradoras. Cada start-up selecionada receberá até R$ 200 mil do governo, o que significará um aporte público de R$ 20 milhões, que serão somados aos R$ 36 milhões, realizados pelas aceleradoras.

No cronograma do Start-Up Brasil, as inscrições das empresas interessadas vai até maio. No final de junho, as empresas selecionadas serão anunciadas. Como aconteceu no processo de escolha das aceleradoras - haverá uma comissão especial, mas também terá a participação direta das aceleradoras.

"Queremos ter a certeza que não haverá a escolha apenas de empresas de Internet. Elas são essenciais, mas queremos abrir frente para empresas de software e serviços. Que façam aplicações para áreas como petróleo e gás; energia, telecom. Precisamos criar mercado nacional e internacional", destacou Almeida.

O fracasso não assusta. Isso porque, salientou o secretário da SEPIN, ele é uma realidade no empreendedorismo. "Não podemos dizer quantas dessas 100 empresas que serão selecionadas vão vingar e ganhar mercado. O programa é para isso mesmo. O governo mitigou o risco tecnológico. O mercado, com as aceleradoras, mitigará o risco de mercado. Inovação é isso", acrescentou.

O coordenador de software e serviços do MCTI, Rafael Moreira, comemorou o bom resultado - uma vez que 23 empresas tentaram ser aceleradoras - da parceria pública privada sugerida na área de empreendedorismo. "Ficou claro que quando o governo definiu um rumo, a iniciativa privada se organizou e o ecossistema se aglutinou e houve uma mobilização imediata".


Cloud Computing
CADE aprova compra da nuvem privada da Verizon pela IBM

Negócio foi anunciado no começo de maio e os valores da transação não foram revelados pelas partes. A operadora com essa venda dá adeus aos negócios direcionados para cloud computing.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Anac regulamenta uso de drones no Brasil

Agência separou os aparelhos em classes, a depender do peso: até 25 kg, 25 a 150 kg e acima de 150 kg, com diferentes exigências de registro e habilitação. Idade mínima para pilotar qualquer um é 18 anos. 

CESAR abre inscrições para atrair startups

Iniciativa é voltada para startups de setores como saúde, serviços financeiros, água, energia sustentáveis, entre outras.

Finep e Fapesp aprovam projetos de R$ 65 milhões para inovação

Dos selecionados, 87 projetos são de pequenas empresas e 10 são direcionados ao desenvolvimento de tecnologias para cidades inteligentes.

Blockchain tem potencial para 'desbloquear' a inovação e tornar o Brasil mais transparente

Em entrevista exclusiva à CDTV, Michael J.Casey, consultor-sênior do MIT Media Lab, assegura que a plataforma é a ideal para evitar silos e permitir conexões entre grupos distintos.
 

Mais que tecnologia, blockchain é um modelo de negócios

Especialistas advertem: empresas erram ao condicionarem investimentos aos protótipos funcionais.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G