Convergência Digital - Home

Telefônica Vivo entra na briga pelo mercado de computação na nuvem

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 27/06/2013

A Telefônica Vivo entrou, de vez, na briga pelo mercado de computação na nuvem no Brasil. Prioridade no plano de negócios dos próximos anos, a empresa anunciou nesta quinta-feira, 27/06, o produto Vivo Cloud Plus, ofertado a partir do datacenter de Santana de Parnaíba, em São Paulo. Serviços estão voltados para a nuvem pública, híbrida e privada, com alvo na Infraestrutura como Serviço (IaaS). Com cerca de 20 clientes na oferta de cloud, a tele garante que não está atrasada. "O momento é esse. Agora as empresas estão percebendo o valor da nuvem. E nós temos a conectividade", disse o diretor geral da Telefônica Vivo, Paulo Cesar Teixeira. 

Ciente que esse mercado de serviços na nuvem tem bastante players, o diretor de Negócios Empresa da Telefônica Vivo, Silvio Antunes, não se furtou a falar sobre o tema. " Estamos acostumados a entrar em ambientes hostis de grande competição. Nós temos o que eles (provedores de TI) não têm: conectividade. Nós podemos entregar o tráfego onde o cliente quiser", ponderou.  Outra grande aposta da empresa é atuar na gestão dos serviços público e privado na nuvem.

"Com a infraestrutura que temos aqui no datacenter podemos fazer a gestão do serviço na nuvem pública, da missão crítica na nuvem privada. Enfim, atuar como um provedor full de computação na nuvem", reforça Antunes. A expectativa é tão grande que o datacenter de São Paulo, ativado em setembro do ano passado, e que teve um custo estimado de R$ 400 milhões, já tem um plano de expansão para 2014.

Para criar o ambiente cloud, a Telefônica Vivo terá o IaaS baseado na tecnologia VBlock, criada pela VCE, joint venture criada pela Cisco, VMware e EMC. A oferta de Software como Serviço(SaaS) está na mira, com parcerias com provedores. "Não somos integradores de SAP, mas podemos atuar em parceria com eles para montar soluções desenhadas para o cliente. E aqui entra também as pequenas e médias empresas. Elas também estão na nossa mira. Não há, hoje, mais negócios que não passem por TI e Telecom", reforçou o diretor de Negócios da Telefônica Vivo.

Indagado sobre a concorrência de titãs no segmento - Google, Amazon e Microsoft na nuvem pública, e HP e IBM, na nuvem privada - o vice-presidente da Telefônica Vivo, Paulo Cesar Teixeira, disse que 'computação na nuvem está começando. Há lugares para todos". Mas destacou a questão da conectividade e, especialmente, o fato de a empresa estar funcionando no Brasil. "Estamos aqui. Temos suporte aqui. Temos equipes aqui. Isso faz a diferença para as empresas", reforçou o diretor geral da operadora.

Sem ter uma indústria como principal alvo - todas são consideradas estratégicas - a Telefônica Vivo passou a ser usuária dos próprios serviços. "Toda a operação móvel e fixa da empresa está aqui e há serviços na nuvem. Nós somos usuários do nosso produto", disse Antunes. Questionado sobre os projetos encabeçados pelos bancos - que estão construíndo datacenters próprios, o executivo disse que está pronto para atuar como backup e redundância. "Será preciso ter essa redundância para compliance, para recuperação de desastre", completou.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.
3ª Semana da Inovação 2017
Governo digital será uma pressão do contribuinte

Cidadão vai querer ter as facilidades do dia a dia no relacionamento com o poder público, afirma o executivo da Huawei Brasil, Rildo Santos.


Destaques
Destaques

Dataprev e Serpro vão prestar serviço pela nuvem pública

Objetivo é atender de forma unificada demandas distintas dos órgãos públicos. Empresas vão integrar orquestradores e planejam contratar serviços da Amazon, Google e Azure.

Mercado de computação em nuvem foi de R$ 2,25 bilhões no Brasil

Estudo da ABES mostra que o segmento registrou uma expansão de 47,4% em 2016, tendo como base os dois principais serviços - Software como Serviço (SaaS) e PaaS (plataforma como Serviço). O segmento de análise de dados faturou US$ 809 milhões



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Empresas de TI ou organizações dependentes dela?

Por Paulo de Godoy*

Considerada parte do ‘guarda-chuva’ da Inteligência Artificial, a Machine Learning vem crescendo e ganhando força à medida que o volume de dados explode.

Criando uma arquitetura analítica para o futuro

Por Stephen Rigo*

O custo de não ter a arquitetura analítica adequada é alto, já que esse fator pode gerar problemas de incompatibilidade, governança, segurança, falta de acordos de nível de serviço, escalabilidade e problemas de extensibilidade.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site