OPINIÃO

"Carro Conectado": Você ainda vai ter o seu!

Por Eduardo Prado *
13/03/2014 ... Convergência Digital

A indústria automobilística sempre esteve na "ponta" no que se refere a inovação.

Na busca de inovação pelas montadoras, a Internet está prestes a pegar a “estrada”. A nova frota de automóveis conectados online está definida para estrear em meados desse ano em países como os EUA. E ela será destinada a tornar o uso de serviços web a parte mais perfeita da experiência de dirigir os automóveis. Esses novos veículos vão tornar mais fácil de ouvir rádio na Internet, obter atualizações de mídias sociais e fazer o download de correções do carro que terá muito software embarcado. Um dia eles mesmos vão dirigir a si próprios quando chegarem – hoje já em fase de testes - os “carros autônomos” (ou sem motorista).

Carros de diversas montadoras terão instalado a conectividade online em poucos anos, tipicamente alcançado através de sincronismo com os smartphones para um veículo e utilizando o plano de dados do aparelho celular para assegurar a conectividade. O smartphone será o ponto central dessa conexão nos carros do futuro.

De uns dois anos atrás até hoje, o interesse em inovação nessa importante indústria tem assumido uma forma diferente com vários players apostando em diversas variações tecnológicas para o que está sendo chamado de “carro conectado”. Entre os “novos” players nesse cenário destacamos: fabricantes de aparelhos celulares (como Apple, Google, Nokia, Microsoft e Qualcomm), importantes Governos (EUA e União Européia) e operadoras de telefonia móvel (AT&T, Verizon, Telefónica, Sprint, entre outras). A esses novos players somam-se os tradicionais fornecedores da indústria automobilística. Para se ter uma idéia do que nos espera com o “carro conectado” ver as referências: Connected Car, Forbes Magazine e AT&T Connected Car.

Existe uma expectativa de mercado que todo carro novo vai estar conectado até 2025 (ver Todo carro novo estará conectado até 2025, afirma GSMA, IDG Now, 13.jun.2013) e que ter um carro “conectado a uma rede” será mandatório nos próximos anos (ver The networked car is no longer just an idea; it will be mandated in future vehicles, GigaOM, 03.feb.2014). Pela “voracidade” dos fabricantes de automóveis e das grandes players do mercado de handsets (leia-se Apple e Google/Android) acreditamos que esse “2025” será antecipado. Os “jogadores de búzios” no final de 2013 preconizaram que 2014 seria o ano do advento dos primeiros carros conectados através da tecnologia 4G-LTE (ver What to expect from mobile networks in 2014: The 4G car, LTE Broadcast and small cells, GigaOM, 27.dec.2013).

Em termos de Governo, os EUA deram um grande passo nesse cenário no começo desse ano. No início de fevereiro, o Governo Obama anunciou a exigência de que os novos carros e caminhões leves fabricados no EUA venham equipados com Comunicação Veículo-a-Veículo ou V2V (Vehicle to Vehicle Communications) (ver Feds move to require car-to-car safety communication, USA Today, 03.feb.2014) Isso vai permitir que os carros se comuniquem entre si. Essa tecnologia tem o potencial de reduzir batidas de carro, danos nos carros e mortes em acidentes automobilísticos.

Os EUA devem publicar um relatório sobre o assunto ainda esse mês destacando a pesquisa de novos sistemas, e a NHTSA (National Highway Traffic Safety Administration) deverá iniciar uma proposta de regulamentação do tema que será publicada antes do final do Governo Obama em 2016 (ver Vehicle to Vehicle Communications: Moving Forward?, Dailywireless, 03.feb.2014). A Comunicação V2V permite que um transponder transmita continuamente a posição do veículo, a velocidade e outras informações do veículo dez vezes por segundo em todas as direções na faixa de frequência de 5,9 GHz conhecida com DSRC (Dedicated Short-Range Communications).

A rede V2V contém dois tipos de nós: veículos e estações na margem das estradas. Ambos os nós usam dispositivos DSRC que trabalham na frequência de 5,9 GHz e tem um alcance aproximado de 100 metros. O veículo receberia a mesma informação de volta de outros veículos e um computador interno no veículo alertaria ao motorista de forma a impedir uma colisão. Alguns sistemas poderiam, inclusive, frear o veículo automaticamente para evitar um acidente. Veja mais sobre Comunicação V2V nos EUA aqui: NHTSA – Vehicle to Vehicle Communications. Coisa futurista não é? Mas vai chegar nos automóveis. Pode esperar!

