Convergência Digital - Home

Na 'briga' com as OTTs, Vivo diz que dados no Brasil fazem a diferença

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 27/01/2014

A concorrência com as OTTs é uma realidade e o momento é o de se preparar e lançar serviços para fidelizar os assinantes, a partir da massificação da infraestrutura de conectividade. Essa é a grande aposta da Vivo, que aproveita a 7ª edição da Campus Party, para lançar dois novos serviços  - um de música e outro de nuvem - para reagir à concorrência do Google, Apple e outros.  Cobrança em Real - e não em dólar e pelo cartão de crédito - e a manutenção dos dados no Brasil, além de suporte técnico são considerados diferenciais para a conquista da preferência do assinante.

Em entrevista à imprensa nesta segunda-feira, 27/01, o presidente da Vivo, Antonio Carlos Valente, anunciou os novos produtos, que serão degustados pelos campuseiros do Campus Party. O Vivo Sync é um serviço que armazena e sincroniza, na nuvem, conteúdo de qualquer dispositivo. E a operadora não esconde: ideia é, sim, atrair os assinantes para a nuvem da tele - com preços cobrados em Real e com os dados armazenados no Brasil.

"Não temos qualquer problema de enfrentar a concorrência dos OTTs, mas estamos também nos preparando para a nova realidade dos serviços de telecom que passa pelos aplicativos. No caso da Nuvem, também acreditamos que ter os dados armazenados aqui, de ter um suporte técnico disponível - para problemas de funcionalidade - é um diferencial que o assinante deverá levar em conta. Nós estamos no Brasil", disse Valente. E numa 'estocada', o executivo lembrou ainda que há o recolhimento de impostos no país, diferentemente dos rivais - que usam o cartão de crédito internacional e não têm operação efetiva no Brasil.

O aplicativo Vivo Sync funciona em Wi-fi, 3G, 3GPlus e 4G e é compatível com Android, iOS, Blackberry e Symbian. A versão para Windows Phone chegará até o final do mês e há um portal - portal.vivosync.com. br - com todas as informações do produto, explica o diretor de Serviços de Valor Agregado, Alexandre Fernandes. Indagado se a reação estava ligada ao grande sucesso do WhatsApp no mercado de mensagens instantâneas, Fernandes minimizou. Disse que não enxerga perda de mercado do SMS com o WhatsApp, mas assume que a operadora precisa, sim, estar atenta aos serviços, principalmente, os da nuvem.

O Vivo Música, em parceira com a Naspter, é outra aposta da Vivo nesse segmento de OTTs. O produto chega ao mercado com mais de 14 milhões de músicas disponíveis. Com aplicativo, o assinante poderá ouvir música no PC, no smartphone ou no tablet. "Nosso serviço está muito próximo do Spotfy, um dos mais conhecidos do mundo. A ideia é permitir que o nosso assinante tenha acesso a um produto diferenciado, por um preço adequado à realidade nacional e cobrado em Real e na conta do pós-pago ou no crédito do pré-pago", acrescentou Fernandes.

O executivo falou também sobre a possível adesão da Vivo ao Joyn, plataforma criada pelo GSMA para enfrentar os serviços OTTs e que no Brasil conta com a adesão apenas da Claro. Segundo Fernandes, a operadora avalia a possibilidade e diz que terá uma definição ainda em 2014. Mas admite. Não é barato a adesão. "A integração dos sistemas para o Joyn - que vai muito além da mensagem instantânea - é bem custosa. Os estudos estão sendo feitos para ver a viabilidade".

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.
3ª Semana da Inovação 2017
Investimentos mundiais em nuvens públicas vão chegar a US$ 266 bilhões em 2021

No Brasil, o mercado de computação cresce cerca de 50% e já representa R$ 2,25 bilhões.


Destaques
Destaques

Dataprev e Serpro vão prestar serviço pela nuvem pública

Objetivo é atender de forma unificada demandas distintas dos órgãos públicos. Empresas vão integrar orquestradores e planejam contratar serviços da Amazon, Google e Azure.

Mercado de computação em nuvem foi de R$ 2,25 bilhões no Brasil

Estudo da ABES mostra que o segmento registrou uma expansão de 47,4% em 2016, tendo como base os dois principais serviços - Software como Serviço (SaaS) e PaaS (plataforma como Serviço). O segmento de análise de dados faturou US$ 809 milhões



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Empresas de TI ou organizações dependentes dela?

Por Paulo de Godoy*

Considerada parte do ‘guarda-chuva’ da Inteligência Artificial, a Machine Learning vem crescendo e ganhando força à medida que o volume de dados explode.

Criando uma arquitetura analítica para o futuro

Por Stephen Rigo*

O custo de não ter a arquitetura analítica adequada é alto, já que esse fator pode gerar problemas de incompatibilidade, governança, segurança, falta de acordos de nível de serviço, escalabilidade e problemas de extensibilidade.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site