GOVERNO

BNDES busca sócio para salvar fábrica de semicondutores em Minas Gerais

Ana Paula Lobo* ... 05/09/2013 ... Convergência Digital

A crise financeira do grupo do empresário Eike Batista tem dado uma baita dor de cabeça para o BNDES e aflige tambem os planos para o mercado de semicondutores do governo federal. Lançada no começo de 2012 como um projeto audacioso - é estratégia do plano TI Maior - a SIX Semicondutores esta prestes a perder o seu principal acionista privado.

De acordo com reportagem do jornal o Estado de São Paulo, publicada nesta quinta-feira, 05/09, o banco de fomento busca parceiros para substituir Eike Batista à frente do negócio, mas não será tarefa simples. A maior parte das empresas do setor, entre eles a Intel, já deixou claro que o Brasil não é um país viável para a produção de semicondutores, por conta do custo de produção e da falta de infraestrutura.

Pelo cronograma anunciado em 2012, a SIX semicondutores  produzirá chips para aplicações industriais e médicas, com o diferencial de fabricar circuitos integrados sob demanda, a partir de 2015. Agora, com a crise financeira do grupo de Eike Batista essa meta pode ter de ser postergada. Até porque para seguir em frente, o projeto depende do BNDES, que já subsidia 50% do negócio com aporte previsto de R$ 267 milhões, via financiamento do BNDES, e R$ 245 milhões, pelo BNDESPAR, encontrar um sócio, ou decidir bancar sozinho a iniciativa.

Na prática, o controle acionário da SIX semicondutores está definido da seguinte forma: SIX Soluções Inteligentes e BNDESPAR cada um com 33% de participação , investindo o mesmo valor – R$ 245 milhões – no empreendimento. Dos R$ 267 milhões em financiamento do BNDES, serão R$ 202 milhões na modalidade direta e R$ 65 milhões repassados pelo BDMG, que terá 7,2% das ações, por meio da subsidiária BDMGTEC, criada especificamente para atuar na SIX Semicondutores. A Finep aportará R$ 202 milhões em financiamento, sendo parte proveniente de recursos do Funttel. A promessa inicial era a criação de 300 empregos diretos em Minas Gerais, que brigou com Rio de Janeiro e São Paulo e concedeu desonerações para abrigar o parque fabril.

A atração de uma indústria fabricante de semicondutores sempre foi um assunto delicado no governo. As multinacionais rejeitaram a ideia de montar uma planta no país argumentando que não há incentivos fiscais e infraestrutura necessária para suportar um projeto de grande porte. Para não desistir, o governo decidiu investir recursos próprios. Primeiro na CEITEC, instalada no Rio Grande do Sul, e depois na SIX Semicondutores, numa PPP com o grupo Eike Batista.

No começo de 2013, o MCTI lançou o PADIS - Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores - e que reduziu a zero as alíquotas de contribuição para o PIS/PASEP e da Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), incidentes sobre a receita bruta decorrente da venda no mercado interno de circuitos integrados e wafers. O programa foi considerado estratégico, mas para especialistas, não resolveria todos os problemas da área, uma vez que seria necessária também a participação dos Estados e dos municípios, com isenções fiscais e programas de apoio.

Na balança comercial do setor eletroeletrônico, os semicondutores têm sido o grande vilão nos últimos anos. Não foi diferente neste semestre. Tanto que eles tiveram destaque negativo. Os principais produtos importados do setor de eletroeletrônicos os componentes para telecomunicações (+12%), semicondutores (+10%) e componentes para informática (nesse caso, com queda de 9%), que juntos somaram US$ 8,8 bilhões, segundo dados da Abinee.

*Com informações do jornal O Estado de São Paulo


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

Órgãos públicos do Executivo estão proibidos de exigir CPF e CNPJ

Medida impõe o compartilhamento de dados sem nenhuma regra de cuidado com as informações. Portaria proíbe a exigência ainda de certidões de débitos tributários e dívida ativa e certidão de quitação eleitoral.

Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.

Anac autoriza Secretaria de Patrimônio da União usar drones para fiscalização

Licitação para a compra de equipamentos pelo governo deverá acontecer a partir do final de maio. Drones vão ser usados para fiscalizar uso irregular de áreas de praia, margens de rios, terrenos de marinha e espelhos d'água, dentre outros bens públicos de propriedade da União.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G