Uma tecnologia relacionada com a Comunicação V2V é a Comunicação Veículo-a-Infraestrutura ou V2I ou VII (Vehicle to Infrastructure Communications) que conecta veículos com a infraestrutura das estradas (como por exemplo, com sinais de trânsito). A tecnologia V2I poderia ser utilizada para ajudar a coordenar melhor o tráfego nas cidades (ver US to push for mandatory car-to-car wireless communications, CNET News, 03.feb.2014).

As Comunicações V2V e V2I são normalmente parte componentes de algo maior conhecido como Intelligent Transportation Systems (ITS) que integra a comunicação entre nós móveis e fixos, utilizando infraestrutura de telecomunicações fixa e sem fio. O ITS é o futuro da evolução tecnológica nos transportes de uma maneira global (ver Intelligent Transportation System, ITIF, January 2010 – PDF; Intelligent Transport System do ETSI da Europa; e Presentations of ITS Some Bits from the World do 6th ETSI ITS Workshop, Berlin, 12-13 February 2014).

A União Européia (UE) tem sido muito ativa na área de automação de transportes (ver New connected car standards put Europe into top gear, European Commission, 12.feb.2014) mas segundo reguladores europeus a EU não vai forçar os proprietários de carros e fabricantes de automóveis a utilizar sistemas de “carro conectado” como fez os EUA como vimos acima (ver Unlike the U.S., Europe doesn’t plan to mandate connected cars, GigaOM, 12.feb.2014).

“Carro Conectado”

Existem diferentes visões do “carro conectado”. Apresentamos abaixo uma visão das funcionalidades desse conceito apresentadas na matéria: The connected car of the future (infographic), GigaOM, 06.feb.213 , a saber:

[a] Smartphone

O smartphone terá um papel-chave na próxima geração do carro conectado. Em muitos casos, ele irá fornecer a conectividade de Internet sem fio no painel do automóvel, que será o sistema “nervoso central” para as opções de entretenimento do carro. Mas várias montadoras querem que o telefone do motorista seja muito mais do que isso: elas querem que o telefone sirva como o cérebro de todo o “carro conectado”.

Isso significa que ele iria hospedaria os diversos aplicativos que dão ao carro funcionalidades adicionais, enquanto o próprio carro se tornaria simplesmente a interface para aqueles aplicativos. Isso permitiria que os fabricantes de automóveis adicionassem novos recursos com mais freqüência, porque telefones mais avançados estão sendo lançados a todo tempo.

Ao tornar o smartphone o ponto central do “carro conectado”, as montadoras estariam cedendo algum controle, mas elas podem não ter escolha.

Vamos viver uma nova época na relação smartphone – carro que trará grandes surpresas para todos!

[b] Comando de Voz

Alguns carros já têm capacidade de comandos voz limitada - podemos reproduzir músicas, por exemplo, e iniciar chamadas telefônicas. Mas, no futuro, eles serão capazes de usar de linguagem natural entendimento baseada na tecnologia de “nuvem” (cloud) para interpretar solicitações cada vez mais complexas. Não só seremos capazes de ditar e-mails e mensagens de texto enquanto dirigimos, e eventualmente utilizar assistentes de carro comandados por voz irão se fundir com assistentes pessoais no telefone e em casa. Quando isso acontecer, nossos carros serão capazes de se comunicar com os nossos televisores, por exemplo, ou os nossos sistemas de segurança residenciais.

[c] Infotainment (Informação e Entretenimento)

Os carros do futuro terão centrais de informação e entretenimento. Os aplicativos (apps) que têm aparecido até agora são mais focados em entretenimento, como Pandora e Amazon Cloud Player, mas em breve veremos uma mesma gama ampla de aplicações em carros que estamos acostumados a ver em nossos smartphones e tablets. As montadoras de automóveis terão que definir o conjunto de restrições sobre os desenvolvedores de aplicativos - por razões de segurança. Mas com novas interfaces de “mãos livres” (hands free), vamos ser capazes de reservar um estacionamento, obter recomendações para restaurantes nas proximidades, e compartilhar os nossos locais com familiares, amigos e colegas de trabalho - tudo com um simples comando de voz.

