TELECOM

Teles vão vender dispositivo antiespionagem no Brasil

Ana Paula Lobo ... 06/05/2014 ... Convergência Digital

Já está disponível no Brasil, um dispositivo eletrônico que tem como premissa, por meio de criptografia segura,  proteger a comunicação entre celulares, telefones fixos, tablets, PCs, notebooks e servidores. A solução - desenvolvida pela norte-americana KookSpan especializada em segurança de comunicações para empresas e agências governamentais, está sendo comercializada aqui pela FGX, multinacional brasileira da área de Tecnologia.

Batizado como TrustChip, o produto é considerado 100% seguro, porque a aplicação de segurança está embarcada no chip. "O TrustChip funciona como um cartão de memória e pode ser colocado em qualquer dispositivo móvel. Ele tem até 2 Giga de memória e serve para proteger a comunicação via Wi-Fi, 3G ou 4G", explica em entrevista ao Convergência Digital, o presidente da FGX, Fábio Guimarães.

Ele rechaça a possibilidade de pela solução ser norte-americana haver a possibilidade de 'back door' aberto à vigilância do governo daquele país. "Toda a infraestrutura do serviço está instalado no Brasil. Não há como haver a interceptação. Não há chave-matriz. Apenas no caso da negociação com as teles, é que elas terão de abrir as informações à justiça, como já acontece hoje legalmente. O TrustChip está adequado à legislação brasileira", garante Guimarães.

Com relação às operadoras, o executivo diz que o plano delas é vender a solução como um serviço. Sem dar nomes ainda, diz que uma operadora deverá ter contrato de exclusividade por um período e o acerto deve ser conhecido em pouco tempo. Para bancos, governos e corporações, a venda do TrustChip será feita de forma direta pela FGX. A expectativa da empresa é comercializar 5000 unidades até dezembro. A ideia é o pagamento de uma mensalidade à empresa, orçada, inicialmente, em R$ 150. Mas o custo a ser cobrado para pessoas físicas será definido pela operadora.

"Temos convicção que essa é uma solução importante em função das denúncias da espionagem feita pelo Snowden, ex-agente da CIA. Muitas companhias estão buscando como proger seus dados e evitar vazamentos", sinaliza Guimarães. O goveno está na mira e também será um alvo de comercialização. "Comunicação segura é uma ambição e nos EUA o TrustChip é usado pelas principais agências de segurança", explica.

Guimarães explica ainda que qualquer aparelho que tenha uma entrada microSD pode fazer ouso do TrustChip. No caso dos dispositivos da Apple (como o iPhone), que não possuem essa entrada, é necessário o uso de uma capa auxiliar com o acesso microSD. Para o segundo semestre, a companhia terá uma solução voltada para criptograr o envio de fotos. "A ideia é que a foto possa ser vista uma única vez. Isso pode ser usado em um documento", exemplifica.


Segue a sangria nas linhas de telefonia fixa no Brasil

Em novembro, foram contabilizadas 135.964 mil linhas a menos e o país fechou o décimo primeiro mês de 2017, com quase 41 milhões de linhas ativas. Oi, Claro, TIM e pequenos prestadores de STFC puxaram a queda de linhas em serviço.

Plano da Oi prevê investimentos abaixo do necessário, diz Anatel

Para agência, os R$ 4 bilhões previstos de dinheiro novo na operadora não são suficientes para que a Oi alcance o nível anual de aportes dos concorrentes. “Se não acompanhar, vai continuar perdendo mercado”, diz Juarez Quadros. 

Claro repete que há muitas operadoras no Brasil e resiste à entrada dos chineses na Oi

"O mercado já está instável com quatro operadoras. Os chineses têm uma mistura com o governo. Com quem iríamos brigar?", criticou o presidente José Félix. Não é a primeira vez que a Claro diz que o mercado nacional comporta apenas três players.

Eletrosul testa suporte por satélite com Telebras e Hughes

Com 11 mil km de linhas de transmissão, a empresa é responsável por aproximadamente 10% do sistema de transmissão do País. Piloto terá duração de 60 dias.

Rede fixa três vezes maior do que a das rivais será o futuro da Oi

O diretor de Tecnologia de Redes e Sistema da Oi, Pedro Falcão, sustentou que o backbone óptico e as redes metropolitanas são a 'joia da coroa' e despertam a ambição dos concorrentes. "A Internet de Tudo exigirá muita rede fixa", frisou.

Oi unifica mainframes para acelerar serviços digitais

Tele também montou o Centro de Gerência de Serviços, em Brasília, com a missão de unificar as ações em áreas como recarga de pré-pago e faturamento.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G