Convergência Digital - Home

Na 'briga' com as OTTs, Vivo diz que dados no Brasil fazem a diferença

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 27/01/2014

A concorrência com as OTTs é uma realidade e o momento é o de se preparar e lançar serviços para fidelizar os assinantes, a partir da massificação da infraestrutura de conectividade. Essa é a grande aposta da Vivo, que aproveita a 7ª edição da Campus Party, para lançar dois novos serviços  - um de música e outro de nuvem - para reagir à concorrência do Google, Apple e outros.  Cobrança em Real - e não em dólar e pelo cartão de crédito - e a manutenção dos dados no Brasil, além de suporte técnico são considerados diferenciais para a conquista da preferência do assinante.

Em entrevista à imprensa nesta segunda-feira, 27/01, o presidente da Vivo, Antonio Carlos Valente, anunciou os novos produtos, que serão degustados pelos campuseiros do Campus Party. O Vivo Sync é um serviço que armazena e sincroniza, na nuvem, conteúdo de qualquer dispositivo. E a operadora não esconde: ideia é, sim, atrair os assinantes para a nuvem da tele - com preços cobrados em Real e com os dados armazenados no Brasil.

"Não temos qualquer problema de enfrentar a concorrência dos OTTs, mas estamos também nos preparando para a nova realidade dos serviços de telecom que passa pelos aplicativos. No caso da Nuvem, também acreditamos que ter os dados armazenados aqui, de ter um suporte técnico disponível - para problemas de funcionalidade - é um diferencial que o assinante deverá levar em conta. Nós estamos no Brasil", disse Valente. E numa 'estocada', o executivo lembrou ainda que há o recolhimento de impostos no país, diferentemente dos rivais - que usam o cartão de crédito internacional e não têm operação efetiva no Brasil.

O aplicativo Vivo Sync funciona em Wi-fi, 3G, 3GPlus e 4G e é compatível com Android, iOS, Blackberry e Symbian. A versão para Windows Phone chegará até o final do mês e há um portal - portal.vivosync.com. br - com todas as informações do produto, explica o diretor de Serviços de Valor Agregado, Alexandre Fernandes. Indagado se a reação estava ligada ao grande sucesso do WhatsApp no mercado de mensagens instantâneas, Fernandes minimizou. Disse que não enxerga perda de mercado do SMS com o WhatsApp, mas assume que a operadora precisa, sim, estar atenta aos serviços, principalmente, os da nuvem.

O Vivo Música, em parceira com a Naspter, é outra aposta da Vivo nesse segmento de OTTs. O produto chega ao mercado com mais de 14 milhões de músicas disponíveis. Com aplicativo, o assinante poderá ouvir música no PC, no smartphone ou no tablet. "Nosso serviço está muito próximo do Spotfy, um dos mais conhecidos do mundo. A ideia é permitir que o nosso assinante tenha acesso a um produto diferenciado, por um preço adequado à realidade nacional e cobrado em Real e na conta do pós-pago ou no crédito do pré-pago", acrescentou Fernandes.

O executivo falou também sobre a possível adesão da Vivo ao Joyn, plataforma criada pelo GSMA para enfrentar os serviços OTTs e que no Brasil conta com a adesão apenas da Claro. Segundo Fernandes, a operadora avalia a possibilidade e diz que terá uma definição ainda em 2014. Mas admite. Não é barato a adesão. "A integração dos sistemas para o Joyn - que vai muito além da mensagem instantânea - é bem custosa. Os estudos estão sendo feitos para ver a viabilidade".

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Quase metade das empresas brasileiras não virtualizou storage, backup e proteção de dados

É inevitável mexer no sistema legado atual para acelerar a jornada para a transformação digital, revela levantamento da IDC Brasil, contratado pela Dell.

Cloud pública e multicloud entram no orçamento das empresas no Brasil

Mercado de nuvem pública tem receita projetada em R$ 5,5 bilhões ainda este ano.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site