[d] Comunicações Veículo-a-Veículo (V2V)

A indústria automobilística e os reguladores de transportes terrestres estão desenvolvendo os padrões para redes sem fio que, simplesmente, vão permitir que os carros possam falar uns com os outros (como já vimos acima no caso dos EUA). Os carros serão capazes de se comunicar, se estão acelerando, ou freando ou virar em uma rua – e até mesmo seus eventuais destinos. Os carros saberão o que seus “pares” estarão fazendo e o que mais eles podem coordenar. Em última análise, vamos chegar carros mais seguros que podem “sentir” o tráfego e as condições das estradas muito melhores do que qualquer condutor individual.

[e] “Mecânica Conectada”

Embora as montadoras de automóveis serão muito cuidadosas como os aplicativos (apps) quanto das informações sensíveis do motor, transmissão e outros componentes sensíveis da mecânica do carro possam ser expostas ao “mundo” externo, eventualmente aplicativos vão ser capazes de acessar o desempenho do veículo e informações de diagnóstico. Os aplicativos serão capazes de monitorar a saúde dos nossos carros, e dizer-nos quando estão em funcionamento e quem está dirigindo-os. Seremos capazes de enviar os dados de funcionamento dos nossos carros para nossos mecânicos e às nossas seguradoras, para que eles possam melhor diagnosticar os problemas e nos oferecer melhores prêmios de seguro. Aqui tem um nicho de negócio interessante para as seguradoras pois poderão coletar dados do carro, áreas de circulação e perfil do condutor!

[f] Comunicações Veículo-a-Infraestrutura (V2I)

Como os carros vão começar a ser conectar um ao outro, eles podem criar redes mesh (de malha) maciças “em movimento” que, por sua vez conectam nós fixos na estrada e/ou rodovia. O que se ganha é uma grande "colmeia", onde grupos massivos de veículos podem coordenar suas atividades na estrada, não apenas prevenindo acidentes, mas também controlando o fluxo de tráfego através de uma inteligência centralizada. Parece exagero, mas com o número de veículos nas estradas cada vez mais crescente em vários milhares de milhões, as pessoas podem realmente ter  que abrir mão do controle, se elas realmente pretendem chegar a algum lugar.

Como vimos acima no futuro o smartphone e a comunicações V2V e V2I serão  elementos muito importantes na conectividade dos carros. Com a disseminação dessa conectividade “automobilística” já tem gente pensando na privacidades dos motoristas. A Ford já deu o primeiro passo (ver Ante el boom de los coches conectados a internet: Ford plantea una ley para proteger la privacidad del conductor, El País, 16.ene.14).

A tecnología 4G-LTE – pelas suas caraterísticas – vai ser um elemento importante que vai permitir uma aposta maior dos players envolvidos no negócio do “carro conectado”. A disseminação dessas redes vai “atiçar” ainda mais o interesse nesse negócio. Na recente feira Consumer Electronics Show (CES) 2014, em Las Vegas, os anúncios da tecnolgia 4G-LTE nos carros vai iniciar uma nova geração de automóveis com conectividade em alta velocidade (ver CES 2014: 4G cars usher in the era of the seriously connected automobile, ExtremeTech, 08.jan.2014).

Na recente conferência Mobile World Conference 2014  (24-27.mar.2014) em Barcelona, a Telefónica anunciou o lançamento do primeiro “carro elétrico conectado” em parceria com a Tesla dos EUA (ver Tesla, el coche eléctrico con conexión permanente a Internet, El País, 26.feb.2014 e Vídeo: Connected Car da Telefónica) utilizando a plataforma do tradicional fornecedor de M2M, a Jasper Wireless. Esse fornecedor anunciou também em Barcelona a sua plataforma “cloud” para “carro conectado” denominada The Connected Car Cloud. Ela é projetada para permitir as montadoras ofertar uma ampla gama de sistemas de segurança e infotainment. A Jasper fornecerá também o sistema AT&T Drive, que é uma plataforma automotiva global que será utilizada pela operadora de telefonia móvel americana nos serviços para os “carros conectados”.

Com o conceito de Internet of Things, a conectividade “de qualquer coisa” já ultrapassa fronteiras e vai muito mais além dos carros (ver Qualcomm´s Vision of Future: Everything is connected, CNN Money, 19.dec.2013).

Referências:

Ford unveils Ford Focus 2014 with SYNC 2 and hands-free parking at MWC, T3 The Gadget Website, 26.feb.2014

The many faces and advantages of Connected Cars, Telefónica, 13.feb.2014

Hands on with GM’s new 4G-powered connected car system, GigaOM, 12.feb.2014

Telematics Gears Up, Dailywireless, 06.jan.2014 

Connected Car market Size: Global Connected Car M2M Connections and Services Market 2014-2018, Reasearch and Markets, November 2013

How manufacturers are tackling the Connected Car, Telefónica, 26.jun.2013

Telefónica m2m: Connected car come of age, Slide Share, 22.may.2013

Car Sharing: Mercedes and Bosch push for new ideas around connectivity and big data, GigaOM, 16.apr.2013

Car Networking: Lots of Choices, Dailywireless, 08.apr.2013

Connected Car: Embedded or Not?, Dailywireless, 28.feb.2013

GM Goes with AT&T for 4G Connected Car, Dailywireless, 25.feb.2013

At CES the connected car became truly connected, GigaOM, 12.jan.2013

Car Technology at CES 2013, Dailywireles, 09.jan.2013

Cloud Techhnology: Volvo signs with Ericsson for cloud-based in-car apps, probably including Spotify, GigaOM, 17.dec.2012

“Carro sem Motorista” (Driveless Car)

Imagine sentar em seu carro e ler notícias ou assistindo a um filme em seu tablet - tudo isso enquanto você se locomove para o trabalho mas você não é o condutor do veículo e o seu carro “anda sozinho” e sem motorista!

Esse futuro pode não ser tão longe quanto você pode pensar, porque “carros autônomos” (Autonomous Car) podem ser uma realidade em menos de dez (ou quinze) anos. Esses carros - também conhecidos como driverless car ou self-driving car ou robot car  - têm uma interessante característica: não têm motorista (sic!).

Segundo predição de Justin Rattner (Intel, CTO) os “carros autônomos” estarão disponíveis em 10 anos e, no futuro, os compradores estarão muito mais interessados na tecnologia interna do veículo do que na qualidade do motor. Vamos esperar para ver então, né? (ver Autonomous cars will arrive within 10 years, Intel CTO says, Computerworld, 22.oct.2012).

O “carro autônomo” normalmente possuem quatro assentos e os dois da frente são capazes de girar permitindo que seus ocupantes fiquem frente a frente dois outros dois passageiros durante o transporte.

O conceito dos carros self-driving tem se mostrado viável.

O gigante da Internet “Sempre Ele” Google estreou um “carro autônomo” e a empresa lançou recentemente a Aliança “Open Automotive Alliance (OAA)” (ver Referências do Google), que visa promover um framework para os “carros autônomos” (ver Vídeos sobre Self-Driving Car).

Na feira Consumer Electronics Show (CES) 2014, em Las Vegas, a Audi mostrou mostrou o seu “carro autônomo”, porém, não quis dizer quando a sua tecnologia se tornaria disponível no mercado (ver Vídeo do Driveless Car da Audi). O progama de “carro autônomo” da montadora alemã chama-se "Audi Piloted Driving Program" (ver CES 2014: Audi's self-driving car -- look, Ma, no hands, Los Angeles Times, 10.jan.2014).

Na mesma CES 2014, a BMW alemã também mostrou o seu protótipo de “carro autônomo” (ver CES 2014: BMW unveils drifting self-driving car, The Telegraph, 09.jan.2014).

Veja que o Google disputa o cenário de “carros autônomos” com tradicionais montadoras. Uma pergunta que não quer calar: quando o Goggle vai parar de inovar, hein gente? Vá inovar assim nos “raios que o parta”! Conheça um pouco aqui da estratégia de aqusição de empresas do Google:  Google quer ser gigante também no mundo da Internet das Coisas, Veja, 19.jan.2014 e Video: Analyzing Google Acquisitions with Professor George Geis, YouTube, 19.sep.2013.

Um ponto interessante sobre o Google: além de investir na área de “carros autônomos”, o Google tem manifestado um interesse inusitado na área de robótica. Em dezembro passado, o Google adquiriu a importante empresa Boston Dynamics que atua com robots: ¿Google al rescate?: El verdadero valor de Boston Dynamics, El País, 26.diciembre.2013 e Here’s what Google has added to its robotics program by acquiring Boston Dynamics, GigaOM, 17.dec.2013

Uma das grandes importâncias dos “carros autônomos” é que nos carros sem motoristas, os “carros não bebem” álcool! Veja aqui o que diz o especialista Bred Tempaton, guru de Sillicon Valley da Singularity University, que é projetista de “carros autônomos”: “Los coches robot no beben”, El País, 20.ene.2014 e Vídeo de Brad Templeton: Self-driving cars and the future of robotic automotives, 19.dec.2013.

O nível de expectativa dos cidadãos hoje em dia em relação a uma tecnologia de serviços é alto. Em recente pesquisa nos EUA metade dos americanos querem viver em cidades inteligentes com “carros autônomos” (ver Half of Americans want to live in a smart city with driverless cars, Computerworld,  12.feb.20140.

Ver aqui no Wikipedia outros players envolvidos em projeto de “carros autônomos”.

Referências:

Smart highways and driverless cars coming in 2030 -- for real?, Computerworld, 26.feb.2014

Smart Cars Are Getting Smarter, But the Ride Isn't Perfect, Computerworld, 11.feb.2014

Driverless Cars Are Further Away Than You Think, MIT Technology Review, 22.oct.2013

Ford hasn’t built the autonomous car yet, but it’s getting closer, GigaOM, 08.oct.2013

Fabricantes de Handsets

Como o smartphone terá um papel fundamental no “carro conectado” do futuro é natural que grandes fabricantes de smartphones tenham um interesse especial no carro do futuro. Aqui leia-se: o gigante da Internet “Sempre Ele” Google, a famosa Apple, a Microsoft e a Qualcoom para citar os principais players nessa arena. Algum “aluno relapso” pode perguntar (pois perguntar não ofende)? E a Nokia? Essa – que outrora foi uma grande inovadora tecnológica - “rodou” pois se perdeu no templo da inovação e acabou sendo adquirida pela Microsoft (Microsoft to acquire Nokia’s devices & services business, license Nokia’s patents and mapping services) em setembro de 2013 que se esforça muito na área mobile mas até hoje “não passou direto” nas provas!

O Google pretende colocar seu Android no “asfalto” ainda em 2014 nos painéis dos automóveis. O Google anunciou recentemente (como vimos acima) a Open Automotive Alliance (OAA), que é um consórcio com os fabricantes de carros e outras firmas dedicados a trazer o o Android para o painel dos carros em um modelo “sem fronteiras”.

Os membros iniciais do Consórcio são Google, GM, Audi, Hyundai, Honda e Nvidia – interessantemente, ambas Hyundai e Honda também são parceiras do arquirival do Google a empresa apple com sua associação iOS in the Car, sugerindo que os carros do futuro podem não ter necessariamente uma plataforma única mas “carregar” ao mesmo tempo do painel o Android e o iOS da Apple. Além desse players, a Hyundai e a Kia já anunciaram seus planos para usarem os sistemas de navegação baseados em Android (ver Google unveils Open Automotive Alliance, featuring GM, Audi, Nvidia and others, GigaOM, 06.jan.2014).  

A Apple anunciou recentemente a ação Apple CarPlay, uma iniciativa da iOS in the Car, cujos primeiros carros da Ferrari, Mercedes-Benz, e Volvo foram anunciados no Salão do Carro de Genebra em 2014. A Apple CarPlay vai trabalhar com iPhone 5, 5S, ou 5C. O CarPlay da Apple vai permitir que as montadoras lancem carros mais inteligentes , mais seguros e vão utilizar o iPhone nos seus carros de uma forma mais divertida. O CarPlay permite que os usuários do iPhone possam fazer chamadas de uma forma mais intuitiva, usar mapas, ouvir música e acessar mensagens com simplesmente a emissão de uma “palavra” ou um toque.

Os usuários podem facilmente controlar o CarPlay através da interface nativa do carro ou através de comandos de voz através da interface Siri da Apple sem que o motorista se distraia do trânsito. Os veículos da Ferrari, Mercedes-Benz e Volvo serão os primeiros a utilizar o CarPlay, enquanto outras montadoras virão depois como Grupo BMW, Ford, General Motors, Honda, Hyundai Motor Company, Jaguar Land Rover, Kia Motors, Mitsubishi Motors, Nissan Motor Company, PSA Peugeot bCitroën, Subaru, Suzuki e Toyota Motor Corp. Conheça mais do potencial do CarPlay aqui:  Apple Introduces CarPlay, Dailywireless, 03.mar.2014; Apple isn’t going to take over your dashboard, but it will make it a lot easier to get apps into your car, GigaOM, 03.mar.2014; Apple’s CarPlay hits the road, GigaOM, 03.mar.2014; e  Apple entra en el coche con CarPlay, El País, 03.mar.2014.

O Google e a Apple estão disputando “palmo a palmo” a supremacia do negócio do “carro conectado”. Será uma disputa acirrada e os dois players têm um potencial individual que os diferencia. A mídia mundial tem destacado muito essa disputa mas nós particularmente acreditamos que os dois players poderiam conviver ao mesmo tempo no carro mas o consumidor teria o “voto de minerva” na escolha de um ou outro sistema (ver Battle for the car: will Google, Apple or Microsoft dominate?, The Guardian, 06.mar.2014; Google, Apple Forge Auto Ties, The Wall Street Journal, 29.dec.2013; e  Google and Apple Battle for Connected Car, Dailywireless, 30.dec.2013). Pelo que vimos aqui é bom a Microsoft começar a “andar” se quiser um espaço nessa seara!

Referências:

Google's 'Projected Mode' in-car system possibly leaked by Mercedes-Benz, Engadget, 02.mar.2014

Ford 'not married' to Microsoft for next-gen Sync, but BlackBerry isn't necessarily in, CNET News, 27.feb.2014 

Why your next Ford car may run on BlackBerry, not Microsoft, software, GigaOM, 24.feb.2014

Ford estudia la integración en el sistema Android para los coches, El País, 29.ene.2014 

Qualcomm wants to power the apps in your car’s dashboard, GigaOM, 06.jan.2014 

Google, Apple Forge Auto Ties, Wall Street Journal, 29.dec.2013

Nokia Announces Here Connected Driving, Dailywireless, 30.aug.2013

Operadoras de Telefonia Móvel

Um outro player que tem muito interesse no negócio do “carro conectado” é a operadora de telefonia móvel. As principais operadoras envolvidas aqui são: as americanas Verizon Wireless, AT&T e Sprint e a espanhola Telefónica. As outras – com certeza – “acordarão” para esse grande negócio em curto prazo por razões óbvias.

Para mais detalhes sobre as ações das operadoras de telefonia móvel no cenário dos “carros conectados” ver as referências abaixo.

Referências:

Referências do Google sobre Telefónica + Connected Car

AT&T Ups the Stakes in Connected Cars, Light Reading, Light Reading, 07.jan.2014

AT&T wants to delve deeper into the connected car with Drive Studio, GigaOM, 06.jan.2014 

AT&T is teaming with Ericsson, Amdocs, Jasper Wireless, Synchronoss and others to create AT&T Drive, Fierce Wireless, 06.jan.2014

Sprint’s in-vehicle platform, Velocity: Telematics Gears Up, Dailywireless, 06.jan.2014

Verizon Forms Connected Car Venture, Dailywireless, 08.jun.2012

Verizon buys Hughes Telematics to target the connected car, GigaOM, 01.jun.2012

Em termos de Brasil, não nos consta nenhuma movimentação do Governo Federal no horizonte do “carro conectado” e pelo “andar da carruagem” da “competência” (?) do Denatran – onde coexistem “vários interesses” políticos – com os seus SINIAV (SINIAV: todos os automóveis brasileiros ganham chip até 2014) e SIMRAV (Sistema integrado de monitoramento e registro automático de veículos) ainda vamos “gramar” muito nessa área. E realmente uma pena viver em uma país onde perdura essa “miopia” em inovação tecnológica e a falta de interesse da classe política de olhar para a frente! O “carro conectado” poderia trazer grandes oportunidades para várias empresas envolvidas no setor de telemática.


Eduardo Prado é consultor de mercado em novos negócios, inovação e tendências em Mobilidade e Convergência.
E-mail: eprado.sc@gmail.com
Twitter: https://twitter.com/eprado_melo

Outras matérias do autor aqui:
Teleco
http://www.teleco.com.br/colaborador/eduardoprado.asp
Convergência Digital
http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=37


Carreira
No Brasil, mais de 60% usam smartphone próprio para fins profissionais no horário de trabalho

Pesquisa global mostra que 92% dos brasileiros tiveram acesso ao smartphone, um número 30% acima dos usuários de notebooks (70%). Levantamento também destaca que as mulheres são mais engajadas do que os homens no uso do WhatsApp.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G